Quem vai vencer as eleições em Desterro de Entre Rios (MG)? Disputa segue embolada

Quatro anos depois, o processo eleitoral já chegou a simpática Desterro de Entre Rios (MG) cujos cofres públicos são irrigados pelos royalties da mineração. Nos últimos 8 anos, o município experimentou um vertiginoso crescimento imobiliário e na diversificação comercial. Com a chegada da mineração, a renda per capita subiu melhorando a qualidade de vida da população colocando a cidade como uma das mais prósperas da região.

O cenário

Nas duas últimas eleições, em 2016 e 2020, a cidade teve 4 e 5 postulantes respectivamente. O quadro de pulverização tende a acontecer em 2024 o que embola escolha para os mais de 6 mil eleitores.

Vencedor com quase 52% do eleitorado, com 2.469 votos, Waguinho Duarte (União Brasil) segue firme no seu claro propósito de chegar ao seu 2º mandato. Ele aposta suas fichas no retrospecto de suas obras para vencer as eleições e bater de novo seus oponentes.
A oposição tenta se unir para mostrar força e muitos apostam na dobradinha, ainda que remota, entre o ex-candidato Mocrácio Ribeiro e o ex-prefeito João Azzi. O primeiro pode chegar a sua 4ª eleição consecutiva. Por outro lado, fontes consultadas indicam que os dois postulantes podem seguir em campos distintos, o que facilitaria a reeleição do atual mandatário.

Segue na lista de pré-candidatos o vereador Neimar Lázaro Faleiro (PL) que mais uma vez tenta emplacar seu nome na contenda eleitoral.

Desterro ainda tem mais nomes na disputa. O militar da reserva Gilson José Diniz vem para mais uma disputa em Desterro. Há quem aposte que ele entrará para disputar uma cadeira no legislativo.

O advogado Lucas Morais (MDB) também ensaia a concorrer as eleições. Em 2022 ele foi candidato a deputado federal e em 2016 e 2020 disputas a corrida municipal.

Com uma perspectiva otimista de receita, Desterro de Entre Rios segue para uma disputa embolada. Quem vai vencer?

Prefeitura de Lafaiete retoma obra de quadra abandonada no bairro Rezende

Nesta segunda-feira, 26/02, o prefeito Mário Marcus acompanhou o andamento de retomada das obras da quadra esportiva abandonada no bairro Rezende, que será revitalizada, proporcionando mais um espaço de lazer para a comunidade. Outra obra vistoriada foi a abertura de uma via que fará a ligação entre a Rua Aurora Belavinha e a Rua Hélio Lana da Silva, no bairro Belavinha e deverá ser concluída em breve, facilitando o acesso à Escola Meridional. A Prefeitura também está trabalhando no sentido de retomar o projeto de uma escola e uma creche, que seriam construídos na área, atendendo a uma antiga demanda da comunidade.

O prefeito Mário Marcus destacou a importância das obras para a população: “O nosso compromisso é o de realizar as obras tão necessárias em benefício do povo de Conselheiro Lafaiete e que o trabalho da Administração municipal é sempre focado na melhoria da qualidade de vida e bem-estar da população”, afirmou.

Prefeitura de Congonhas (MG) entrega kits para professores da rede municipal de educação

A Prefeitura de Congonhas está entregando kits gratuitos que irão auxiliar os professores durante o ano letivo de 2024. Eles incluem materiais e recursos que auxiliam os docentes em suas atividades em sala de aula. Essa iniciativa representa um suporte à Educação e contribui para o fortalecimento do sistema educacional.

Desde 2021, a Prefeitura tem feito investimentos significativos para estudantes, professores e toda a equipe escolar. Foram adquiridos tablets e chromebooks para alunos e professores, carrinhos de carregamento e transporte dos aparelhos eletrônicos, computadores e mobiliários. Os estudantes também receberam uniformes completos de verão e inverno, que incluem de forma inédita tênis e meias.

A Prefeitura de Congonhas também promove durante todo o ano, curso de capacitação para professores, atividade de aprendizado no Espaço Maker. Além disso, a Prefeitura adquiriu vans e ônibus escolares adaptados para as pessoas com deficiência.

De acordo com o secretário de educação, Rodrigo Mendes, “professores, alunos e toda a comunidade escolar receberam os investimentos com a certeza de que as novas tecnologias adquiridas privilegiam a interação, melhorando assim o aprendizado e a absorção de conteúdo e aumentando o interesse e o envolvimento dos alunos”.

Por Letícia Tomaino / Fotos: SEMED

Lafaiete recebe importantes obras de infraestrutura

A prefeitura de Conselheiro Lafaiete, em cumprimento à programação de obras que visam melhorar a infraestrutura da cidade, está trabalhando em várias frentes realizando intervenções em vias e outros espaços urbanos.

