Casa do Teatro levanta dois troféus como os melhores espetáculos do Face

17

Em meio a alegria e tristeza, terminou agora a pouco a premiação do XVII Festival de Artes Cênicas de Conselheiro Lafaiete (FACE). O evento ocorre no Clube Carijós. “Mais importante do que o prêmio foram a nossa convivência, o relacionamento e o crescimento. Todos voltam para as suas casas melhores do que chegamos”, resumiu o teatrólogo e idealizador do FACE, o Secretário Municipal de Cultura, Geraldo Lafayette. Ele contou um pouco da trajetória de sucesso do festival, desde sua criação em 2000, momentos turbulentos de falta de apoio e consolidação do evento. “A cidade abraçou o Face e o público deseja o festival. Hoje o prefeito pode fechar nossa porta ao evento, como em 2011, mas não barra e não para o Face. Ele acontece independente do poder público”, frisou Geraldo. Enumerando a dificuldade de público nos 17 anos do evento, Geraldo conta que o Face arrastou neste ano mais de 25 mil pessoas com os espetáculos com sua capacidade esgotada. “Bobo do prefeito que perder este público. Hoje contamos com o apoio integral da prefeitura”, pontuou.

Plimpão -O Pingo Fujão, da casa de teatro, foi escolhida pelos jurados o melhor espetáculo infantil do FACE

Lafayette agradeceu as comitivas oriundas das 5 regiões brasileiras, pela primeira vez representadas no Face, tal a abrangência do festival, os voluntários que chegaram a quase 100 pessoas envolvidas, aos diretores, o público e aos apoiadores. “Nossa palavra é de gratidão”, resumiu. “A gente sabe que muitos grupos que estão aqui vieram graças ao sacrifício e o amor ao teatro e chegaram aqui vendendo rifa ou bolo nas ruas”, comentou.

O prefeito Mário Marcus (DEM) reafirmou em seu discurso o resgate da cultura e o fomento aos segmentos culturais. “Estamos resgatando nossa cultura e quando vejo nossa cidade lotada recepcionando estes artistas do Brasil inteiro isso me enche de orgulho em continuar promovendo a cultura. Lafaiete é um celeiro de grande artista”, assinalou.

A homenageada, a ativista cultural, Margarete Machado, refletiu que sua escolha se deveu a quebra de paradigmas e da desconstrução do preconceito. “Estou emocionada e agradeço a todos, em especial ao Geraldo e ao prefeito. Este momento é para a mim e para cultura negra que represento um marco em Lafaiete”, afirmou. Em seguida os presentes entoaram um coro uníssono a música “Olhos azuis”, da cantora negra Sandra de Sá, que resume a valorização da cor e da raça.

Espetáculos lotados mostraram que o público lafaietense gosta de teatro e abraçou o Face

Premiação

Em meio a expectativa e surpresas foram divulgados os melhores espetáculos em 8 categorias. No total foram distribuídos 86 prêmios para 53 espetáculos e 46 grupos e companhias. Na premiação principal, o Oscar do Face, dois espetáculos foram premiados como melhor peça infantil regional (Pimplão – o Pingo Fujão) e melhor espetáculos adulto regional foi para “Cachecol Azul”, esta dirigida por Geraldo Lafayette. As atrizes da Casa de Teatro, Maiara Sousa e Daisy Luz, levaram os troféus de melhor atriz coadjuvante e melhor atriz, ambas na fase regional.

Agora a Casa de Teatro se prepara para participar no dia 2 de setembro e 9 de setembro para participar de festivais em Duque de Caxias (RJ) e Guaranésia (MG) respectivamente.

Premiação dos Melhores

-Melhor espetáculo infantil Regional: Pimplão – o Pingo Fujão- Casa de Teatro –Lafaiete (MG)

-Melhor espetáculo adulto regional: Cachecol Azul- Casa de Teatro- Lafaiete (MG)

-Melhor espetáculo de rua: Isso dá samba- Gene Insanno- Rio de Janeiro (RJ)

-Melhor espetáculo alternativo: A última hora –Casa Laboratório- Ipatinga (MG)

Melhor espetáculo comédia: Couro de cabra e a promessa- Trupe Iapocó- Vitório (ES)

-Melhor espetáculo categoria livre: Aurora da Minha Vida- Atelier das Artes- Itabirito

-Melhor espetáculo drama: Querida Celie- Espaço Núcleo- Limeira (SP)

-Melhor espetáculo Infantil: Bumerangueou- Insólito Cia-Teófilo Otoni (MG)

Melhor monólogo: 3ª Margem do Rio: A De Dentro- Cia letras de Rosa- Rio de Janeiro (RJ)

Melhor espetáculo da opinião pública: A vingança de Maria sem vergonha e o seguestro de Toin- È isso, É -Joaíma (MG)