Segundo dia do Congresso de Desenvolvimento Regional abordou o investimento em startups

14
Segundo dia do Congresso de Desenvolvimento Regional abordou o investimento em startups/Reprodução

Diversos temas contemporâneos estão sendo debatidos durante o Congresso de Desenvolvimento Regional. Nesta quarta-feira, 4, passaram pelo Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) campus Congonhas, onde está sendo realizado o evento, especialistas que apontaram, entre outras, questões sobre mulheres no empreendedorismo e desenvolvimento sustentável. Outro assunto abordado foi a criação de startups, em um painel que contou com a participação de um dos co-fundadores do Santa Helena Valley e representante da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SEDECTS), Marcelo Sander. Esse tipo de empreendimento também tem recebido a atenção do Governo Municipal, que, em 2017, lançou o Programa Municipal de Apoio às Startups e a Criação de Empresas de Inovação e Tecnologia. Durante o dia, foram promovidas diversas atividades, como a mostra de robótica.

Também participaram representantes de cinco startups: Luiz Grilo, da Residuall, que busca soluções inteligentes para o mercado de coleta de resíduos; Fabrício Ceolin, da MiningMath, que propõe uma nova abordagem de modelo matemático para otimização de planejamento do processo de mineração; Saulo Santana Elias, da Verde Drone, que faz o mapeamento do solo, dispersão de sementes e monitoramento de mudas para reflorestamento via drones; Melina Alves, da Waycarbon/MOVE, que trabalha com a modelagem de disponibilidade de recursos hídricos em cenários futuros por meio de modelagem ambiental e simulação climática; e Maria Paula de Oliveira, da Iara, que cria estações de tratamento de água compactas e de fácil manipulação.

Para Marcelo Sander, uma das funções dos especialistas nessa área é disseminar a cultura empreendedora em diversos municípios, dando acesso a conteúdo e fomentando a criação ou fortalecimento de ecossistemas de startups. “Temos que ter a tríplice hélice, ou seja, precisamos não só de representantes das startups e do empresariado, mas também da academia, onde ocorre a pesquisa, e do governo, que é importante como indutor do desenvolvimento, abrindo portas e movimentando as startups. A cidade toda tem a ganhar com isso, você diversifica a economia. As startups têm um potencial de crescimento muito maior que as empresas tradicionais”, pontua.

O Congresso de Desenvolvimento Regional é realizado pelo IFMG Campus Congonhas em parceria com a Amalpa (Associação dos Municípios do Alto Paraopeba), CODAP (Consórcio para o Desenvolvimento do Alto Paraopeba), FIEMG (Federação das Indústrias de Minas Gerais), GEOPARK, IFMG (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais – Campus Conselheiro Lafaiete, Itabirito, Ouro Branco e Ouro Preto), Pró-Reitoria de Extensão da UFOP (Universidade Federal de Ouro Preto), Sebrae, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Tecnologia da Prefeitura de Congonhas e UFSJ (Universidade Federal de São João del-Rei) – Campus Alto Paraopeba. Conta com o patrocínio da Black 12, Codemig, Êxito Eventos, O Tropeiro Buffet, Yalle Buffet, com o apoio da Brandt, CSN, Indi, FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais), Ferrous, Gerdau, SEDECTS (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Estado de Minas Gerais), SIMI (Sistema Mineiro de Inovação), Sotreq e Thyssen e participação especial das empresas juniores por meio da CENJE (Central de Empresas Juniores da UFSJ), CORE (Núcelo de Empresas Juniores da UFOP) e FEJEMG (Federação das Empresas Juniores do Estado de Minas Gerais).