Com o objetivo de solucionar o sério problema de inundações recorrentes no Centro está sendo construída a galeria para coleta de águas pluviais nas Ruas Dr. Moreira e Marechal Floriano.

Outra importante obra que está sendo realizada é o viaduto do Bairro Cachoeira, em parceria com a MRS Logística. Obra de grande relevância, que beneficiará a todos os pedestres e motoristas, da cidade e região, que terão mais agilidade e segurança no local, ao cruzar sobre a via férrea. Outra obra em parceria com a MRS, é a construção da ponte que ligará a Rua do Barreto à Rua Antônio Aureliano, no Bairro Cachoeira.

Com a finalidade de proporcionar mais tranquilidade e segurança aos moradores do Bairro Carijós, em períodos de chuvas, a prefeitura está construindo mais um trecho de muro de gabião. Dessa vez, a obra acontece no final da Rua Paes Pedro, uma das vias que mais sofre com enchentes.

A obra de prolongamento da Avenida Manoel Martins está em andamento e visa melhorar o fluxo de veículos e a mobilidade urbana.

Esta é uma iniciativa estratégica para a cidade, pois, irá beneficiar os moradores de várias regiões que terão acesso mais ágil ao centro da cidade, além de uma via direta para a MG 129, saída para ouro Branco.

No bairro Morro da Mina, segue dentro do cronograma, as obras da rotatória e Praça das Nações, em frente à Escola Meridional e ao Colégio Projeto Vida.
Segundo o prefeito Mário Marcus “são obras muito importantes para a cidade que irão proporcionar trânsito e tráfego mais organizados, seguros e eficazes. O trabalho da administração municipal é focado na melhoria da qualidade vida e bem estar da população”.

Em abertura do ano letivo, prefeitura anuncia construção de quadra e academia ao ar livre em Três Barras

Na manhã desta quarta-feira (21), a Escola Municipal Sebastião Pereira da Fonseca, na localidade de Três Barras, em Conselheiro Lafaiete, recebeu o Momento Cívico que marcou o início do ano letivo rural.

A cerimônia reuniu servidores municipais da educação, professores, pais de alunos e diversas autoridades, incluindo o Prefeito Mário Marcus e os secretários de educação Albano Tibúrcio e Edilvânia Diniz.

A escola foi totalmente reformada e irá atender alunos do ensino infantil ao 5º ano em horário integral.

“É com grande alegria que celebramos o início do ano letivo rural em Três Barras”, disse o Prefeito. “A educação rural é fundamental para o desenvolvimento da nossa comunidade, e estamos comprometidos em oferecer um ensino de qualidade para todos os alunos.”- declarou o prefeito, que na oportunidade anunciou a construção de uma quadra esportiva e a instalação de uma academia ao ar livre na localidade.

Prefeitura lança Programa de Planejamento Integrado para o desenvolvimento de Congonhas em parceria com a ONU e a FDC

O Governo Municipal lançou nesta quarta-feira, dia 21, o Programa de Planejamento Integrado do Município (Integra). A cerimônia de lançamento aconteceu no Museu de Congonhas e contou com a presença de representantes do legislativo, empresas e da sociedade civil.

A iniciativa, inédita em Minas Gerais, engloba a revisão e a elaboração dos planos Diretor, de Mobilidade e de Desenvolvimento Sustentável com objetivo de garantir um crescimento organizado e sustentável, menos dependente da mineração e com respeito aos moradores e ao patrimônio histórico e cultural da cidade.

O Programa Integra foi desenvolvido em parceria com a ONU-Habitat que é uma agência especializada em urbanização sustentável e que será responsável pela revisão do Plano Diretor e pela elaboração do Plano de Mobilidade. E também com o apoio da Fundação Dom Cabral (FDC) que fornecerá apoio técnico na elaboração do Plano de Desenvolvimento Sustentável na busca pela diversificação econômica, a inclusão social, a potencialização do turismo, da cultura e do patrimônio histórico e a proteção ambiental de forma integrada e equilibrada de modo a atrair novos e diferentes investimentos.

De acordo com o prefeito Cláudio Antônio de Souza (Dinho) a construção dos planos será feita com participação popular por meio de audiências, entrevistas, reuniões comunitárias e manutenção de um núcleo gestor dos planos com membros da sociedade civil organizada. “Este plano é audacioso porque busca integrar a sustentabilidade econômica e a mobilidade urbana com aquela visão de cidade na qual nós queremos viver no futuro. E é muito importante a participação da população e que cada um traga a sua ideia, porque o melhor plano é aquele no qual a população se engaja e participa”, comentou.

Segundo o Diretor de Programas para Gestão Pública da FDC, Paulo Roberto Gitirana, é fundamental o envolvimento de toda sociedade na construção deste projeto. “Não se constrói uma visão de futuro da cidade em 2035 sem a participação ativa das pessoas e a integração da iniciativa privada e do terceiro setor com o Governo. Então, mais do que esperar pelos resultados deste trabalho, o morador de Congonhas poderá contribuir para construir o futuro que ele deseja e, assim, usufruir dos benefícios de uma nova cidade”, ressalta.

“Graças as consultas, as oficinas e espaços de participação, a população pode esperar que seja promovido um diálogo e um entendimento coletivo do que os habitantes de Congonhas querem e que, a partir destes dados, haja um Plano Diretor e de Mobilidade mais ajustados às necessidades da população e realidade da cidade”, frisou o Coordenador de Programas da ONU-Habitat, Jordi Sánchez Cuenca.

O Planejamento Integrado surgiu da necessidade de revisão do Plano Diretor, de acordo com o Estatuto das Cidades e os outros planos (de Mobilidade e Desenvolvimento Sustentável) são uma iniciativa do poder público municipal para modernizar os instrumentos de gestão para tomada de decisões baseado em evidências e dados, alcançando assim melhores resultados para a cidade, moradores e visitantes.

O foco dos planos é melhorar a qualidade de vida da população congonhense, adotando leis municipais inclusivas, que orientem o crescimento e desenvolvimento urbano de todo o município e que fortaleçam a cultura de tomada de decisões transparentes, baseadas em dados e informações, por meio de diagnósticos, análises e treinamentos. O programa pretende, também, promover o crescimento econômico, a inclusão social e a proteção ambiental de forma equilibrada, contribuindo para que a cidade possa atrair mais investimentos, deixando o município menos dependente da atividade minerária.

Coletas de dados

Muitas das informações que serão utilizadas para a montagem dos três planos virão do Sistema de Informações Geográficas (SIG), já implementado pela Prefeitura Municipal. O sistema utiliza o mapeamento da cidade e as informações dos órgãos públicos para orientar as ações da administração municipal em diversas áreas como o monitoramento de doenças, monitoramento da qualidade do ar, disponibilização de vagas nas escolas, intervenções no trânsito, planejamento e execução de obras, entre outras.

“Ele dará suporte na consolidação dos dados coletados dos três planos, permitirá análises especializadas e regionalizadas do território, além de ser uma potente ferramenta para tomada de decisões e para a participação e transparência de informações com a população”, conta o arquiteto e urbanista Douglas Montes, coordenador da ferramenta.

Com o Programa Integra, a Prefeitura prevê aumentar a eficiência na aplicação dos recursos públicos, dar mais acesso e permitir melhor uso dos serviços públicos à sociedade e melhorar a distribuição de renda e ampliação da autonomia do cidadão.

Por Reinaldo Silva / Fotos: Daniel Silva

Mais uma prefeitura da região suspende concurso por suspeitas com empresa vencedora de licitação

Informações adicionais serão divulgadas após a manifestação da autoridade fiscalizadora

Em resposta a denúncias sobre supostas irregularidades no Concurso Público 001/2023, o Prefeito Municipal de Jeceaba, Zezé do Cristianinho (PDT) determinou a SUSPENSÃO PREVENTIVA E IMEDIATA das inscrições e de todo o processo.  Foi concedido prazo para a empresa responsável apresentar defesa.

Essa medida busca assegurar a transparência do certame e evitar prejuízos aos interessados. Informações adicionais serão divulgadas após a manifestação da autoridade fiscalizadora, visando garantir a lisura e segurança dos candidatos. Confira o decreto 006 de 19 de fevereiro de 2024 disponível em: https://abre.ai/suspensaoconcurso A empresa vencedora foi a Empresa Cabral e Oliveira Consultoria Pública.

São Brás e Entre Rios

O Consórcio Público para o Desenvolvimento do Alto Paraopeba (Codap) divulgou a nossa reportagem sobre o concurso público da Prefeitura de São Brás do Suaçuí (MG). No dia 8 de feveiro, a Administração Municipal informou sobre a revogação do Edital do Concurso Público nº 01/2023 que visav o provimento imediato de cento e quatorze vagas, formação de cadastro de reserva para cento e quarenta e cinco vagas, totalizando duzentos e cinquenta e nove vagas. Cita a nota que a Empresa Cabral e Oliveira Consultoria Pública, vencedora do certamente, “encontra-se sob investigação, seja pelo Ministério Público ou por Câmara Municipal, decorrente de concursos públicos por ela conduzidos em cidades de Minas Gerais, o que pode macular a imparcialidade no processo da escolha do candidato melhor classificado em São Brás do SuaçuÍ”.

Mesmo diante da revogação, empresa justificou que mantinha as inscrições abertas desde o dia 14/3 alegando “que a relação contratual entre entes da federação e a iniciativa privada, a decisão de rescindir contrato ou sustar trabalho em andamento deve ser precedida de motivação e justificativa com devido processo legal, dando direito a outra parte de se defender”.

Leia nota do Codap encerrando o contrato para realização do concurso público inclusive o de Entre Rios de Minas que seria realizado em 2024 como também Jeceaba. “O Codap, vem respeitosamente a público informar que foi notificado pelos Municípios de São Brás de Suaçuí e Entre Rios de Minas do encerramento do contrato de programa cujo objeto era a realização de Concurso Público.

No que tange ao Município de São Brás do Suaçuí, o Consórcio recebeu a notificação em 08 de fevereiro do corrente ano e, após o recesso de carnaval, no dia 15 de fevereiro foi surpreendido com a notícia de que a Empresa Cássia Aparecida de Oliveira, inscrita no CNPJ sob o n° 17.675.211/0001-27 abriu as inscrições para o Concurso Público do Município de São Brás do Suaçuí.

O Codap, ao tomar conhecimento desse fato, de imediato, no dia 15 de fevereiro, realizou uma notificação, devidamente publicada no Diário Oficial, para que a empresa se abstenha de efetuar qualquer atividade relacionada ao Concurso Público nos Municípios de Entre Rios de Minas e São Brás do Suaçuí, bem como que exclua de seu site a publicação do Concurso Público do Município de São Brás do Suaçuí.

Assim sendo desde esta data a empresa não está autorizada por este Consórcio Público a realizar qualquer atividade relacionada ao Concurso Público nos Municípios de Entre Rios de Minas e São Brás do Suaçuí. O Codap, reafirma, ainda, o seu total compromisso com a transparência de seus atos e se coloca à disposição para quaisquer esclarecimentos”.

FONTE ENTRE RIOS NEWS

Mais de 7 mil alunos da rede municipal de ensino de Congonhas recebem uniformes

Os mais de 7 mil alunos da rede municipal de ensino, desde os anos iniciais até a Educação de Jovens e Adultos (EJA) recebem os uniformes escolares de verão. Eles são parte importante da cultura escolar e desempenham um papel significativo no ambiente educacional. Vale ressaltar que também são confeccionados uniformes em tamanhos especiais, caso seja necessário.

Os kits distribuídos contemplam:

Berçário: 3 bodys mangas curtas; 1 calção mijão 100% algodão e 1 bermuda 100% algodão unissex.
Maternal I, II e III: 3 camisetas mangas curtas infantil e 1 bermuda helanca unissex infantil.
1° período ao 5° ano: 2 camisetas mangas curtas, 1 camiseta sem manga; 1 shorts-saia helanca para as meninas ou 1 bermuda tactel para os meninos.
6° ano ao 9° ano: 2 camisetas mangas curtas, 1 camiseta sem manga, 1 bermuda ciclista feminina (meninas) ou 1 bermuda tactel masculina (meninos).

Uniformes de inverno

No fim de 2023, o Governo Municipal fez a entrega de uniformes de inverno que também contemplou, de forma inédita, tênis e meias. De acordo com o secretário de Educação, Rodrigo Mendes, “o uso do uniforme desperta a sensação de pertencimento, sendo de igualdade, aumento da autoestima e confiança dos alunos. Também promove mais organização e segurança devido à identificação e possibilidade de melhor gestão do ambiente escolar. Para os pais traz tranquilidade e praticidade no cotidiano, além da certeza de que os filhos estão confortáveis e com maior possibilidade de concentração nos estudos”.

Por Letícia Tomaino / Fotos: SEMED

Ouro Branco: 300 anos de fundação

Fundada em 16 de fevereiro de 1724, Ouro Branco é uma das povoações mais antigas do estado de Minas Gerais. A região foi habitada no final do século XVII por imigrantes atraídos pela existência do ouro. O bandeirante Miguel Garcia encontrou o metal precioso que tinha uma coloração esbranquiçada, ficando assim conhecido como “ouro branco”.

Nos 300 anos de sua história, Ouro Branco passou por vários ciclos econômicos, que iniciaram com o ciclo do ouro, seguido pelo ciclo da uva, posteriormente o ciclo da batata e, atualmente, está passando pelos ciclos do aço e da educação.

Durante este período, o povoado acumulou bens históricos e culturais como, entre outros, a Igreja Matriz de Santo Antônio de Ouro Branco, cuja construção iniciada em 1717 foi concluída, provavelmente, em 1779; a Fazenda de Carreiras, tombada pelo IEPHA, a qual foi local de pagamento do Quinto (Imposto da Coroa Portuguesa) e pouso dos tropeiros; a casa-sede da Fazenda Pé do Morro, aos pés da Serra do Ouro Branco e às margens da Estrada Real, de meados do século XVIII, também tombada pelo IEPHA; a Igreja Matriz de Santo Antônio, no distrito de Itatiaia, construída no século XVIII por iniciativa das Irmandades dos Santíssimo Sacramento, Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e São Benedito; a Capela Nossa Senhora Mãe dos Homens, pequena e singela construção de que há registros de sua existência já em 1865; a Cerâmica Saramenha, desenvolvida na região do Ciclo do Ouro para atender às necessidades da população local, já que havia muita demanda e faltava oferta de cerâmica europeia.

Confira as gravações de nossa reunião de Conselho Superior comemorativa dos 300 anos de Fundação e 70 anos de Emancipação Política de Ouro Branco no link disponível.

Começa amanhã (16) as celebrações de Ouro Branco dos seus 300 anos de história, com olhar voltado para a inovação

Ouro Branco celebra 300 anos de história, com olhar voltado para a inovação

PASSADO, PRESENTE E FUTURO

Ouro Branco celebra 300 anos de história, com olhar voltado para a inovação

Uma das mais belas cidades de Minas Gerais prepara uma grande festa para 2024. Ouro Branco, localizada há 100 km de Belo Horizonte, comemora, no dia 16 de fevereiro, 300 anos de fundação do povoado. Para celebrar esse marco na história de Minas Gerais e do Brasil, serão realizados diversos eventos, shows musicais, entrega de honrarias e homenagens para personalidades e autoridades que contribuíram para o desenvolvimento da cidade.

Destaque em gestão e qualidade de vida
O município tem 38.724 habitantes, distribuídos em 32 bairros e 19 comunidades rurais. No âmbito da gestão pública, a cidade é pautada pela Governança e Madala ODS’s e figura a 53ª posição no Ranking Firjan de Gestão Fiscal em Minas Gerais e a 402ª no Brasil. Ouro Branco ainda está no ranking das 20 cidades responsáveis por mais da metade do PIB de Minas Gerais.

História

povoado de Santo Antônio de Ouro Branco teve sua origem nos finais do século XVII, provavelmente em 1694, como consequência do processo de ocupação iniciado com as primeiras bandeiras que, subindo o Rio das Velhas à procura de ouro, desbravaram a região, assentando-se ao pé da Serra de Ouro Branco, também denominada, na época, Serra do Deus (te) Livre (tombada pelo IEPHA em 07/11/1978). Ouro Branco foi uma das mais antigas freguesias de Minas, tornada colativa pelo alvará de 16 de fevereiro de 1724, expedido pela Rainha Maria I, durante o governo de Dom Lourenço de Almeida. O ouro de tonalidade clara possuía valor econômico inferior em relação à extração praticada em Ouro Preto (daí o nome Ouro Branco). Pela má qualidade das jazidas auríferas e dificuldades de exploração, a atividade mineradora retrocedeu.

Em 12 de dezembro de 1953, a cidade deixa de ser distrito de Ouro Preto e passa a ser elevada à categoria de município, obtendo sua emancipação política. Nesse período, Ouro Branco já possuía considerável importância econômica e prosperidade de sua população advinda da agricultura, usina hidrelétrica e produção de talco.

Desde o início, foram vários ciclos econômicos. O primeiro deles foi o Ciclo do Ouro. Com o declínio da produção aurífera, Ouro Branco se voltou para a agricultura. Primeiro veio o Ciclo da Uva e depois o Ciclo da Batata. Atualmente, a atividade preponderante é a industrial, desde a implantação da então Aço Minas Gerais S.A em 1976, atual Gerdau, que inaugurou o Ciclo do Aço. A Gerdau é a maior empresa brasileira produtora de aço e uma das principais fornecedoras de aços longos nas Américas e de aços especiais no mundo. Em 2008, se iniciou o Ciclo do Conhecimento, com a chegada do Campus Alto Paraopeba da UFSJ e campus do IFMG.

300 anos da Paróquia de Santo Antônio

A Paróquia da Igreja Católica de Santo Antônio, que é Orionita (Dom Orione) também celebra os 300 anos da chegada da Igreja Católica em nossa cidade (1724-2024). 

Pontos Turísticos

Além de uma vasta rede hoteleira e de restaurantes, a cidade possui uma diversidade de belezas naturais e culturais, sendo uma excelente opção para o turismo de aventura e cultural. O Parque Estadual da Serra do Ouro Branco e Monumento Natural de Itatiaia são tombados pelo IEPHA e possuem diversas cachoeiras, além de uma rica fauna e flora da Serra do Espinhaço e Quadrilátero Ferrífero. A comunidade de Itatiaia é um dos locais mais frequentados. Seus bares e restaurantes se misturam com a tradição e cultura do artesanato local. A Igreja Matriz de Santo Antônio, em Itatiaia, é uma das mais antigas de Minas Gerais e tem registros de 1714.

Nas margens da Estrada Real, a Fazenda de Carreiras, antigo pouso dos tropeiros e ponto da cobrança do Quinto da Coroa Portuguesa, é mais um dos atrativos da Estrada Real. Na região central, casarões antigos compõem o conjunto arquitetônico junto com a Igreja Matriz de Santo Antônio, rica em pedra sabão e que possui peças do trabalho de Mestre Ataíde, datados de 1774. 

Tradição em Eventos

O Festival da Batata, realizado no mês de outubro, atrai milhares de pessoas que conferem de perto os pratos típicos e shows musicais na Praça de Eventos. Outro evento tradicional é a Etapa Internacional de Mountain Bike Chaoyang Estrada Real que reúne mais de 4 mil atletas que percorrem as trilhas do circuito urbano e rural. A Semana do Desenvolvimento Econômico também já está consolidada. Em 2023, foram mais de 8 mil visitantes, 800 horas de capacitação, 120 estandes e 95 expositores.

E assim, Ouro Branco segue sua vocação e se mantém de portas abertas para turistas e novos empreendimentos. São 300 anos de história e um grande futuro pela frente!

ESTRADA REAL- MG 129, Ouro Branco-Ouro Preto 

Ouro Branco faz parte da Estrada Real, caminho traçado originalmente durante o Ciclo do Ouro e do Diamante.  A estrada servia de ligação entre o litoral e o interior da colônia e, ao longo dela, foram construídos boa parte dos bens que hoje compõem nosso patrimônio histórico e cultural.

Ao longo da Estrada Real, muito da história de Minas Gerais se passou. Local de conspiração dos Inconfidentes, ali também foram expostas as partes esquartejadas do alferes Tiradentes.

Vários vilarejos e povoados surgiram em sua extensão. A Rua Santo Antônio, principal via do Centro Histórico do município, fica no traçado da Estrada Real.

Atualmente, o trajeto todo asfaltado, 30 km, faz a ligação entre Ouro Branco e Ouro Preto e possui diversos atrativos turísticos como lugarejos, cachoeiras e trilhas. Ao longo da via estão o Parque Estadual da Serra do Ouro Branco e o Monumento Natural Estadual de Itatiaia.

Parque Estadual: No século XVIII era também conhecida como Serra do Deus-te-livre, em razão dos saques realizados por escravos fugitivos aos viajantes da Estrada Real e devido à dificuldade de travessia. A Serra do Ouro Branco é o marco inicial sul da Cadeia do Espinhaço. Tem aproximadamente 1.614 hectares e uma altitude que varia de 1250 a 1568 metros. Abriga ecossistemas dos mais ricos do mundo, os campos rupestres. É uma importante área de recarga das Bacias dos Rios Paraopeba e Doce, apresenta uma grande quantidade de nascentes e cursos d’água, que, em sua maioria, formam o Lago Soledade. Além disso, suas nascentes fornecem toda a água que é consumida pela cidade de Ouro Branco. A vegetação presente em toda área que compõem a serra de Ouro Branco, é caracterizada por um mosaico de formações vegetacionais que se desenvolvem em solo arenoso e pedregoso de origem quartzítica. Esse mosaico é constituído de cinco formações: Grupos Graminóides, Afloramentos Rochosos, Matas de Galerias e Capões, Campos Brejosos e Campos de Velózias (Canela-de-Ema). Essa diversidade ambiental condiciona uma flora rica, diversificada e endêmica (ocorrência restrita). O maciço guarda sítios arqueológicos do caminho velho e do novo da Estrada Real, além de fazendas centenárias e diversos casarios da época.

CAPELA NOSSA SENHORA APARECIDA DO ALTO DA SERRA

A capela Nossa Senhora Aparecida foi edificada como pagamento de graça concedida a mãe do Sr. Nego Ferreira, que reuniu esforços junto à comunidade e ergueu a capela em 1959. A partir dessa data, a capela passou a ser destino de peregrinações e local de procissões e festa religiosa, dando origem a Festa da Serra.

ITATIAIA – Monumento Natural Estadual de Itatiaia

Belíssimas paisagens, cachoeiras e uma diversidade imensa da flora, a Serra de Itatiaia é uma área de grande diversidade biológica. Importantíssima, abriga endemismos de flora rupestre nos afloramentos rochosos e alta relevância na cadeia do espinhaço, demonstra ainda riqueza de fauna e de outros elementos da flora. Beleza cênica e paisagística, sítios de importância histórica e abrigo de um acervo fantástico de ruínas do ciclo do ouro.

Se considerarmos a chegada dos primeiros Bandeirantes, Borba Gato ficou uma temporada em Itatiaia, para plantação de grãos e pesquisas minerais, em 1675.

Igreja Matriz de Santo Antônio (Itatiaia)

Construída por iniciativa das Irmandades dos Santíssimo Sacramento, Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e São Benedito, data do começo do século XVIII, sendo uma das primeiras igrejas construídas na região.

Pousada de Itatiaia

Lugarejo acolhedor que retrata a receptividade do povo mineiro. O local fica às margens da Estrada Real e possuiu bares e restaurantes aconchegantes, com comidas típicas (um deles indicado pelo Guia 4 Rodas), e uma paisagem deslumbrante.

FAZENDA CARREIRAS

Localizada na margem da Estrada Real, entre Ouro Branco e Conselheiro Lafaiete, a Fazenda Carreiras é uma construção típica do período colonial. Caracterizada pela arquitetura rural que data de meados do século XVIII: paredes de pau-a-pique, telhado entrelaçado com cipó amarrando as estruturas de madeira, pisos de tábua corrida, trancas reforçadas, sala para guarda valores, uma grande varanda contornando todos os cômodos. Na entrada principal da casa foi preservado o guichê que era utilizado para o comércio do ouro e a cobrança do Quinto do Ouro, imposto cobrado pelo governo durante o Brasil Colônia. Não podemos esquecer que a Estrada Real está diretamente ligada aos acontecimentos políticos da Inconfidência Mineira e ao surgimento de várias fazendas ao longo do seu trajeto, que serviam de posto de abastecimento, troca e venda para os tropeiros e viajantes, além de hospedagem. E foi dentro nesse contexto que foi instalada a Fazenda Carreiras. Uma das versões para o nome dado à fazenda, segundo a tradição oral, é que ali era um local de criação, venda ou troca de cavalos.

A denominação teria se originado das “carreiras” que os tropeiros davam nos animais para testar a sua força e resistência. Uma curiosidade: os moradores antigos do município de Ouro Branco denominam a casa como Fazenda Tiradentes ou Casa Velha de Tiradentes, pois acredita-se que o Inconfidente teria pernoitado ali durante uma viagem de São João Del Rei à Vila Rica, em 1788.

O desenho do povoado caracteriza as ocupações mineiras no período da exploração do ouro. Segundo Augusto de Lima Junior (1968), os povoados mineiros começavam por um rancho de tropas onde os mineradores iam fazer suas compras nas mãos dos comboieiros que traziam as mercadorias de consumo da Bahia, do Rio de Janeiro ou de São Paulo. Ao redor desses ranchos, fixavam as casas de venda e, sobretudo aos domingos, os religiosos celebravam missas, batizados e casamentos, que deram origem às capelas sucedidas pelas grandes igrejas: no princípio, constituíam-se em um cruzeiro e um altar rústico, posteriormente transformados em templo definitivo. Espalhados pelas montanhas e vales, os mineradores construíam casas junto às capelas e, aos sábados, vinham pernoitar com suas famílias. Aos domingos, assistiam à missa e faziam suas compras.

CASARÕES HISTÓRICOS

O Centro Histórico de Ouro Branco possui casarões do Século XVIII, com arquitetura colonial, entre eles, a antiga casa paroquial. Conforme inscrição em pedra no local, sua construção foi concluída em 1759.

IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO

A cidade guarda bens históricos, como a Igreja Matriz de Santo Antônio. A construção, iniciada nos primeiros anos do século XVIII, foi concluída, provavelmente, em 1779. Todo esse tempo é justificável, visto que as obras em igrejas de certa importância, nos tempos coloniais, duravam anos. Grande patrimônio histórico e religioso, a igreja passou por reformas introduzidas por Aleijadinho. Também recebeu o talento do pintor marianense Manoel da Costa Ataíde, o “Mestre Ataíde”.

Seguem as obras de restauração da Igreja Matriz de Santo Antônio. O trabalho vem sendo acompanhado por uma equipe técnica do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. O fim das obras está previsto para o 1º semestre de 2023.

PARQUE ESTADUAL SERRA DO OURO BRANCO

É um paredão que corta a região com 1.568 metros de altitude. Tem como destaque sua imponência e beleza paisagística, além de importante sítio histórico com inúmeras ruínas da época do Ciclo do Ouro. É uma das serras com maior biodiversidade da Cadeia do Espinhaço, refúgio de várias espécies ameaçadas de extinção. Também é local de belas cachoeiras e piscinas naturais. É tombada pelo IEPHA como conjunto paisagístico – Decreto 19.530, de 07 de novembro de 1978. No alto da serra, largo e plano, coberto por vegetação rasteira, temos uma ampla vista das cidades de Ouro Branco, Congonhas e Conselheiro Lafaiete.

É considerada o marco inicial sul da Cadeia do Espinhaço, que compreende um grupo de serras com altitudes variáveis, ao longo de 1.100 km de extensão, até a Bahia. Essa cadeia abriga um dos mais ricos ecossistemas do mundo, os campos rupestres.

A Serra do Ouro Branco é uma importante área de recarga das bacias do Rio Paraopeba e Rio Doce. Apresenta uma grande quantidade de nascentes e cursos d’água, que, em sua maioria, formam o Lago Soledade. Além disso, fornece toda a água que é consumida pela cidade de Ouro Branco.

Ambos os gêneros que eles formam, Barbacenia e Vellosia, são chamados no país por canela de ema, e são, na falta de lenha combustível, preferidos por sua considerável quantidade de resina; parece que só crescem no micaxisto quartzítico e são tidos pelo povo como sinal característico da riqueza dum terreno em ouro e diamantes.

FLORA DE NOSSA TERRA  ORQUÍDEAS

A Serra do Ouro Branco abriga 75 espécies da família Orchidaceae, algumas endêmicas, como a Hadrolaelia brevipedunculata (ameaçada de extinção), distribuídas em 36 gêneros. Números que, em comparação às demais áreas da Cadeia do Espinhaço e regiões montanhosas do leste de Minas Gerais, representam 17% das espécies e 34% dos gêneros pertencentes a essa família e que são encontrados nessas regiões. Esses dados comprovam a elevada riqueza de orquidáceas encontradas em nossa Serra e, por ser uma área relativamente pequena quando comparada a outras serras, toda a sua relevância ambiental. A Serra do Ouro Branco representa um verdadeiro refúgio de biodiversidade e é, portanto, uma área prioritária para conservação.

CAPELA DE SANTANA E A CASA SEDE DA FAZENDA PÉ DO MORRO

Localizada aos pés da Serra do Ouro Branco, a Fazenda Pé do Morro e seu casarão, exemplar da arquitetura rural colonial brasileira, está localizada junto à Estrada Real, entre Ouro Branco e Ouro Preto. Sua origem está relacionada ao abastecimento da crescente sociedade mineradora da região, tendo também servido de abrigo a viajantes e contrabandistas de ouro. A construção data do século XVIII e, por sua importância patrimonial, foi tombado pelo IEPHA em dezembro de 2009.

Em 1746, Domingos Pinheiro, Provedor da Fazenda Real, organizou uma lista dos homens mais abastados da Capitania e oito deles pertenciam à freguesia de Ouro Branco.  Antônio Dutra Gonçalves, Constantino Barbosa da Cunha, Capitão Mor Domingos Moraes, Capitão Domingos Moreira Fernandes, Gervásio Ferreira da Silva, Manoel Gomes da Cruz, Manoel Fernandes da Costa e Capitão Manoel de Sá Tinoco. Alguns relatos mostram que Ouro Branco chegou a ter mais de 32 estalagens para receber os viajantes que pousavam aqui antes de seguir para Ouro Preto.

CAPELA DE SÃO VICENTE DE FERRER

A capela de São Vicente de Ferrer está localizada na comunidade do Morro do Gabriel, pequeno povoado localizado na zona rural de Ouro Branco. A capela apresenta características marcantes da arquitetura colonial religiosa da 1ª fase do barroco mineiro. Além disso, sua implantação em um terreno em aclive promove um acentuado grau de teatralidade, característico do estilo barroco. O bem em questão, apesar de afastado da sede do município, é de grande importância religiosa, social, cultural e histórica para a comunidade de Ouro Branco. O imaginário em torno da antiguidade da capela é mais um dos elementos que compõem a identidade do povo de Morro do Gabriel.

CLIMA

Predominante na cidade é o tropical de altitude. Os verões são quentes e chuvosos, com céu predominantemente encoberto. O mês mais chuvoso em Ouro Branco é dezembro, com média de 264 milímetros de precipitação de chuva. Fevereiro é o mês mais quente, com temperaturas diárias máximas de 28° C e mínimas de 19° C, em média.  A estação chuvosa termina no início do mês de abril. Os invernos são secos, com temperatura agradável e céu quase sem nuvens. O mês menos chuvoso em Ouro Branco é julho, com média de 6 milímetros de precipitação de chuva. Julho também é o mês mais frio, com temperaturas diárias máximas de 23 °C e mínimas de 11 °C, em média.

Pode-se dizer que, durante o ano inteiro, o clima é morno. Ao longo do ano, em geral a temperatura varia de 11 °C a 28 °C e raramente é inferior a 8 °C ou superior a 31 °C. A melhor época do ano para visitar Ouro Branco e realizar atividades turísticas gerais ao ar livre, é do meio de abril ao início de outubro.

1.568 METROS DE ALTITUDE, área aproximada de 1.614 hectares e 20km de extensão a sudeste.

Por Assessoria de Comunicação

about

Be informed with the hottest news from all over the world! We monitor what is happenning every day and every minute. Read and enjoy our articles and news and explore this world with Powedris!

Instagram
© 2019 – Powedris. Made by Crocoblock.