Começa campanha de vacinação contra o HPV em Lafaiete

83

Chegou a vez de as meninas de 9 a 11 anos tomarem a vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção do câncer do colo do útero. A campanha teve inicio na segunda-feira dia 9 de março.
Cada adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção. A segunda deve ser tomada seis meses depois, e a terceira, cinco anos após a primeira dose. A partir de 2016, serão vacinadas as meninas de 9 anos.
As meninas de 11 a 13 anos que só tomaram a primeira dose no ano passado também podem aproveitar a oportunidade de se prevenir e procurar um posto de saúde para dar prosseguimento ao esquema vacinal. Isso também vale para as meninas que tomaram a primeira dose aos 13 anos e já completaram 14. É importante ressaltar que a proteção só é garantida com a aplicação das três doses.

Em Lafaiete
As adolescentes deverão procurar as Unidades de Estratégia da Saúde Familiar (PSF) nas quais são cadastradas. Aquelas que moram em área sem cobertura deverão procurar a Unidade de Vacinação (Av. Dom Pedro II, nº 170 – São Sebastião). Para receber a vacina é necessário apresentar o cartão de vacinação e documento de identificação.
Para atender ao maior número de meninas e ter uma boa cobertura vacinal, a vacina será administrada também nas escolas. Para serem vacinadas no ambiente escolar as meninas deverão ter autorização assinada pelos pais.

Eficácia
A vacina contra HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus.
“A vacina é extremamente segura, uma proteção para a vida. Além de proteger a menina, os estudos mostram que a comunidade também fica protegida. Por isso, devemos alertar os pais e responsáveis sobre a importância da vacina. A parceria com as escolas é fundamental nesse esforço do Ministério da Saúde. Precisamos contar com a colaboração dos pais e das escolas para conseguir alcançar a nossa meta e começar a escrever uma outra história no nosso país de enfrentamento à essa doença, que é o terceiro tipo de câncer que mais mata as mulheres no Brasil”, reforçou o ministro da Saúde, Arthur Chioro, durante o evento de lançamento da campanha.