Em sua sétima caminhada do ano, Andarilhos Queluzianos percorrem região entre Lamim e Cipotânea

13

2018 está voando! Entramos no segundo semestre. A sétima caminhada do ano transportou os Andarilhos Queluzianos, por estrada de terra, através da maravilhosa região entre Lamim e Cipotânea.

CIPOTÂNEA

O município tem a agropecuária como sua principal atividade. O artesanato em palha de milho é outro fator de grande importância na sua economia. Percorrendo a cidade, é muito comum ver sua população confeccionando produtos decorativos e de utilidade doméstica que são expostos à porta de suas casas ou no comércio local. Pessoas de variadas partes do estado e do país passam por ali comprando estas peças.

O Rio Xopotó que, nesta época de seca, permite o acesso ao leito rochoso, delicadamente esculpido pela ação da água torna-se um verdadeiro cartão postal disputado pelas lentes das câmeras dos turistas.

A Matriz de São Caetano, no alto da praça, além de sua beleza e tamanho, com suas duas grandes torres, uma grande e larga escadaria ladeada por lindos jardins, impõe-se majestosamente oferecendo-se toda bela aos olhares dos fiéis e visitantes.

A CAMINHADA

Confraternização do grupo Andarilhos Queluzianos/Divulgação

Os Andarilhos Queluzianos saíram de Lafaiete às 06h40 e iniciaram a caminhada próximo a cidade de Lamim, mais exatamente a 17 quilômetros da cidade de Cipotânea, local da confraternização.

Após descerem do ônibus, os caminhantes posaram para fotos. A manhã, de tempo muito frio, exigia de todos um aquecimento preliminar. Além do frio, havia muita névoa o que era bom para todos porque havia previsão de tempo claro e o sol provoca bastante desgaste na turma.

O trajeto permitiu uma caminhada revigorante e, ao mesmo tempo, contemplativa. Muita vegetação, ao longo da estrada, proporcionou boa sombra em vários trechos. Em determinado momento, um belíssimo e grande tucano, empoleirado em uma árvore, tornou-se a grande atração para os olhares dos caminhantes. Ficou ali admirando, sendo também admirado e fotografado. Que espetáculo! São estes detalhes naturais, que não fazem parte do nosso dia a dia, que nos encantam e mostram o quanto devemos defender e preservar a natureza.

Desta vez, o grupo de caminhantes teve o apoio de três carros leves, dois TR 4 e um Corolla, conduzidos pelos amigos andarilhos Nonato, Guy Pereira e Beto Matos respectivamente. Em um vai e vem, eles proporcionavam o bem estar dos atletas levando-lhes água e apoio de transporte. Fechando a retaguarda do grupo, o ônibus transportava água e impedia que algum membro se desviasse do trajeto além de poder dar algum socorro a quem estivesse nas últimas posições.

CONFRATERNIZAÇÃO, HOMENAGENS E FILANTROPIA

Donativos foram entregues Centro de Convivência Padre José Geraldo das Mercês/Divulgação

Chegando à praça principal de Cipotânea, o grupo rapidamente acessou o Restaurante do Paulinho, na praça principal de Cipotânea onde os andarilhos foram recebidos calorosamente. Sedentos e cansados, os andarilhos iam se servindo de variados tipos de frutas picadas e geladas. Paralelamente, vasilhames de salgados diversos iam sendo distribuídos pelas mesas rapidamente ocupadas. Algumas mesas foram estrategicamente espalhadas pelo grupo na bela praça do outro lado da rua. Um praça muito bonita com muitas árvores e sombra. Garrafas de cerveja, água e refrigerantes iam sendo consumidos rapidamente até que, mais tarde um delicioso almoço, com farta e diversa comida mineira e direito a leitoa assada, foi disponibilizado no fogão à lenha. Andarilhos mais antigos chegaram a comentar que esta foi a melhor entre todas as recepções que o grupo já teve. Portanto, nossos sinceros parabéns ao Paulinho e esposa pela competência em realizar este inesquecível evento além do carinho de sempre em relação ao grupo.

Em intervalo feito na confraternização, houve o momento de homenagens aos aniversariantes do mês: Luiz Fernando de Andrade (Jornal Correio), Geraldo Tavares (Pintinho), Paulo Jacinto, Fernando Santana, Gilmar Cagnoni, Geraldo Cardoso, Roberto Aloísio (Aleluia), Ivan Carlos, Ângelo Amaral e Márcio Alves (Areia). Também foram dadas as boas- vindas aos convidados Celso Camargo e José Cândido.

A filantropia mostrou a outra face do grupo marcando um importante momento do dia com a entrega de donativos (roupas, calçados e cobertores) destinados ao Centro de Convivência Padre José Geraldo das Mercês.

Foi um lindo e abençoado sábado para os 60 participantes. Muita atividade física, muito boa e diversificada comida mineira, muita confraternização, muito turismo rural. Tudo isto provocou um cansaço, naturalmente, mas todo o esforço foi necessário para a recarga das baterias espirituais e emocionais deste grupo de aventureiros por, pelo menos mais 30 dias. Só se tem a agradecer a Deus.

Até o próximo mês.

Laércio Rezende Amaral – Andarilho Queluziano