Faltam 180 mil PMs e 55 mil policiais civis no Brasil, aponta levantamento

Estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública também mostra crescimento das guardas civis no país

Forças policiais mais numerosas do país, as polícias militares têm, somadas, um déficit de 179.591 agentes. Já as polícias civis, que têm as atribuições de investigar crimes, fazer perícia e indiciar suspeitos, funcionam com 55.244 servidores a menos do que o previsto.

Isso significa que as duas corporações operam, respectivamente, com ocupação de 69,3% e 63% das vagas previstas, segundo informações dos estados e do Distrito Federal. Ao todo, o país tem 404.871 PMs e 95.908 policiais civis.

É o que mostram dados do Raio-x das Forças de Segurança Pública no Brasil, divulgados nesta terça-feira (27) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. As informações correspondem às previsões de 2022 e aos efetivos em 2023.

Os números de déficit foram informados por cada corporação ao Fórum —não há padronização nos cálculos de efetivo nem na definição de qual seria o número ideal de agentes.

Considerando o efetivo das polícias civis, o déficit na ocupação de vagas previstas é mais acentuado na Paraíba (23,8%), no Rio Grande do Norte (30,3%) e em Alagoas (39%).

Segundo a gestão Paulo Dantas (MDB), foram nomeados 4.000 agentes de segurança nos últimos oito anos, e o governo alagoano fez concurso para 500 vagas de agentes e escrivães e mais cem para delegados.

Já em relação às polícias militares, as ocupações mais baixas de postos previstos são de Goiás (35,7%), Amapá (39,2%) e Santa Catarina (46,1%).

Em Goiás, a gestão Ronaldo Caiado (União Brasil) diz que o governo nomeou 799 policiais civis em janeiro, além de 1.200 servidores da Polícia Militar desde 2023, com previsão da inclusão de outros 300 policiais em julho.

No Rio Grande do Norte, 3.000 agentes de segurança reforçam os efetivos desde 2019, e outros 1.600 estão em formação, segundo a gestão Fátima Bezerra (PT). Entre os que já estão na ativa, 1.300 são policiais militares. Ainda, foram contratados 800 servidores para a Polícia Civil, entre agentes, escrivães e delegados.

Ainda, houve queda de 6,8% no número de postos ocupados nas polícias militares desde 2013, considerando a média nacional. A redução foi registrada em 17 unidades federativas, liderada por Distrito Federal (31,5%), Rio Grande do Sul (22,5%) e Paraná (19,4%).

Segundo o governo Ibaneis Rocha (MDB), 4.000 agentes foram nomeados desde 2019. Há previsão de contratação de 869 policiais militares e a formação de um cadastro de reserva de outros 1.422. Em relação à Polícia Civil, há um concurso em andamento para 600 vagas imediatas e 900 de reserva.

Já no Rio Grande do Sul, a gestão Eduardo Leite (PSDB) apontou que “a aparente queda de efeito diz respeito a bombeiros militares, que até 2016 eram considerados neste balanço também como policiais militares”, e diz que a Brigada Militar (equivalente à PM) recebeu 3.655 novos agentes desde 2019.

Os efetivos da Polícia Científica no Paraná, de acordo com a administração Ratinho Júnior (PSD), ganharam mais 300 agentes desde 2019. Também houve contratações na Polícia Civil e a formatura de 2.482 soldados. Ao todo, segundo a pasta de segurança, foram 4.700 novos servidores.

As reduções no efetivo ao longo do tempo podem ser explicadas, segundo o diretor-presidente do Fórum, Renato Sérgio de Lima, pela pressão de custos.

“A previdência tem um impacto muito grande em termos quantitativos, são mais de 352 mil policiais aposentados nos estados e no DF. Então você não consegue fazer concurso para substituir.”

A perda de postos ocupados entre polícias civis foi de 2% de 2013 a 2023, com destaque para Rondônia (30,6%), Rio de Janeiro (25,3%) e São Paulo (19,5%).

