19 de julho de 2024 20:55

Policial Militar mata cachorro a tiros

O caso gerou revolta no dono do animal, que estava com ele há 11 anos, e em pessoas que presenciaram a cena. O policial alegou que foi atacado pelo animal

Um sargento da Polícia Militar matou um cachorro nesta quinta-feira (24) no bairro Letícia, em Venda Nova, Belo Horizonte. O caso gerou revolta no dono do animal, que estava com ele há 11 anos,  e em pessoas que presenciaram a cena. O policial alegou que foi atacado pelo animal. 

De acordo com o boletim de ocorrência, o dono do cachorro, o analista de sistemas Alberto Luiz Andrade Simão, de 55 anos, contou que prendeu Yankee, nome do animal de estimação, por meio da coleira a um poste de ferro e foi comprar carne em um supermercado. 

Segundo ele, uma criança o avisou que o cachorro teria soltado e saiu correndo pela avenida Elias Antônio Issa. No meio do caminho o cão dele e a cadela do policial se estranharam e o militar atirou contra o animal. 

Ainda de acordo com o analista de sistemas, mesmo com o cão caído ao solo, o militar deu outro disparo. Segundo o boletim de ocorrência, nesse momento, o dono do animal ferido disse: “Você é louco, matou meu cachorro”. E o autor dos disparos disse que ele era irresponsável e que não deveria deixar o animal solto na rua. O tutor de Yankee alega ainda que o militar disse que ele tinha sorte por não levar um tiro na cara. 

Já a polícial que estava à paisana contou que transitava com sua cachorra filhote para ir até um pet shop na avenida quando o outro cachorro veio em sua direção. Na versão dele, o animal tentou atacá-lo e investia contra sua cadela. Ele disse que gritou contra o cão que continuou o atacando. 

O militar alegou que deu um primeiro disparo é que mesmo ferido, o animal continuou tentando atacá-ló e, por isso, ele atirou novamente. A reportagem procurou a Polícia Militar sobre o caso e aguarda retorno.

Cachorro era adotado e estava há 11 anos com a família 

Em um vídeo nas redes sociais, Simão lamentou a morte do animal de estimação.  “A dor é grande, o Yankee morreu, é um cachorro de adoção que veio para minha casa quando meu filho tinha 4 anos. O amor dos dois é imenso. Fica uma tristeza e uma revolta por que se a pessoa faz isso é por que se sente impune, sabe que vai escapar ileso disso”, relatou.

O analista de sistemas disse ainda que o cachorro era muito dócil. “Ele nunca atacou ninguém, era um cachorro até bobo, ele só queria brincar correndo e eu correndo atrás dele, 20 minutos. Meu cachorro era um vira-lata gente boa, amigo de 11 anos”, conclui. 

FONTE O TEMPO

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade