Acampado, professor registra passagem do espetáculo do cometa Neowise pelo céus da região

21
Fotografia na qual se observa, na parte inferior esquerda, o cometa com sua respectiva cauda. / GUARA DRONE

Pelas lentes do professor de Geografia da EPCAR, de Barbacena, o piranguense Patrício Carneiro, ele conseguiu captar o momento em que o cometa Neowise cruzava os céus.
Ele relatou a nossa reportagem, que durante os últimos dias, subiu aos  topos de morros como o Guedes, o Roncador e o Mandengo para tentar fotografar o cometa Neowise.

Aventura
Em uma de suas caminhadas ele pernoitou acampado e, somente na noite desta segunda-feira (27), ele consegui, finalmente, fotografar o objeto no céu no morro do Biquinha. O Neowise, que veio dando um show de imagens no Hemisfério Norte por onde foi visto, acabou frustrando muitos brasileiros que tentaram observá-lo por aqui nos últimos dias. “A sua maior aproximação da Terra e o consequente distanciamento do sol, astro que confere luminosidade ao objeto, dificultam a visão do cometa a olho nu. Ademais, a presença da lua minguante nos últimos dias, praticamente já 50% iluminada, acaba por deixar o céu bastante iluminado, criando condições ruins para observações astronômicas”, observou.

Vista, ao centro, da “mancha” verde do Cometa Neowise / GUARA DRONE

Ele relatou que o máximo que conseguiu observar foi o núcleo do cometa, e uma visão borrada da cauda, isso, com o auxílio de uma pequena luneta 18×25, somente também após encontrar o objeto no céu com o auxílio da câmera efetuando disparos em longa exposição, cerca de 32 segundos. “O cometa está no azimute 330º, a cerca de 30º da linha do horizonte (zênite), próximo da constelação Canes Venatici (os cães de caça). Com o auxílio de um app (SkySafari), digitando pesquisar “Neowise” você pode se localizar melhor para tentar encontrar o objeto. Mas, o ideal mesmo é tirar uma fotografia de longa exposição para encontrar o objeto no céu, e, aí, se orientar pela foto”, sugeriu Patrício.

O espetáculo
O espetáculo não é tão intenso quanto no hemisfério Norte, mas nossos fotógrafos têm feitos belos registros país a fora.

Acampamento no morro da Biquinha foi montado pelo professor para observar o cometa / GUARA DRONE

A olho nu é muito difícil ver o cometa por aqui. Ele aparece apenas como uma estrela mais borrada, uma manchinha nebulosa no céu, mas é preciso estar em um lugar com o horizonte limpo, mais elevado e sem poluição atmosférica ou luminosa. E saber exatamente para onde olhar.
De acordo com as previsões, o Neowise será potencialmente visível no Brasil até as primeira semana de agosto.

Importante
Um cometa se move bem devagar. Do nosso ponto de vista, ele parece que está parado; não cruza o céu deixando um rastro de luz —tem muita gente confundindo aviões com cometas ou meteoros.
O Neowise está se apagando e afastando aos poucos, desaparecendo no Sistema Solar adentro. E só visitará a Terra novamente daqui a 6.765 anos.

FOTO CAPA: GUARA DRONE