Família conta drama vivido em acidente que por pouco não se transformou em tragédia

7

Eram por volta das 7:00 horas, de quinta feira, dia 14, quando uma família se deslocava, como de costume, de Queluzito a Lafaiete. Porém no km 5, da MG 485, os 4 ocupantes, que estavam em um Focus, foram atingidos por um trator que invadiu a pista inesperadamente batendo também em um veículo da frente. Mesmo o motorista do Focus tentando frear, veio a bater de frente na lateral do trator que atravessou a rodovia indo para o mato. Muito machucado, Oswaldo, que dirigia o Focus, ainda pedia que fossem ver o tratorista para o seu resgate, mais conhecido como Pedro Altino, que morreria no final da tarde. Seu corpo foi encontrado por populares em uma lagoa próxima ao local do acidente. A família foi socorrida pelo Samu e Bombeiros e encaminhada ao Hospital e Maternidade São José.

Por sorte, os integrantes saíram com vida do acidente, mas com fraturas e escoriações diversas. Mas o trauma ainda abala os envolvidos. Oswaldo teve fratura da vértebra cervical e corria o risco de ficar paraplégico. Sua esposa, Ercília, teve uma fratura no braço esquerdo e escoriações. Dona Maria Madalena, de 80 anos, ficou com hematomas no rosto e corpo e movimenta-se com muito sacrifício. Para tomar um banho precisa de ajuda de uma pessoa. O adolescente, filho do casal que no dia do acidente ia para a aula sentia dores, mas ainda encontrou forças para ajudar a socorrer os pais e a avó. Com ele ficaram o susto e as lembranças vividas em sua memória. Além do trauma vivido pela família, o carro deu perda total. “Passamos por momentos de terror e por pouco não éramos vítimas de uma tragédia. Estamos ainda muito abalados e refazendo deste trauma vivido por todos nós. Foi mais uma graça de Deus alcançada pela nossa família”, relatou Ercília, que não pode tomar diversos medicamentos para a dor. Aos poucos, a família retoma a vida normal, mas os detalhes do acidente povoam a memória de cada um acidentado. “Eu ainda ajudei a chamar por socorro para ajudar o tratorista. Não sei onde arrumei forças pois estava tomado por fortes dores no corpo. Quando vi o trator já estava de frente e eu ainda tentei sair fora da batida, mas fomos atingidos. Fiz manobras nem sei como. Foi Deus que nos ajudou”, contou Oswaldo. “Poderia ter acontecido uma tragédia conosco, Mas foi um milagre de Deus”, agradeceu Ercília, que também agradece a todos que foram solidários direta e indiretamente com o esse drama.