Secretaria de Meio vai investigar dano ambiental e defende solução definitiva para água no Pires; Defesa Civil garante que estrutura não foi comprometida e não houve transbordamento

17

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Congonhas abriu procedimento Administrativo para investigar as causas e apurar a extensão do ano ambiental do vazamento de água barragem do Josino, de propriedade da mineradora Ferro +,  ultrapassou a estrutura de contenção transformando a BR 040 em um rio de lama.

Moradores e Ferro+ promoveram limpeza na nascentes “Boi na Brasa” que abastece Pires/CORREIO DE MINAS

A precipitação de chuva anormal, ocorreu na tarde da última sexta feira (20) quando uma tempestade com cerca de 120 mm atingiu a região do Pires, no município de Congonhas. Também os cerca de 2 mil moradores do Pires tiveram o abastecimento comprometido quando a mina “Boi na Brasa”, que abastece a comunidade, foi afetada pelo carreamento de sedimentos de minério. O abastecimento tem sido feito somente por caminhões pipa e galões de 20 litros distribuídos pela Ferro +.

O Secretário de Meio Ambiente, Neylor Aarão, antecipou a nossa reportagem que os técnicos Agência Nacional de Mineração (ANM), informaram que a estrutura da barragem não foi comprometida.

Neylor fará mais visitas ao local e espera uma melhora do tempo para realizar imagens aéreas com drone para reunir elementos técnicos para conclusão do laudo. “A atividade mineradora deve manter diversas bacias de contenção de rejeitos, e com as imagens áreas e visitas em campo,  poderemos verificar um cenário mais amplo e identificar algumas causas e os agentes que possam ter provocado o dano oi contribuído para seu agravamento. Temos 3 frentes de investigação: a barragem do Josino, a poluição da água no Pires e inundação do parque da Cachoeira que também ficou comprometido momentaneamente. Mas cumpre destacar que o Parque da Cachoeira já está recebendo normalmente seus visitantes  e não está descartada a possibilidade de aplicar penalidades em quem tenha originado ou contribuído com os danos”, conclui.

O laudo deve ser concluído em 30 dias e sabe-se que prefeito Zeilinho pediu urgência numa solução definitiva para a regularização da água que abastece a comunidade do Pires.

Água sem cobrança

Neylor disse que a Prefeitura vai propor a construção de poço artesiano para resolver de vez o problema da água na comunidade, sem cobrança a comunidade.

 

Defesa Civil afirma que não houve transbordamento e barragem é segura

Moradores conviveram com abastecimento de água barrenta/ARQUIVO

A Defesa Civil de Minas Gerais negou que a barragem de rejeitos de Josino, em Congonhas, tenha transbordado na última sexta. Na noite desse domingo, a Agência Nacional de Mineração (ANM) havia informado que a estrutura teria transbordado, resultando no vazamento de água barrenta na BR-040.

O gerente de fiscalização da ANM, Luis Paniago Neves, disse que a enxurrada que passou sobre a BR-040, registrada em vídeo, não é água que estava acumulada na barragem. A lama não conseguiu passar pelo canal que fica abaixo da rodovia porque o sistema de escoamento não comportou o grande volume e parte escoou pela lateral da BR-040. O temporal que provocou o transbordamento da barragem teve um acumulado de 97 milímetros em uma hora e meia.

O representante da Defesa Civil no Estado garantiu que a obra é segura. “A ANM esteve aqui ontem (domingo), está hoje (segunda), fazendo todos os protocolos de segurança. Os responsáveis nos repassaram a vistoria de que não aconteceu, não foi verificada nenhuma anomalia nesta barragem que trouxesse qualquer indício de rompimento. Ou seja, a barragem permanece segura, dentro dos níveis de segurança de antes da chuva”, assinalou o Tenente Coronel, Flávio Godinho, coordenador da adjunto da Defesa Civil em Minas.

 

Posição da Via 040: sobrecarga de água

Nossa reportagem enviou questionamento sobre a drenagem da BR 040 no local onde ocorreu a inundação. A Concessionária “esclareceu que a drenagem existente no trecho mostrado pela reportagem está dimensionada para receber a água proveniente da faixa de domínio da rodovia. Entretanto, neste ponto, foi identificada uma sobrecarga hídrica proveniente de áreas fora da área de domínio. A empresa ressalta que faz a manutenção rotineira do sistema de drenagem conforme estabelecido no contrato de concessão.”

 

Ferro+: não afetou a captação de água no Pires

 

Galeria debaixo da rodovia não suportou volume de água/DIVUGAÇÃO

Leia nota da Ferro+ envioada a nossa redação. “Esclarecemos que no dia 20/12/2019, última sexta-feira, um evento chuvoso intenso (~120mm durante uma hora) ocorreu na área onde se localiza a Ferro+ Mineração, próximo à cidade de Congonhas, na região Central do Estado.

Drenagens provenientes da própria mina e também da rodovia BR-040 são direcionadas para a estrutura, dimensionada para tal fim, chamada Dique do Josino. Essa estrutura não é uma barragem e sim um dique de contenção de sedimentos, de baixo risco, que continua operante e intacto, ou seja, não houve rompimento.

No entanto, o volume de água excedente passou pelo vertedouro e foi direcionado para a galeria da BR-040 que não conseguiu dar a devida vazão, alagando momentaneamente a entrada da empresa e a própria rodovia à jusante.

A empresa ressalta que o alagamento foi por um curto período de tempo e não afetou a captação da água que abastece o bairro do Pires, na cidade de Congonhas, localizada em outra bacia.

A Ferro+ Mineração reitera que não utiliza Barragem de Rejeitos, ou seja, 100% dos rejeitos gerados no processo produtivo são empilhados à seco. A Companhia informa ainda que segue rigorosamente a legislação ambiental e a Política Nacional de Segurança de Barragens.   A Ferro+ está colaborando ativamente com a Prefeitura Municipal e os órgãos ambientais para os devidos esclarecimentos”.

  • Foto capa:Globocop/Divulgação

Leia mais: