fbpx
22.8 C
Conselheiro Lafaiete
terça-feira, 27 julho 2021
InícioNacionalRedes sociais podem ser uma ameaça à civilização, diz estudo

Redes sociais podem ser uma ameaça à civilização, diz estudo

Um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences aponta que as redes sociais podem ser uma ameaça à civilização. Dezessete pesquisadores especializados em biologia, psicologia, ciências neurais e climáticas, entre outras, defendem que os acadêmicos devem tratar o estudo do impacto em grande escala da tecnologia na sociedade como uma “disciplina de crise”.

“O comportamento coletivo fornece uma estrutura para a compreensão de como as ações e propriedades dos grupos emergem da maneira como os indivíduos geram e compartilham informações. Em humanos, os fluxos de informação foram inicialmente moldados pela seleção natural, mas são cada vez mais estruturados por tecnologias de comunicação emergentes”, relata a pesquisa.

“Nossas redes sociais maiores e mais complexas agora transferem informações de alta fidelidade por grandes distâncias a baixo custo. A era digital e a ascensão das mídias sociais aceleraram as mudanças em nossos sistemas sociais, com consequências funcionais mal compreendidas. Essa lacuna em nosso conhecimento representa o principal desafio ao progresso científico, à democracia e às ações para enfrentar as crises globais”, completa o texto.

Infodemia nas redes sociais

“Argumentamos que o estudo do comportamento coletivo deve chegar a uma ‘disciplina de crise’, assim como a medicina, a conservação e as ciências climáticas. As empresas de tecnologia se atrapalharam com a pandemia de coronavírus em curso, incapaz de conter a ‘infodemia’ de desinformação que impediu a aceitação generalizada de máscaras e vacinas”, detalham os autores, que alertam que poderemos ver consequências não intencionais de novas tecnologias que contribuem para fenômenos como “adulteração de eleições, doenças, extremismo violento, fome, racismo e guerra”.

Joseph Bak-Coleman, coautor do estudo e pesquisador da Universidade de Washington, afirmou ao Vox que a pergunta que estavam tentando responder era: “O que podemos inferir sobre o curso da sociedade em escala, dado o que sabemos sobre sistemas complexos?”.

“É como usamos modelos de ratos ou moscas para entender a neurociência. Parte disso voltou às sociedades animais – a saber, grupos – para entender o que eles nos dizem sobre o comportamento coletivo em geral, mas também sobre sistemas complexos de forma mais ampla. Portanto, nosso objetivo é ter essa perspectiva e, em seguida, olhar para a sociedade humana com ela. E uma das coisas sobre os sistemas complexos é que eles têm um limite finito de perturbação. Se você os perturba muito, eles mudam. E muitas vezes tendem a falhar catastroficamente, inesperadamente, sem aviso prévio. Vemos isso nos mercados financeiros – de repente, eles quebram do nada”, disse Bak-Coleman.

FONTE OLHAR DIGITAL

Mais lidas