Congonhenses recebem honraria por sua dedicação à Cidade dos Profetas

15

Homenagear aqueles que tornam Congonhas uma cidade ainda mais próspera e feliz. Esse é o objetivo da Comenda Antônio Francisco Lisboa, entregue a 15 congonhenses na noite desta terça-feira, 17, no Museu de Congonhas. A cerimônia também marca o aniversário da Cidade dos Profetas, que celebra 81 anos de emancipação política.

O prefeito Zelinho condecorou os agraciados e a primeira-dama, Miriam Schwab, entregou buquês de flores às mulheres que receberam a honraria. A solenidade contou, ainda, com a presença de familiares, autoridades e outros convidados. O

Homenagear aqueles que tornam Congonhas uma cidade ainda mais próspera e feliz. Esse é o objetivo da Comenda Antônio Francisco Lisboa / DIVULGAÇÃO

evento foi embalado pela banda da 13ª Região de Polícia Militar e pelo Grupo de Câmara da Secretaria de Educação, que também executou os hinos Nacional e de Congonhas com a cantora soprano Carmem Célia Gomes.

Os homenageados deste ano atuam em áreas diversificadas, como educação, meio ambiente, literatura, advocacia, arquitetura e saúde. Foram eles: Antônio Sávio Ayres (empresário), Célia Aparecida Gabriel

(professora), Cristiano Parreiras (advogado), Dr. Geraldo Antônio de Freitas (Juiz de Direito da 1ª Vara

da Comarca de Congonhas), Francisco dos Santos (empresário), Hugo Castellani Cordeiro (ambientalista), Maria Aparecida Andrade Moura (educadora), Maria da Consolação (educadora – post mortem), Maria da Paz Pinto (historiadora), Paulo Henrique Lima (historiador), Tarcísio Junior de Souza (professor), Ubiratam Carvalho (cirurgião dentista), Terezinha Moreira da Silva (poeta), Virgínia Gurgel (cantora lírica) e Walber Ângelo de Freitas (arquiteto).

Representando os agraciados, o Juiz de Direito da 1ª Vara da Comarca de Congonhas, Dr. Geraldo Antônio de Freitas, falou sobre a cidade que o acolheu e destacou que receber essa honraria em seu local de trabalho é significativo: “É que ali, de modo bastante particular, entre em cena a capacidade de interação com as pessoas e há a possibilidade, ainda que remota, de sermos reconhecidos por termos ajudado a sociedade com que interagimos. Por tudo isso, posso dizer com toda ênfase do mundo, que nenhuma outra medalha poderia trazer maior satisfação e orgulho aos que a recebe”.

Enaltecendo a obra-prima que Antônio Francisco Lisboa deixou na Cidade dos Profetas, o homenageado observou: “Os agraciados, sejam mineiros de naturalidade ou por livre adoção, não receberiam a Comenda se não tivessem contribuído, a exemplo de Aleijadinho e às suas maneiras, para o crescimento de Congonhas, com simplicidade, mas de um modo marcante, pois cada ser humano é único em sua forma de se relacionar com os outros, e o que nos marca é a intenção de fazer o melhor que pudermos”.

Patrono da Comenda, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, não nasceu em Congonhas, mas se imortalizou em nossa terra, com obras reconhecidas no mundo inteiro, como pontuou o prefeito Zelinho. “Isso nos orgulha muito! E me orgulha ainda mais, a cada ano, como prefeito, entregar essa Comenda, que leva o nome de Aleijadinho, a pessoas ilustres que prestaram e prestam serviços para nossa cidade”, disse.

Criada por lei municipal em 1984, a Comenda se constitui de uma medalha dourada, com as armas de Congonhas, e um diploma de outorga. Além de perpetuar a memória de Antônio Francisco Lisboa, a honraria sintetiza um sentimento comunitário de gratidão da cidade com os agraciados, que contribuíram para o desenvolvimento das atividades artísticas, culturais, educacionais, de preservação do Patrimônio Histórico, aprimoramento dos serviços públicos, pesquisa cientifica, sustentabilidade ambiental e responsabilidade social.