No Rio, o governo Cláudio Castro (PL) afirma que nomeou 832 policiais civis, e que novas turmas de convocados começam a formação neste semestre.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública da gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos), o déficit atual na PM está em 14,9%, e na Polícia Civil, em 35%. Além da formação de 1.014 soldados em 2023, a pasta diz que tem promovido ações como concurso para 12 mil vagas. A expectativa é reduzir os déficits para 8,7% na PM e 17,5% na Polícia Civil.

Um dos principais problemas apontados é a baixa capacidade das corporações nos estados para investigar e solucionar crimes. Uma forma de monitorar esse trabalho, ao menos por meio de inquéritos, é verificar a quantidade de relatórios desses procedimentos, que teve queda em oito estados e no Distrito Federal na comparação de 2021 com 2022, ano mais recentes com dados disponíveis.

O governo fluminense contesta os dados de inquéritos fluminenses informados pelo Fórum com base nas polícias civis dos estados. “Em 2021, foram 93.320 inquéritos concluídos e encaminhados ao Poder Judiciário. No ano seguinte, foram 81.237 inquéritos”, disse, em nota, a secretaria de Polícia Civil.

Embora não haja critérios definidos para dimensionar e contratar os efetivos necessários em cada estado, a análise da remuneração também aponta distorções no país. Um grupo restrito de 33.179 profissionais —que chegam a 5,4% dos 620.018 profissionais com informações disponíveis— recebeu, em 2023, uma remuneração acima do teto constitucional, de R$ 39.293.

Por outro lado, enquanto são responsáveis por ao menos 644 mil presos nos sistemas penitenciários estaduais, os policiais penais são a classe com a pior remuneração média entre os servidores da segurança, com salário médio de aproximadamente R$ 8.000.

Se as 27 unidades da federação não seguem regramentos claros sobre a previsão do efetivo e reposição de agentes, ainda precisam lidar com distorções em progressão, como ocorre na polícia militar.

Considerando a média entre corporações, um subtenente, posto máximo dos praças, pode chegar a ganhar R$ 11,4 mil. Já um tenente, primeiro cargo entre oficiais, tem uma média de salário inicial de R$ 14,3 mil.

Segundo o estudo, além do déficit nas polícias, outro desafio é a situação das guardas civis municipais.

Considerando dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego, 34 cidades tinham efetivo acima do permitido pelo Estatuto das Guardas Municipais, de 2014 —o limite depende do tamanho da população de cada cidade.

De acordo com a publicação, a soma de informações da Rais com a da pesquisa de municípios do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) indica ao menos 95.175 agentes em 1.467 cidades no Brasil.

Segundo o Fórum, o aumento dessas instituições é um problema porque isso acontece exatamente devido ao espaço deixado pela defasagem das polícias. “Percebe-se nos últimos dez anos uma queda no número de PMs e o aumento na criação das guardas”, afirma Lima. “E são cidades pequenas que estão fazendo isso, fica ainda mais complexo integrar e articular a segurança pública.”

Lima, do Fórum critica a decisão do governo Lula (PT) de ratificar em decreto o poder das guardas de fazer abordagens e prisões em flagrante sem uma dimensão real de seu efetivo. “Publicaram o decreto das guardas sem ter o número de agentes e sem fixar critérios de monitoramento e supervisão.”

O decreto foi publicado no fim de dezembro do ano passado.

Procurados, os governos de Santa Catarina, Rondônia e Amapá não responderam até a atualização mais recente deste texto.

FONTE FOLHA DE SÃO PAULO

Caixa com lança-perfume explode em delegacia e fere cinco policiais em Minas Gerais (MG)

Acidente aconteceu no momento em que drogas apreendidas pela instituição policial eram transportadas; não há detalhes sobre a gravidade dos ferimentos

Cinco policiais civis ficaram feridos, na manhã desta quarta-feira (28 de fevereiro), depois de uma explosão registrada no interior do Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (DENARC), no bairro São Cristóvão, na região Noroeste de Belo Horizonte. Uma caixa contendo frascos da droga lança-perfume teria sido a origem da explosão.

O TEMPO está no local do acidente, onde a informação é de que 80 policiais estavam na unidade no momento da explosão. Os estilhaços foram lançados a mais de 10 metros de distância, causando cortes nos cinco agentes. Eles foram levados ao Hospital Odilon Behrens, que fica ao lado da delegacia.

A explosão ocorreu no momento em que cerca de 5 toneladas da droga lança-perfume eram transportadas para um caminhão. Os ilícitos seriam levados para a cidade de Ouro Branco, na região Central de Minas, onde seriam incinerados.

Vídeos obtidos pela reportagem mostram dezenas de policiais deixando o local da explosão, cobrindo os narizes com as camisas, para evitar serem intoxicados pela droga, após dezenas de vidros se espatifarem no chão.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil no Estado de Minas Gerais (Sindipol), Wemerson Oliveira, a explosão aconteceu no momento em que policiais transportavam algunas drogas apreendidas pela instituição policial em suas operações.

“Veja só a dificuldade que os nossos policiais correm para fazer o serviço da Polícia Civil no Estado. Esse material não era nem para estar aqui (na delegacia), era para estar apreendido na perícia”, indagou.

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores da Polícia Civil no Estado de Minas Gerais (Sindipol), Wemerson Oliveira, a explosão aconteceu no momento em que policiais transportavam algunas drogas apreendidas pela instituição policial em suas operações.

“Veja só a dificuldade que os nossos policiais correm para fazer o serviço da Polícia Civil no Estado. Esse material não era nem para estar aqui (na delegacia), era para estar apreendido na perícia”, indagou.

FONTE O TEMPO

Operação Segurança Máxima cumpre mandados em investigação contra policial civil lotado em delegacia da Zona da Mata

Entre os bens apreendidos estão uma aeronave, carros de luxo e armas fogo, inclusive fuzis

O Ministério Público de Minas Gerais deflagrou na manhã desta quarta-feira, 28 de fevereiro, a Operação Segurança Máxima, que visa apurar a prática de crimes de corrupção, peculato, lavagem de dinheiro, constituição de milícia privada, falsidade ideológica, organização criminosa e crimes tributários. A atuação se deu por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) Regional Zona da Mata, em atuação integrada com a Corregedoria-Geral da Polícia Civil (PC), com os Gaecos de Belo Horizonte e do Espírito Santo, com o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet) e com o Núcleo Corregedor da PC de Juiz de Fora.

Segundo as investigações, que estão em andamento, um policial civil lotado na Delegacia Regional de Ubá, em conluio com outras pessoas, inclusive agentes públicos da área de segurança, adquiriu, para si, no exercício do cargo, e em razão dele, diversos bens de luxo cujos valores são manifestamente desproporcionais à evolução do patrimônio e da renda do servidor público.

As diligências estão sendo realizadas nos Municípios de Ubá, Guidoval e Guarapari/ES. Estão sendo cumpridos 12 mandados judiciais, dentre eles oito de busca e apreensão e afastamento do cargo público.

Até o momento foram apreendidos diversos dispositivos eletrônicos, documentos, veículos de luxo, valores em dinheiro, diversas munições e armas de fogo, inclusive, fuzis. Também houve a apreensão de uma aeronave.

Participam da operação dez promotores de justiça, 11 delegados de polícia, aproximadamente 50 policiais civis, quatro auditores-fiscais e servidores do Ministério Publico dos Estados de Minas Gerais e do Espírito Santo.

FONTE MPMG

Grupo suspeito de distribuir sementes de maconha ‘gourmet’ é preso em MG

Grupo era especializado na produção de sementes de maconha de diferentes espécies

Cinco pessoas foram presas em flagrante suspeitas de integrar esquema de distribuição de semente de maconha gourmet, com fornecimento em diversas áreas do país. O grupo foi detido nesta terça-feira (27), em Governador Valadares, na região Leste de Minas, durante operação das polícias civis de Minas (PCMG) e do Distrito Federal (PCDF)

Conforme as investigações, o grupo era especializado na produção de sementes de maconha de diferentes espécies, com distribuição para todo o país. A venda era feita através de plataformas de venda on-line e a utilização de redes sociais para a divulgação do empreendimento criminoso.

Segundo a PCMG, o mercado ilícito conduzido pelo grupo era responsável pela difusão de milhares de sementes de cannabis para diferentes estados do país, usando grandes estruturas de plantio de maconha para a extração de sementes, algumas com grande teor de THC.

Durante a ação desta terça-feira foram localizados quatro laboratórios de plantação de maconha com estufa. As equipes policiais apreenderam ainda dois carros de luxo, uma motocicleta, armas de fogo e munições.

Ao todo, foram cumpridos quatro de prisão em diferentes regiões administrativas do Distrito Federal e oito mandados de busca e apreensão na cidade mineira. O trabalho contou com o apoio ainda do Conselho de Controle de Atividades Financeira (Coaf), dos Correios e da Polícia Civil da Bahia.

A ação teve como objetivo desmantelar uma rede criminosa envolvida com lavagem de dinheiro, difusão do plantio de maconha, tráfico de drogas e crimes ambientais.

Breeders

As investigações indicam que os integrantes do grupo criminoso se transformaram em fornecedores de sementes para traficantes de drogas de todo o país, constituindo um banco de sementes (breeders). A operação criminosa envolvia a lavagem de dinheiro para ocultar a origem dos ganhos. Uma única semente tinha alto valor, sendo vendidas milhares mensalmente.

Crimes ambientais

Segundo as autoridades, o empreendimento criminoso teve consequências também no meio ambiente, com a disseminação de espécies exóticas que podem comprometer o bioma e o agronegócio, além de desrespeitar regras legais que disciplinam a produção e distribuição de sementes.

FONTE O TEMPO

Padrasto que obrigou enteado de 8 anos a comer mato e brita é indiciado em MG

Mãe do menino, que presenciou toda a ação, também foi indiciada por omissão em Uberlândia, no Triângulo Mineiro

homem de 40 anos que obrigou o enteado de 8 anos a comer mato e brita foi indiciado pela Polícia Civil pelo crime de tortura em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A agressão teria sido motivada pelo fato da criança pedir mais comida após o almoço. A mãe do menino, de 34 anos, que presenciou toda a ação, também foi indiciada por omissão.

A ação, que ocorreu em 12 de fevereiro no estacionamento do prédio onde eles moram no bairro Esperança, foi filmada por um vizinho, que denunciou o caso para a polícia. As imagens mostram o homem caminhando em direção ao canteiro do estacionamento e pegando uma quantidade de mato, que ordenou que o enteado ingerisse.

Diante da recusa do menino, ele o agrediu com um tapa no rosto e o forçou a mastigar o material. Posteriormente, obrigou o menino a comer britas, desferindo novas agressões quando a criança resistiu.

O vizinho que denunciou o caso relatou que toda a ação foi acompanhada pela mãe do menino, que inicialmente negou os fatos, mas acabou confessando após assistir às imagens. O padrasto também assumiu as agressões, alegando que ficou irritado com o enteado após o menino pedir mais comida após o almoço.

Ambos foram presos em flagrante e conduzidos para a delegacia da Polícia Civil, ainda na época do crime. Segundo o boletim de ocorrência, eles afirmaram ser usuários de drogas. O garoto foi encaminhado para uma casa de acolhimento da cidade.

FONTE O TEMPO

Chefe de organização criminosa em cidade de MG é preso no Rio

A Polícia Civil informou nesta terça-feira (27/2) que um homem de 43 anos, apontado como chefe de uma organização criminosa em Viçosa, na região do Bairro Bom Jesus, na Zona da Mata mineira, foi preso em Maricá, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, no último sábado (24/2).

Segundo a polícia, ele possuía quatro mandados de prisão por crimes de homicídio e tráfico, além das atividades à frente do grupo criminoso. A polícia não deu informações sobre as atividades da quadrilha.

O suspeito foi localizado em um imóvel no Bairro Ponta Negra, em Maricá, e encaminhado a um sistema prisional no Estado do Rio de Janeiro não especificado.

Acusado de estuprar jovem em BH após show é condenado a 10 anos de prisão

Segundo a decisão, réu confessou que teria abusado sexualmente da vítima duas vezes, antes de abandoná-la em campo

O homem acusado de estuprar uma jovem após ela sair de um show de pagode em Belo Horizonte foi condenado a 10 anos, 8 meses e 10 dias de prisão em regime fechado.

A decisão é do juiz Areclides José do Pinho Rezende, da 10ª Vara Criminal de Belo Horizonte. O despacho foi publicado neste domingo (25). O caso aconteceu no dia 30 de julho de 2023, no bairro Santo André, na região noroeste da capital mineira, quando a vítima tinha 22 anos.

O despacho indica que Wemberson Carvalho da Silva assumiu ter abusado sexualmente da vítima duas vezes, antes de abandoná-la em um campo de futebol na região onde ela morava. Ele havia encontrado a jovem desacordada em frente à casa dela, durante a madrugada. Um circuito de segurança flagrou o homem carregando a vítima até o local ermo.

Os advogados da vítima classificaram a pena como “baixa” e afirmaram que vão recorrer da decisão.

O processo também pedia a condenação do motorista de carro de aplicativo que transportou a jovem e a deixou, desacordada, na calçada da casa dela, onde ela foi encontrada pelo estuprador. O juiz reconheceu o delito de abandono de incapaz e determinou que o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais) avalie acordo com o condutor, conforme prevê a lei.

O amigo da vítima, que estava com ela no show e a colocou no carro de aplicativo, foi inocentado. Já o motociclista que ajudou o motorista do carro de aplicativo a retirar a vítima do veículo ainda não foi julgado, já que o processo dele foi desmembrado por ele morar em outro estado.

Procurada, a defesa de Silva informou que não vai se manifestar, já que o caso segue em segredo de Justiça. O R7 tenta contato com os advogados dos demais réus.

FONTE R7

Operação mira grupo do setor de café suspeito de sonegar R$ 340 mi em MG

Treze mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em Varginha

Um grupo econômico do setor de café, sediado em Varginha, é alvo da operação Coffee Break, das forças de segurança e justiça do Estado, na manhã desta terça-feira (27 de fevereiro). A empresa é investigada por aplicar fraudes tributárias e ter sonegado cerca de R$ 340 milhões. Treze mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos hoje – 12 em Varginha e um em Botelhos, no Sul de Minas. 

Os militares estão abordando a sede das empresas envolvidas no esquema e as residências dos gestores do grupo econômico e dos membros de uma associação criminosa. De acordo com a Polícia Militar, a fraude acontece por meio de uma quadrilha especializada na criação de empresas de fachada.

Essas “empresas” emitem notas fiscais falsas e fingem assumir a carga tributária, mas sem o devido recolhimento do ICMS ao Estado de Minas Gerais. Por isso, os investigados do grupo econômico do setor de café podem responder, além do crime de sonegação fiscal, por associação criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. 

O crime teria, segundo apurado pela Operação Coffee Break, influenciado o setor de café no Estado. A associação criminosa se especializou neste ramo e oferecia toda a estrutura da sonegação aos “clientes”: desde a venda de café sem a emissão de documentos fiscais obrigatórios até a confecção de notas fiscais falsas para controle do estoque. 

“O esquema criminoso é bastante sofisticado, contando com planejamento e controle das operações simuladas, tudo com o objetivo de conferir aparência de licitude às fraudes, embaraçando a fiscalização”, afirmou o 24º Batalhão de Polícia Militar, de Varginha, por meio de nota. 

A operação tem participação do Ministério Público, através do Centro de Apoio Operacional de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (CAOET), da Receita Estadual de Minas Gerais, da Polícia Militar e da Polícia Civil. 

FONTE O TEMPO

Influenciador que cometeu estupros em Minas é preso por novos abusos no Ceará

Suspeito teria abusado de ao menos sete vítimas, com idades entre 15 a 40 anos, no estado do Ceará

Um influenciador digital mineiro, de 35 anos, foi preso suspeito de estuprar ao menos sete mulheres, com idades entre 15 a 40 anos, na região metropolitana de Fortaleza e em cidades do interior do Ceará. Ele foi detido no último sábado (24), mas os detalhes do caso foram divulgados pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), nesta terça-feira (27). As investigações apontam ainda que o homem também teria cometido crimes sexuais em Minas Gerais. 

Conforme as investigações, o suspeito seria autor de crimes de estupros em série, nos bairros Barra do Ceará, Montese e Itaoca, em Fortaleza, na cidade de Tauá, no interior do Ceará, e no Cumbuco, no município de Caucaia. O último crime foi comunicado à polícia no dia 18 de fevereiro. Na ocasião, mãe e filha foram estupradas pelo suspeito. A partir daí, os investigadores iniciaram as diligências ininterruptas para identificá-lo e prendê-lo

O suspeito foi localizado e preso no bairro Centro de Fortaleza no sábado (24). Com ele, a polícia encontrou ainda veículos, roupas, celulares e um simulacro de pistola que eram utilizados nos crimes. Segundo a PCCE, o homem possui antecedentes pelos crimes de estupro de vulnerável, estupro, crime contra a dignidade sexual, violação de domicílio e furto. 

Crime era cometido na frente de familiares

Segundo a PCCE, o investigado, que é empreendedor e se intitula como influenciador digital, possui em suas redes sociais mais de 90 mil seguidores. Conforme apuração, ele observava a vítima, obrigava-a entrar na sua própria casa e cometia o crime, na maioria deles, na frente de familiares. As vítimas possuem idades entre 15 a 40 anos.

A investigação aponta ainda que o suspeito usava uma balaclava, um simulacro de pistola e alegava pertencer a um grupo criminoso. Ele praticava o mesmo “modus operandi” em todos os crimes sexuais. O homem também registrava fotos das vítimas e coagia para realizarem Pix, além de levar os aparelhos celulares das vítimas. 

Conforme a PCCE, o indivíduo também usava diversos transportes, como automóvel, motocicleta e bicicleta para realizar os crimes e, após isso, se desfazia dos veículos. Na tarde desse sábado, os investigadores capturaram o homem em um imóvel situado no bairro Centro. 

O suspeito é natural de Minas Gerais. A PCCE afirma que ele também praticou outros crimes no estado mineiro. O homem foi autuado em flagrante pelos crimes de estupro, roubo e extorsão. Ele foi encaminhado ao sistema prisional, onde está à disposição da Justiça. 

As investigações seguem e a Polícia Civil orienta que outras possíveis vítimas procurem a delegacia mais próxima para relatar o fato.

FONTE O TEMPO

Casal de idosos é achado morto dentro de casa em MG; suspeita é de execução

Militares chegaram a um suspeito de 44 anos, que devia cerca de R$ 50 mil às vítimas. Ocorrência foi registrada na zona rural de Muriaé, na Zona da Mata

Um casal de idosos foi achado morto nesta segunda-feira (26/2) dentro de uma residência na zona rural de Muriaé, na Zona da Mata, em Minas Gerais. A Polícia Militar (PM) diz que os corpos tinham marcas de violência.

Acionada às 10h51, a PM foi ao local e encontrou a mulher, de 72 anos, caída no chão da cozinha da propriedade situada na localidade conhecida como Estrada de São Fernando. O marido dela, de 74, estava no curral com os braços amarrados para trás.

Os dois corpos já estavam em decomposição, e, por isso, a polícia não conseguiu identificar, inicialmente, se houve uso de armas de fogo para cometer o crime. O registro policial fala em possível “asfixia por enforcamento”, mas não deixa claro se tal suspeita se refere ao idoso ou à esposa dele.

Depois de ouvir algumas testemunhas, os militares chegaram a um suspeito de 44 anos, que devia cerca de R$ 50 mil às vítimas. A Polícia Militar disse ter levantado que esse homem é conhecido na região “por crimes da mesma natureza”.

Ele teria chegado à cidade na manhã do último sábado (24/2). Há um mandado de prisão contra ele em aberto, informou a PM, sem especificar por qual crime. Até o fechamento desta publicação, o suspeito não havia sido localizado.

A perícia da Polícia Civil esteve no local para os trabalhos de praxe. Os corpos foram liberados e conduzidos ao Instituto Médico-Legal (IML).

FONTE ESTADO DE MINAS

about

Be informed with the hottest news from all over the world! We monitor what is happenning every day and every minute. Read and enjoy our articles and news and explore this world with Powedris!

Instagram
© 2019 – Powedris. Made by Crocoblock.