Melhor praia do mundo para visitar em 2024, segundo a TripAdvisor

Conheça os detalhes desta parte encantadora do sul de Portugal; Saiba qual é a melhor época do ano para visitar.

A beleza da costa rochosa, a areia fina e as águas cristalinas. Foi o conjunto destas características que elegeram a Praia da Falésia como a melhor praia do mundo para se viajar em 2024. A indicação é dos leitores do site de viagens TripAdvisor.

A praia fica no município de Albufeira, no Algarve, sul de Portugal. Ela recebeu esse nome justamente por apresentar formações de relevo no penhasco composto por rochas avermelhadas e brancas. Vale lembrar que a falésia é um processo natural que ocorre na natureza devido à erosão. É justamente a água da chuva e a brisa que vem do mar que batem nas rochas e dão novas formas ao “paredão” que formam a costa da praia da Falésia.

A sua aparência é realmente singular. Afinal, as pedras das encostas que, aos poucos, foram corroídas pela brisa do mar e pela chuva, parecem ter sido esculpidas pelas mãos de um artista.

Paraíso

A praia da Falésia possui quase 8 km de extensão. Ela começa na cidade de Olhos de Água, em Albufeira e vai até a marina de Vilamoura. Por lá, as montanhas desaparecem. Inclusive, é nesta região que os turistas aproveitam para mergulhar e aproveitar o mar. Isso porque, é neste trecho que não há rochas debaixo d’água.

Ainda segundo os comentários de visitantes da Praia da Falésia no TripAdvisor, a região é perfeita para se visitar em família e também para fazer passeios panorâmicos. A vista do topo do penhasco é maravilhosa. Portanto, caminhar sobre as pedras é um passatempo de muitos visitantes, uma vez que a vista é realmente extraordinária e uma das mais bonitas da região do Algarve.

A praia possui estrutura para receber os turistas. Assim, há segurança, aluguel de guarda-sol, chuveiros, estacionamento ao ar livre, bares e restaurantes. Os pets também são bem-vindos na região.

Melhor época para se visitar

Os que se interessaram em ver de perto as belezas da Praia da Falésia saibam que a época ideal para visitas é entre os meses de março e junho. Isso porque, será primavera nos países europeus. Assim, os preços são mais acessíveis e há menos turistas circulando por lá.

FONTE EDITAL CONCURSOS BRASIL

Turismo ‘hypado’ e caro. Será que influencers têm ‘culpa’ na questão?

Peixe assado a R$ 300, tapioca a R$ 70, lugares lotados, lixo, muito lixo e uma cidade infestada de turistas. Não é difícil encontrar memes e posts na internet de pessoas que visitaram Caraíva, vila de Porto Seguro, no sul da Bahia, e se depararam com preços exorbitantes e um lugar “hypado”, ou seja, que está na moda.

Para quem visitava a vila há alguns, o aumento no número de turistas foi sentido, gerando queixas nas redes sociais. Os moradores da região também perceberam uma mudança do público que frequentava o local.

Em grupos de turismo e até nas próprias redes sociais, algumas pessoas atribuem a questão à constante divulgação de “lugares secretos” após postagens virais.

Mas para Amanda Eskenazi, 43, que mora na vila baiana há três anos, o “over tourism” não deve ser exclusivamente atribuído às pessoas que trabalham com internet.

Segundo ela, esse aumento foi sentido no pós-pandemia. “Houve um enorme êxodo urbano que transformou Caraíva drasticamente. O número de moradores deve ter triplicado com aqueles que vieram para viver a vida ao ar livre, ‘longe’ das restrições”, diz a moradora.

Ela também defende que os preços não são exorbitantes, já que a logística para os insumos chegarem até o local é difícil e trabalhosa. “Não existe nada sem frete em uma estrada de terra que muitas vezes está esburacada. Depois temos a travessia e a carroça. Dois custos a mais que encarecem o produto logo na chegada. Uma manutenção maior ou obra aumenta em aproximadamente 40% os custos se comparado a locais próximos aos grandes centros”, argumenta.

Mas o problema vai muito além desta localidade baiana. Lugares como Jalapão (TO), Jericoacoara (CE) e Trancoso (BA) também já entraram na lista de reclamações por estarem sempre lotados demais.

A ascensão dos influencers de turismo

Jalapão: fervedouros "sofrem" com o turismo em massa
Jalapão: fervedouros “sofrem” com o turismo em massaImagem: Fayson Merege

Não é de hoje que nos deparamos com a promoção de destinos nas redes sociais. Com a revolução digital, houve um “encurtamento” entre o consumidor e o destino. “O começo da internet trouxe esse movimento dos influenciadores digitais. As pessoas ficavam maravilhadas em conhecer Paris pela internet”, explica Raquel Panke, turismóloga e professora da Escola de Educação e Humanidades da PUC-PR.

Com isso, os seguidores imitavam o que os criadores de conteúdo produziam. Porém, com o aumento da promoção de determinado destino nas redes sociais, alguns lugares perderam sua essência, além de ficarem abarrotados.

O turismo é composto teoricamente por dois polos: o consumidor e o produto. Mas, segundo Panke, que também é pós-doutora em desenvolvimento regional, os influencers são considerados um prossumidor, já que ao mesmo tempo em que promovem também consomem aquele destino. “Ele vende sua experiência”, diz a especialista.

Devido a essa influência, é possível gerar impactos positivos e negativos em vários lugares.

Uma das consequências benéficas é a viabilização desses locais, gerando emprego, renda e cultura para as comunidades locais. “O lado positivo é que são lugares bacanas e que podem começar a ser divulgados”, destaca Luiz Gonzaga Godoi Trigo, professor do curso de lazer e turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.

Já os impactos negativos são diversos e atingem vários setores. Em algumas épocas do ano, é impossível ir a determinadas cidades ou regiões devido a um grande fluxo de turistas, o que ocasiona aumento dos preços, lixo e, em alguns casos, provoca a degradação de pontos turísticos.

Os especialistas reforçam ainda que muitos lugares ficam lotados de pessoas apenas por causa da busca pela foto perfeita que foi vista no Instagram. Ao chegar lá, muitas vezes, é feito um clique e nada mais.

Influencers devem ter responsabilidade sim!

A influencer de viagem Jéssica Lopes, do perfil @andarilhas, trabalha criando conteúdo de viagem nas redes sociais há oito anos. Ela tem pouco mais de 400 mil seguidores e entende a importância do seu trabalho para a promoção turística dos destinos nacionais e internacionais.

Mesmo sabendo dessa relevância, Jessica acredita que os influenciadores não são os principais causadores dos problemas nos lugares. Ela defende que os órgãos, como secretarias oficiais de turismo ou outros responsáveis por determinados destinos, deveriam ter maior fiscalização e medidas eficientes para controlar o número de visitantes.

“A gente não tem controle do que vai viralizar ou não. Muitas coisas eu posto, flopa e não dá em nada. É muito aleatório”, diz a criadora de conteúdo. Ela também argumenta os aspectos positivos na “promoção” de lugares nas mídias digitais.

Recentemente, Jessica fez um vídeo sobre a cidade de Caconde, no interior de São Paulo, e o conteúdo viralizou, chegando a seis milhões de visualizações.

Com a postagem, muitos turistas começaram a viajar para o lugar, trazendo desenvolvimento para a região. “Era um trabalho para um hotel em parceria com a prefeitura. Eles me disseram que o turismo na cidade aumentou”, conta.

Ela também defende que o papel dos influencers deve, sim, ser feito com base em conscientização. “Tem influenciador que tira foto com uma estrela do mar e, a partir do momento que ela é retirada do mar, ela morre”, destaca.

Em seus stories e vídeos, ela conta que sempre diz para que as pessoas contratem agências pequenas, invistam em turismo de base comunitária e outras ações que promovam e incentivem o turismo sustentável.

As influencers de viagem Gaia Vani e Nanda Hudson, ambas de 32 anos, do perfil @maladeaventuras, também argumentam que, em alguns casos, a divulgação de destinos turísticos pelas redes sociais pode ser nociva.

Vista aérea da praia de Sanur, Bali, Indonésia
Vista aérea da praia de Sanur, Bali, IndonésiaImagem: MariusLtu/Getty Images/iStockphoto

“Estivemos em Bali em dois momentos distintos e pudemos notar o grande boom do local após a divulgação no Instagram. Lugares que antes eram cobertos por campos de arroz, de repente se tornaram bairros lotados de gringos. Pontos turísticos apinhados de turistas em busca da foto perfeita”, diz Gaia.

As duas afirmam ainda que o papel do influencer também precisa ser feito com responsabilidade e transparência nas redes sociais. “Devemos alertar também sobre o lado que ninguém mostra, falando dos cuidados a serem tomados quando você vai visitar determinados lugares”, afirma a influencer.

Contudo, encontrar um equilíbrio entre aspectos positivos e negativos ainda é um grande desafio. “Enquanto as redes sociais promovem destinos turísticos de forma ampla e poderosa, atingindo um grande público de forma rápida e eficaz, muitos desses destinos podem enfrentar problemas de superlotação devido à popularidade exagerada nas redes sociais, causando impactos negativos no meio ambiente e na qualidade da experiência do turista”, diz Gaia.

Gaia Vani e Nanda Hudson
Gaia Vani e Nanda HudsonImagem: Arquivo pessoal

Elas vivenciaram os dois lados do processo ao visitar alguns destinos. “Em relação a destinos nacionais que sofreram o mesmo impacto, podemos citar Jericoacoara. Visitamos essa vila cearense em 2015 e em 2021. Notamos um salto enorme no desenvolvimento turístico da região. Ao retornar para o local alguns anos depois, vimos diversos spots unicamente voltados para fotos e totalmente descolados da belíssima natureza da região”, pontua Gaia.

Ao visitarem a Serra da Capivara, no Piauí, elas divulgaram uma agência de turismo responsável e, até hoje, a empresa recebe turistas por indicação das influencers.

Lugares superestimados

A superlotação tornou-se um problema alarmante, transformando o que antes eram refúgios tranquilos em locais abarrotados de visitantes. A atmosfera calma e a autenticidade cultural de lugares quase intocados cederam espaço para longas filas, congestionamentos e uma corrida por espaço em praias que antes eram desertas.

Todas essas problemáticas contribuem diariamente para a decepção dos turistas, inclusive fazendo com que muitos achem que determinados locais são “superestimados”.

Trancoso, Bahia
Trancoso, BahiaImagem: Getty Images

Para o assessor jurídico e tradutor Thiago Sousa, 34, a vila de Trancoso, que também pertence à cidade de Porto Seguro, no sul da Bahia, se tornou um desses lugares. “Acredito que Trancoso não é muito acessível a turistas que não têm um carro. As opções que são oferecidas lá são caras e muitas vezes não acessíveis”, argumenta.

Além disso, para ele, as redes sociais tiveram um grande peso em gerar curiosidade e, ao mesmo tempo, promover o sentimento de exclusão. “Elas [as redes sociais] estão carregadas de filtros e dão aquele sentimento de que você precisa fazer parte daquela experiência, que em inglês é o FOMO, fear of missing out [basicamente o medo de ficar de fora]”, opina.

Ele também acrescenta Caraíva na lista de lugares superestimados e caros ao falar de locais que não entregam tanto. “Caraíva é um destino que está extremamente cheio e extremamente caro”, diz.

Uma moradora de Caraíva, que prefere manter o anonimato, mora na região há dez anos e ressalta que antes o lugar servia como refúgio, inclusive para artistas famosos, mas hoje, por culpa de influencers e empresários, o lugar mudou sua estrutura e enfrenta uma superlotação.

“Acredito que os empresários que começaram com essa onda de trazer as primeiras levas de influencers em troca de hospedagem ou alimentação são os grandes condutores de Caraíva ter chegado onde chegou”, diz a moradora.

Ela ainda acrescenta o deslumbre excessivo em busca da foto perfeita por muitos turistas que chegam ao local, influenciados pelas postagens da internet. “Já tive hóspedes que chegaram para mim, mostraram uma foto de um influenciador numa parte da praia e falaram ‘quero tirar exatamente essa foto’. Poxa, esse influenciador veio para cá em janeiro, no verão, o mar estava bem verde. E esse hóspede meu tinha vindo em julho, época de chuva, o mar estava todo revirado”, recorda.

Lagoa em Jericoacoara, no Ceará
Lagoa em Jericoacoara, no CearáImagem: fredcardoso/Getty Images/iStockphoto

A decepção também foi sentida pela servidora pública Gabriela Fernandes, 33, em Jericoacoara. Para ela, o lugar já perdeu sua essência e também entrou na lista de “superestimados”.

“Lagoas que perderam totalmente seu ar natural porque encheram de arranjos, redes para tirar foto e piers brancos para parecer qualquer coisa, menos o Brasil”, conta, decepcionada.

Ela também reclamou dos preços. “Fui para as lagoas e quiserem me vender um peixe por R$ 250, após negociar muito, ficou por R$ 180. Uma jarra de suco por mais de R$ 30, e pequena”, diz.


Ela ainda acrescenta o deslumbre excessivo em busca da foto perfeita por muitos turistas que chegam ao local, influenciados pelas postagens da internet.
 “Já tive hóspedes que chegaram para mim, mostraram uma foto de um influenciador numa parte da praia e falaram ‘quero tirar exatamente essa foto’. Poxa, esse influenciador veio para cá em janeiro, no verão, o mar estava bem verde. E esse hóspede meu tinha vindo em julho, época de chuva, o mar estava todo revirado”, recorda.

Lagoa em Jericoacoara, no Ceará
Lagoa em Jericoacoara, no CearáImagem: fredcardoso/Getty Images/iStockphoto

A decepção também foi sentida pela servidora pública Gabriela Fernandes, 33, em Jericoacoara. Para ela, o lugar já perdeu sua essência e também entrou na lista de “superestimados”.

“Lagoas que perderam totalmente seu ar natural porque encheram de arranjos, redes para tirar foto e piers brancos para parecer qualquer coisa, menos o Brasil”, conta, decepcionada.

Ela também reclamou dos preços. “Fui para as lagoas e quiserem me vender um peixe por R$ 250, após negociar muito, ficou por R$ 180. Uma jarra de suco por mais de R$ 30, e pequena”, diz.

Sindy González nas lagoas de Jericoacoara
Sindy González nas lagoas de JericoacoaraImagem: Arquivo pessoal

A uruguaia e funcionária pública Sindy González, 35, sempre visita o Brasil, mas também se decepcionou ao visitar a praia cearense. Para ela, os pontos turísticos de Jericoacoara não entregavam o que prometiam. “Esperava poder ir mais vezes às lagoas e não consegui. E o buraco azul foi uma decepção”, afirma.

Ela ainda ressalta que, muitas vezes, os influencers e redes sociais não mostram a realidade e o lado negativo de determinado lugar.

Há solução para o problema?

Embora os influencers e as redes sociais tenham um impacto direto no turismo, os especialistas argumentam que não são somente eles que trazem o problema mas, sim, os visitantes como um todo.

Segundo o professor da USP, os problemas nos destinos acontecem por causa da falta de educação do turista. Ele cita uma praia nas Bahamas que era habitada por porcos. Com a chegada dos turistas, os animais começaram a receber bebidas alcoólicas e morreram. “É absolutamente falta de bom senso”, acrescenta.

Já a especialista da PUC-PR destaca ainda que culpar somente os influencers e redes sociais seria errado. “O comportamento do brasileiro pode ser mais reflexo da educação do que da influência do influencer”, diz.

Para diminuir os efeitos nocivos em destinos turísticos, é necessário investir em políticas públicas eficientes, além de conscientização, reforçam os especialistas.

Essas medidas práticas incluem gestão inteligente de resíduos, incentivo ao turismo de baixo impacto, infraestrutura adaptável e outras medidas. “É um trabalho de longo prazo e nós temos uma lacuna na educação como um todo”, conclui Panke.

FONTE NOSSA UOL

Governo do Estado apresenta projeto turístico Minas Santa 2024, que terá ações em 600 cidades

Tradição e fé vão marcar a programação até o Domingo de Páscoa; iniciativa segue com objetivo de posicionar Minas como principal destino turístico do país na Semana Santa

Para celebrar as tradições e a religiosidade do período da Semana Santa no estado, o Governo de Minas apresentou a segunda edição do projeto turístico Minas Santa, nesta segunda-feira (19/2), no Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, na Serra da Piedade, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). 

A apresentação do programa, que visa promover as diversas atividades religiosas nas cidades mineiras durante a Semana Santa, foi realizada pelo governador Romeu Zema e pelo secretário de Estado de Cultura e Turismo (Secult-MG), Leônidas de Oliveira. Na ocasião, o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, celebrou uma missa em ação de graças.

Na edição deste ano, o programa conta com a adesão de cerca de 600 municípios e continua tendo como meta principal posicionar Minas Gerais como o principal destino turístico no país durante a Semana Santa, dando protagonismo às diversas expressões culturais e religiosas (católicas, evangélicas e das afromineiridades) relacionadas à fé, e valorizar o patrimônio cultural material e imaterial.
 

Marco Evangelista / Imprensa MG

Para o governador Romeu Zema, Minas Gerais já tem uma vocação religiosa muito forte e o Minas Santa vem para reforçar a importância do estado durante as celebrações no país.

“O que nós queremos é mostrar para o mundo que o turismo religioso em Minas tem atrações que muitas vezes as pessoas não conhecem e nem sabem da dimensão. Espero que nesta Semana Santa nós tenhamos um grande número de turistas aqui, reiterando essa hospitalidade, nossas belezas, a fim de reforçarmos o sucesso que é o turismo em Minas” destaca Zema.

No ano de seu lançamento, em 2023, o programa foi decisivo para que o estado registrasse crescimento recorde na movimentação turística em abril, bem acima do que foi observado no Brasil como um todo, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Minas tem uma especificidade muito grande no que se refere ao turismo da fé, e a Semana Santa e a Semana da Inconfidência foram os dois fatores que fizeram com que nosso turismo superasse esse recorde histórico, crescendo 720% acima da média nacional em 2023. Por isso, repetir esse projeto é fundamental para o desenvolvimento do turismo e da economia mineira”, analisa o secretário Leônidas de Oliveira.

De acordo com a Secult-MG, 36% dos turistas que visitam Minas têm como principal motivação conhecer os bens religiosos e locais de riqueza histórico-cultural, gerando uma movimentação econômica de cerca de R$ 5 bilhões por ano.

O Minas Santa terá programação até o domingo de Páscoa (31/3), e conta ainda com participação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG), da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e da Fundação Clóvis Salgado (FCS), além do apoio de representações religiosas como a Reitoria do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade (padroeira de Minas Gerais), Federação dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais (Fecitur), Rede Estadual de Gestores Municipais de Cultura e Turismo, Associação Mineira de Municípios (AMM) e Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais.

Para a promoção do projeto, estão previstas ações como uma programação especial nos equipamentos do Circuito Liberdade, com encenação da Via Sacra, e o lançamento do portfólio com a agenda preparada pelos municípios.

Em conjunto com a promoção turística, serão realizadas, por meio do Iepha-MG, ações de salvaguarda e proteção das celebrações e ritos da Quaresma e da Semana Santa no estado. Um cadastro das festividades relacionadas ao período também será realizado pelo instituto. Além disso, a exemplo do que aconteceu em 2023, a Faop ministrará oficinas de confecção de tapetes devocionais em Ouro Preto, Guaxupé, Paracatu e Belo Horizonte.

 

Marco Evangelista / Imprensa MG

Tradição e fé

Em Minas, são tradicionais as procissões, encenações da Paixão de Cristo, missas solenes e feitura de tapetes. Importantes destinos da fé, como Ouro Preto, Santa Luzia, Sabará, Perdões, Diamantina e Baependi, já se preparam para a celebração da Semana Santa.

O Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, na Serra da Piedade, em Caeté, local da Missa em Ação de Graças desta segunda-feira, também é emblemático para o turismo da fé e recebe 500 mil pessoas por ano. 

Para dom Walmor Oliveira de Azevedo, o patrimônio religioso do estado e a espiritualidade e a fé do povo mineiro são divulgados para os outros lugares do mundo com a realização do programa Minas Santa.

“É importante destacar que 60% do patrimônio sacro do Brasil se encontra em Minas Gerais. É uma riqueza única, não apenas na beleza arquitetônica e de engenharia, mas da expressão do significado humano que eles apresentam. Por isso Minas Gerais é singular no cenário brasileiro” enalteceu Dom Walmor.

O turismo da fé é o segmento que mais cria novas rotas turísticas em Minas. O Minas Santa terá programação em rotas do estado como o Caminho da Luz, Caminho da Fé, Caminho Nos Passos de Dom Viçoso, Caminho das Capelas, Caminhos Franciscanos e o Caminho Religioso da Estrada Real (Crer), que compreende 31 municípios, como Caeté, Itabirito, Mariana, Tiradentes e São Lourenço.

O Caminho da Fé, percurso mais visitado do país, tem fluxo médio anual de 20 mil viajantes e geração econômica de R$ 24 milhões por ano. A rota, inspirada no milenar Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha, abrange as cidades mineiras de Andradas, Crisólia, Tocos do Mogi, Inconfidentes, Borda da Mata, Ouro Fino, Estiva, Consolação, Paraisópolis e Luminosa.

Quando se fala em celebração da fé, outro destaque é o Monte das Oliveiras, em Alpinópolis, no Sul de Minas. Durante a Semana Santa, são realizadas apresentações teatrais que encenam a vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo, dentre outras passagens bíblicas. O local é um dos maiores cenários bíblicos a céu aberto do país.

Diversidade religiosa

O Minas Santa mapeia os congressos, retiros, shows e espetáculos da comunidade evangélica, assim como abre espaço para as expressões religiosas de matriz africana, como a Feitura do Cordão de São Francisco, no terreiro do Quilombo Pena Branca, no município de São Francisco, no Norte de Minas.

Há também o Recolhimento da Tenda de Umbanda Pai Xangô, em Formiga, no Centro-Oeste mineiro, e a Celebração Quaresmal e Tradicional Festa do Boi Balaio, em São Geraldo da Piedade, no Vale do Rio Doce. Todas estão registradas no catálogo “Celebrações e Ritos da Semana Santa em Minas Gerais”, do Iepha-MG. 

A presença das religiões de matriz africana no Minas Santa foi comemorada pela Macota Janete, do quilombo Pena Branca. “Pra mim é uma alegria muito grande ter a nossa fé contemplada pelo Minas Santa, um sentimento de uma realização de trazer pra todo mundo o que temos de mais sagrado, que são nossa crença e nossos ritos”, enfatiza. 

FONTE AGÊNCIA MINAS

Você já ouviu falar de Serra dos Alves? 

Imagine um lugar onde tudo é sossego e o tempo parece passar mais devagar

Serrá dos Alves é um lugar onde a tranquilidade toma conta da gente e os ponteiros do relógio parecem desacelerar para aproveitarmos cada segundo. O tempo tem seu próprio ritmo, mais sereno e generoso, aqui não existem pressas nem urgências  Os ruídos da cidades são substituídos pelo canto dos pássaros e por silêncios difíceis de encontrarmos em outros lugares. Serra dos Alves é um vilarejo perdido entre as montanhas de Minas, um encanto que todos deveriam conhecer. Se este pequeno paraíso ainda não está na sua lista de desejos, pode acrescentá-lo. Eu garanto… Serra dos Alves é daqueles lugares que a gente nunca mais esquece. 

Serra dos Alves é um encanto sem fim
FOTO MAURO FERREIRA

Quando cheguei no vilarejo fiquei impressionada com a grandeza de tanta simplicidade. Casas rodeiam a praça principal, senhoras observam a vida de suas janelas, senhores com seus chapéus passam por nós e nos cumprimentam com o tradicional “ooopaaa!” tão característico do povo mineiro e as crianças brincam tranquilamente na praça. Aqui não há correria.

Para se apaixonar
MAURO FERREIRA

Ao pé de uma serra linda, em meio a natureza e com esse ritmo de vida bem particular, o vilarejo é o lugar ideal para recarregarmos as energias. Um oásis de sossego a apenas 100 km da capital mineira, localizado no distrito de Senhora do Carmo, no município mineiro de Itabira, o vilarejo tem em torno de 100 habitantes e é cercado por cachoeiras, cânions, trilhas e natureza exuberante.

Parque Natural Municipal do Alto Rio do Tanque
MAURO FERREIRA

Chegando lá fomos recebidos pelo Carlos Andrade, presidente do Instituto Bromélia, conhecido como Cabeça, e foi ele que nos levou para esse passeio entre histórias e visuais incríveis da região. Entre uma prosa e outra ele nos contou diversas curiosidades do lugar, falou sobre as delícias de viver em um local assim e, claro, nos fez caminhar… Para quem gosta de natureza, aqui é o lugar ideal, para qualquer lado que andamos, descobrimos lugares maravilhosos e uma diversidade de paisagens que surpreendem e encantam.

Carlos Andrade, presidente do Instituto Bromélia
MAURO FERREIRA

Começamos o dia cedo e nosso primeiro passeio foi subir a famosa Serra dos Alves, serra que deu nome ao vilarejo, foram aproximadamente 5 km de caminhada. No caminho é possível encontrar uma diversidade de flora que chama a nossa atenção. É uma caminhada tranquila, de muita contemplação e belezas. E chegando lá em cima… o visual e de tirar o fôlego…

Visual Serra dos Alves
MAURO FERREIRA

Revigorados com este visual incrível, descemos a serra cheios de disposição para conhecer os outros atrativos daqui. Programas para quem curte a natureza não faltam e, como essa região é conhecida por suas diversas cachoeiras, fomos em busca de uma das mais famosas, a Cachoeira do Bongue. E ela é incrível! Chegamos em um dia que ela estava muito cheia, aquele dia perfeito para contemplarmos a força da natureza, infelizmente, não deu para dar um mergulho, mas valeu a pena pela beleza que vimos ali. Com cerca de 50 metros de altura, é um dos principais pontos turísticos de Serra dos Alves.

Cachoeira do Bongue
MAURO FERREIRA

Além das cachoeiras, os parques naturais de Serra dos Alves também são um grande atrativo e valem a pena conhecer. O Parque Natural Municipal do Alto Rio do Tanque, por exemplo, é daqueles lugares inesquecíveis que atrai turistas não só de Minas, mas de todo Brasil. Foi criado em 2008 e 95% das pessoas que fazem a gestão dele, através do Instituto Bromélia, são moradores da comunidade.

Com diversas cachoeiras, o parque esconde tesouros naturais que impressionam qualquer um que passe por ali.  Visitamos dois dos principais pontos de lá: a Cachoeira Dois Córregos e o Caniôn dos Marques, pra falar a verdade, não sei qual dos dois foi o meu preferido. Ambos são lindos e incríveis. Só mesmo fazendo este passeio para entender a grandeza de tudo ali. A caminhada é tranquila. Fomos em um dia que o sol forte intercalava com pancadas de chuva e tudo foi pura diversão.

Cachoeira Dois Córregos
MAURO FERREIRA

Muito mais do que uma atração turística, o Parque Alto Rio do Tanque é uma experiência que nos conecta de uma forma única com a natureza, o único ponto ruim é que, como tudo tem seu fim, tivemos que nos despedir do parque.

Terminamos o dia batendo papo com alguns moradores dali. A simplicidade, a generosidade e a hospitalidade fazem de Serra dos Alves um lugar mais especial ainda. E, ao som do Cabeça, nosso anfitrião nesse lugar tão especial, terminamos nosso passeio. 

Serra dos Alves é esse refúgio de tranquilidade, onde não existe espaço para a agitação do mundo, um lugar onde conseguimos nos desconectar das preocupações e somos convidados a relaxar e contemplar as belezas dessas nossas Minas tão gerais. Quer conhecer um pouquinho mais? Então assista o programa na íntegra aqui. 

FONTE R7

Em busca de um novo destino: como é a preparação para as nossas viagens

E, no nosso caminho, um mundo de descobertas nos esperando

Chegou a hora de guardar na bagagem as descobertas e lembranças desta terra chamada Vale do Jequitinhonha e partir em busca de uma nova aventura. Afinal, Minas é um mundo de encantos e destinos fascinantes. 

Nossas viagens sempre começam muitas semanas antes de, realmente, partirmos. Sempre traçamos uma rota onde poderemos passar por várias cidades. Pesquisamos lugares, histórias, personagens, gastronomia local e as belezas naturais da região.

É difícil escolher alguns poucos destinos porque, à medida que pesquisamos, novos caminhos vão surgindo, outras ideias e muitas descobertas. A gente começa a imaginar um por do sol em um lugar, as boas risadas que os entrevistados vão nos proporcionar, os gostos que vamos encontrar, e a gente percebe que todo lugar é um universo de histórias e descobertas em potencial, o importante é lembrarmos de manter nossos sentidos abertos ao novo porque é ali que as novas histórias aparecem.

Tomando um cafezinho na padaria ou batendo papo em um banco de praça já descobri diversas histórias que entraram para o Achamos em Minas. Lembro de uma vez que me hospedei em Paraisópolis. Assim que cheguei na pousada senti um cheirinho tão gostoso e procurando dali e daqui, descobri que a Jandira, proprietária da Pousada, faz um bolo tradicional na cidade, o famoso bolo de banana da Jandira.

Não nego que, algumas vezes, tudo dá errado: chove, o entrevistado não aparece, o bolo não cresce… mas, com o tempo, a gente aprende que o melhor é deixar a vida nos surpreender e os momentos difíceis podem se tornar histórias memoráveis.

Lembro de uma vez que fui em busca da cidade de Catas Altas da Noruega, peguei um ônibus e parei em Catas Altas. Eu não tinha ideia que Minas tinha duas cidades com nomes tão parecidos.

Mas essa confusão proporcionou grandes histórias para o Achamos, lá fiz um programa sobre a cidade e vários outros sobre personagens dali. Foi lindo demais! Ainda bem que não cheguei em Catas Altas da Noruega. Aliás, para quem quiser conhecer um pouco sobre Catas Altas, assista ao vídeo abaixo. É um daqueles lugares que ganha um pedaço especial no coração da gente.

E assim, o mundo está à nossa espera, repleto de possibilidades e surpresas, esperando que a gente embarque em uma nova aventura. 

FONTE R7

Minas investe no turismo religioso

Ideia é atrair visitantes para 700 cidades durante as cerimônias no período de 24 a 30 de março

Passada a folia do carnaval, com milhões de brasileiros se divertindo em Belo Horizonte e nas cidades do interior do estado, Minas Gerais abre as portas, agora, para as celebrações da Semana Santa (de 24 a 30 de março), período de procissões, ofícios em latim, missas solenes, encenações da Paixão de Cristo e ritos que remontam ao século 18. Na próxima segunda-feira (19/2), às 10h, com a presença do governador Romeu Zema, será apresentado o projeto turístico “Minas Santa 2024”, envolvendo cerca de 700 municípios mineiros.

Com o lançamento no alto da Serra da Piedade, em Caeté, na Grande BH, durante missa em ação de graças presidida pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, o projeto turístico tem parceria do governo de Minas com a Rede de Gestores Municipais de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (Iepha-MG), Associação Mineira dos Municípios (AMM), Federação dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais (Fecitur).

“A participação não será apenas das cidades históricas, mas de municípios de todo o estado. Vamos promover a Semana Santa como atrativo turístico, lembrando que há muitas cidades com bens reconhecidos como patrimônio imaterial, a exemplo do toque dos sinos de São João del-Rei (na Região do Campo das Vertentes)”, destaca o secretário de Estado de Cultura e Turismo (Secult), Leônidas Oliveira.

TURISMO DA FÉ


Leônidas explica que, no ano passado, não foi o carnaval o maior responsável pelo “boom” no turismo de Minas: “No mês de abril, quando ocorreu a Semana Santa, na primeira versão do Minas Santa, registramos um crescimento de 730% acima da média nacional, no setor turístico”. No programa, “os municípios apresentam as atividades referentes ao período e, então, oferecemos todo esse patrimônio, como ocorre na Europa, como atrativos. É o turismo da fé, e nós temos aqui a arte barroca, igrejas, imagens, enfim, um grande acervo”, diz o titular da Secult.

O presidente da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais, Angelo Oswaldo, prefeito de Ouro Preto, estará presente à reunião no alto da Serra da Piedade, onde há duas basílicas – uma delas, a ermida do século 18, a menor basílica do mundo, guarda a imagem da padroeira de Minas, Nossa Senhora da Piedade, atribuída a Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738-1814). A associação congrega 30 municípios, com quatro patrimônios culturais mundiais (Ouro Preto, Congonhas, Diamantina e a Pampulha, em BH) e mais de 50% de todo o patrimônio histórico tombado no Brasil.

TESOUROS DAS GERAIS

A reunião de segunda-feira, na Serra da Piedade, será excelente oportunidade para os prefeitos e gestores do setor cultural falarem sobre a programação da Semana Santa em seus municípios. Ouro Preto, na Região Central, e Santa Luzia, na Grande BH, ambas nascidas no Ciclo do Ouro, já estão distribuindo os folhetos com cada dia da Paixão de Cristo.

Em todas as regiões do estado, a Semana Santa traz ritos centenários. Em Baependi, no Sul, onde fica o Santuário de Nossa Senhora da Conceição da Beata Nhá Chica, a cerimônia está registrada como bem imaterial. As imagens e as igrejas são tombadas pelo município. Já em Perdões, no Centro-Oeste, a Semana Santa consiste em um dos maiores eventos de fé da região, podendo o turista acompanhar as procissões, ouvir o som das matracas e o Canto de Verônica.

FONTE ESTADO DE MINAS

Maria Fumaça é opção de passeio em cidade turística de Minas Gerais

Quem estiver aproveitando a semana de carnaval em Minas Gerais pode fazer uma viagem no tempo em um passeio de Maria Fumaça, considerada como a operação ferroviária mais antiga do Brasil, entre Tiradentes a São João del Rei.

A linha turística funciona todos os dias com o objetivo dos visitantes verem de perto um patrimônio histórico ferroviário bem preservado. Dá para fazer o trajeto pela manhã ou tarde, na ida ou na volta às duas cidades.

O percurso leva cerca de 45 minutos e passa por montes, rios, fazendas centenárias e estações com a arquitetura do século 19. As passagens custam R$ 86 o trecho (inteira) e podem ser compradas pela internet. Estudantes, crianças de 6 a 12 anos e adultos com mais 60 anos têm direito à meia-entrada.

Para complementar, durante o carnaval, os passageiros também podem visitar o Museu Ferroviário e a rotunda, famosa estrutura ferroviária utilizada para manutenção e armazenamento dos veículos ferroviários, localizados na Estação de São João del Rei.

São 12 km de percurso da antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM). Inaugurada em 1881 por Dom Pedro II, a ferrovia recebe a Maria Fumaça com capacidade para transportar até 250 passageiros.

Em feriados, férias e durante eventos especiais, a empresa VLI, responsável pela operação, oferece horários extras. A Maria Fumaça conta com um vagão adaptado para facilitar o acesso às pessoas que usam cadeira de rodas.

Maria Fumaça de Minas Gerais

Durante o passeio, os viajantes podem ver belas paisagens, como o rio das Mortes e a Serra de São José, área preservada conhecida como Serra de Tiradentes.

Segundo o leitor João Gonçalves, não há um sistema de climatização adequado nos vagões, por isso, é bom saber que o passeio pode ser quente nos dias de calor. Além disso, deu a dica para viajar de Tiradentes a São João del Rei sentado do lado direito, para ver melhor a bela Serra São José.

A estação de São João Del-Rei também encanta os visitantes com sua arquitetura dos anos de 1800 e pelo Museu Ferroviário, inaugurado em 1981, ano do centenário da Estrada de Ferro Oeste de Minas.

Foto: Eduardo Rocha/RR

O acervo do museu tem objetos da história da ferrovia no Brasil e na região, como a EFOM nº 1, a primeira locomotiva da ferrovia. Pela riqueza de materiais, o Complexo Ferroviário da Estrada de Ferro Oeste de Minas é um dos maiores do Brasil.

Mais informações estão no site da VLI.

FONTE MELHORES DESTINOS

Conheça as principais rotas turísticas MG

Salve, Motorista! Minas Gerais é um estado brasileiro conhecido por suas riquezas históricas, culturais e naturais. Além de ser reconhecido pela gastronomia única, também oferece uma variedade de rotas turísticas que encantam visitantes de todo o mundo que exploram as rotas turísticas de MG.

Com sua diversidade geográfica, que inclui montanhas, serras, cachoeiras e cidades históricas, Minas Gerais se destaca como um destino turístico completo. Neste artigo, vamos explorar algumas das principais rotas turísticas deste estado encantador.

Se você planeja uma viagem, aproveite este material e lembre-se de salvá-lo para consulta quando necessário. Tenha uma boa leitura!

Rota com principais cidades turísticas MG

Vamos começar com o básico. Se você, motorista, é um viajante que gosta de explorar o que existe de mais famoso e marcante nos lugares por onde passa, este resumo é para você. 

Ao percorrer as rotas que citaremos a seguir, você terá uma vivência autêntica de como é a cultura mineira e poderá apreciar muitas das belezas da região.

Seja para descobrir um pouco sobre a corrida do ouro, do café ou sobre queijos e sabores únicos, com certeza encontrará um planejamento que combina com o seu estilo, sempre respeitando as regras de segurança no trânsito:

  • Rota dos Diamantes:
    A história de Minas Gerais está intrinsecamente ligada à corrida do ouro e, posteriormente, à descoberta de diamantes. A Rota dos Diamantes percorre cidades como Diamantina, Serro e Milho Verde, revelando a arquitetura colonial preservada, igrejas barrocas e a atmosfera única dessas localidades que prosperaram durante o ciclo do ouro e diamantes.
  • Circuito do Ouro:
    Outro itinerário que destaca a herança histórica é o Circuito do Ouro, que inclui Ouro Preto, Mariana, Sabará e Congonhas. Essas cidades preservam o esplendor do período colonial, com igrejas e casarões que remetem ao auge da exploração mineral no Brasil. Ouro Preto, em especial, é um destaque com suas ladeiras de paralelepípedos e o famoso Museu da Inconfidência.
  • Caminho dos Diamantes:
    Para os amantes da natureza, o Caminho dos Diamantes oferece uma experiência única de ecoturismo. Percorrendo trilhas e cachoeiras, essa rota conecta cidades como Serro, Conceição do Mato Dentro e Alvorada de Minas, proporcionando aos viajantes paisagens deslumbrantes e a oportunidade de explorar a fauna e flora locais.
  • Circuito das Grutas:
    Minas Gerais abriga uma série de formações rochosas impressionantes, e o Circuito das Grutas é uma jornada fascinante por algumas delas. Destacam-se as Grutas do Maquiné e Rei do Mato, onde estalactites e estalagmites formam verdadeiras obras de arte subterrâneas, revelando a grandiosidade da geologia da região.
  • Rota dos Queijos e Sabores:
    A gastronomia mineira é famosa por suas delícias, e a Rota dos Queijos e Sabores proporciona aos visitantes uma experiência culinária inesquecível. Cidades como São Roque de Minas e Araxá são conhecidas por seus queijos artesanais, enquanto Tiradentes e Ouro Preto oferecem uma diversidade de pratos típicos que celebram a tradição culinária local.
  • Circuito das Águas:
    Para quem busca relaxamento e bem-estar, o Circuito das Águas é a escolha ideal. Com destaque para cidades como Caxambu e São Lourenço, essa rota oferece águas termais, balneários e parques naturais, proporcionando momentos de tranquilidade e revitalização.
  • Rota do Café Especial:
    Minas Gerais é também um importante produtor de café, e a Rota do Café Especial permite aos visitantes explorarem fazendas históricas, participarem de colheitas e degustarem cafés de alta qualidade, imersos nas belas paisagens das regiões produtoras.
Infográfico elaborado por Bruna Florentino | DOK

Rota turística Sabará MG

A rota turística em Sabará -MG, convida os visitantes a explorarem um cenário encantador repleto de história, arquitetura colonial e beleza natural. 

O centro histórico destaca-se pelas ruas de paralelepípedos, igrejas centenárias, como a Nossa Senhora do Carmo, e o Solar do Padre Correia, que abriga o Museu do Ouro. 

A Cachoeira do Brumado oferece um refúgio natural próximo à cidade. A Ponte do Sabará, construída no século XVIII, proporciona vistas impressionantes do Rio das Velhas. A cidade também é palco da tradicional Festa de Nossa Senhora do Ó em agosto.

A culinária local, com quitandas e pratos típicos mineiros, completa a experiência, tornando Sabará um destino que mescla charme colonial e autenticidade mineira.

Rota turísticas Carrancas MG

Carrancas- MG é um destino encantador conhecido por suas belas cachoeiras, grutas e paisagens naturais deslumbrantes. 

Os visitantes podem explorar uma variedade de trilhas ecológicas que levam a cachoeiras cristalinas, como a Cachoeira da Fumaça e da Zilda, além de se aventurarem em cavernas como a Caverna da Toca. 

A cidade também oferece oportunidades para atividades como rapel, tirolesa e banhos de rio, proporcionando uma experiência única em meio à natureza.

Rotas turísticas em Tiradentes MG

Tiradentes- MG é uma cidade histórica encantadora que preserva seu charme colonial em cada esquina.

Os visitantes podem explorar seu centro histórico bem preservado, com ruas de paralelepípedos, casarões coloridos e igrejas barrocas impressionantes, como a Matriz de Santo Antônio.

Além disso, a cidade oferece uma variedade de eventos culturais ao longo do ano, como o Festival de Cinema e o Festival de Gastronomia, proporcionando uma experiência cultural rica e diversificada.

Rotas turísticas Extrema MG

Extrema- MG é um destino turístico dinâmico que combina natureza exuberante com aventura e esportes radicais.

Os visitantes podem desfrutar de atividades ao ar livre, como trilhas em meio à Mata Atlântica, passeios de bicicleta pelas montanhas e rafting emocionante no Rio Jaguari.

Além disso, a cidade oferece uma infraestrutura completa para o turismo, com opções de hospedagem, restaurantes e serviços de apoio, tornando-a um destino popular para os amantes da natureza e dos esportes de aventura.

Mapas e rotas MG

A utilização do mapa de Minas Gerais para criar suas rotas é essencial para explorar eficientemente as diversas atrações do estado.

Entre as rotas populares, destaca-se a “Rota dos Diamantes”, que conecta cidades como Diamantina, Serro e Milho Verde, oferecendo uma imersão na história da mineração. 

Outra opção é o “Circuito do Ouro”, que abrange as seguintes cidades de Minas Gerais: Ouro Preto, Mariana e Congonhas, proporcionando uma experiência única em cidades históricas.

Para os amantes da natureza, a “Rota das Cachoeiras” em Carrancas destaca-se, oferecendo acesso a diversas quedas d’água deslumbrantes.

A “Rota dos Queijos e Sabores” explora a culinária em cidades como São Roque de Minas, conhecida por seus queijos artesanais.

A facilidade de navegação por essas rotas contribui para uma viagem memorável, permitindo aos viajantes explorar o melhor de Minas Gerais.

Conclusão

Motorista, agora que você conhece um pouco mais sobre as diversas rotas turísticas no mapa de MG, preparado para conhecer esse estado cheio de cultura, belas paisagens e gastronomia única?

Lembre-se de que, para uma jornada tranquila e segura, é fundamental estar com o IPVA e o licenciamento em dia! Se precisar regularizar débitos, conte com o DOK e parcele os débitos do seu veículo em até 12 vezes.

FONTE DESPACHANTE DOK

Descubra as belezas naturais de Capitólio (MG)!

Você já pensou em morar ou investir em Capitólio (MG)? Conheça a história desse local e descubra as suas principais belezas naturais!

A cidade de Capitólio, situada no estado de Minas Gerais (MG), é um verdadeiro oásis para os amantes da natureza. Esse é um destino ímpar para todos aqueles que buscam uma experiência única de turismo ecológico no Brasil. 

Dotado de uma geografia singular, Capitólio recebe o apelido carinhoso de “mar de Minas”. Afinal, ele apresenta uma diversidade impressionante de belezas naturais, como as águas cristalinas e os impressionantes cânions.

Que tal conhecer as belezas naturais de Capitólio? Continue a leitura e descubra a história dessa cidade e suas principais atrações!

Onde fica o Capitólio?

Capitólio está localizada no sudoeste do estado mineiro e abrange uma área de 521,802 km², fazendo divisa com os municípios de São João Batista do Glória, São Roque de Minas, Piumhi, Guapé e Alpinópolis. Além disso, a sua população é estimada em 10.380 habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A cidade se destaca como um dos principais destinos turísticos de Minas Gerais. Sua popularidade cresceu substancialmente devido às famosas cachoeiras e rios de águas cristalinas que a região oferece. 

No entanto, a atração principal é o famoso Cânion de Furnas. Ele é caracterizado pelas suas paredes de pedra parcialmente submersas pelas águas do Lago de Furnas, que é formado pela represa da Usina Hidrelétrica de Furnas, resultando em uma paisagem única e deslumbrante.

Qual é a história desse lugar?

Você descobriu dados sobre Capitólio, sendo interessante também conhecer a história dessa cidade. Ela começa no Ciclo do Ouro, por volta de 1800. Nessa época, houve o esgotamento das jazidas de ouro e de diamantes na região, o que levou à migração da população urbana para a agropecuária.

O local foi inicialmente explorado por portugueses. Os imigrantes fundaram fazendas prósperas devido à abundância de cursos d’água, fauna e flora. 

Já em 1830, os irmãos João Francisco, Manoel Francisco e Antônio Francisco se mudaram para a região, formando um povoado que se tornou conhecido como Arraial dos Franciscos ou dos Cabeças. Você pode reparar que no brasão de armas da cidade, os três Franciscos são homenageados devido à importância deles para a área. 

A prosperidade nas terras atraiu mais famílias e levou ao rápido desenvolvimento do território. Na época, foram doados terreno e recursos para a construção de uma capela, erguida entre 1895 e 1900 em homenagem a São Sebastião, o padroeiro da cidade. 

A partir desse momento, a localidade passou a ser chamada de Arraial de São Sebastião dos Franciscos. Então, em 1948, o Governador Milton Campos sancionou a Lei Estadual 336, criando o município de Capitólio. 

Vale destacar que a construção da Usina Hidrelétrica de Furnas desempenhou um papel fundamental na história da cidade. Dessa maneira, a Represa de Furnas transformou a paisagem, abrindo oportunidades econômicas na agricultura, transporte, turismo e outras atividades. 

Quais são as belezas naturais de Capitólio (MG)?

Ao entender a história de Capitólio, é possível imaginar como as belezas naturais da cidade se formaram, certo? Agora, é o momento de descobrir quais são as principais atrações da cidade que atrai tantos turistas.

Confira, a seguir!

Trilha do Sol 

A Trilha do Sol é uma atração imperdível para os amantes da natureza e aventureiros. Afinal, ela é conhecida por proporcionar uma experiência imersiva na exuberante vegetação da área, permitindo que os visitantes entrem em contato direto com o ambiente.

Ao longo da Trilha do Sol, é possível desfrutar de belas paisagens, atravessar riachos e se maravilhar com a rica biodiversidade que caracteriza a região. Além disso, a variedade de flora e fauna torna essa caminhada uma experiência única.

Uma das recompensas mais gratificantes no final da trilha é a vista panorâmica de Capitólio e do majestoso Lago de Furnas. Nesse cenário, a visão é espetacular e oferece a oportunidade perfeita para tirar fotos incríveis e apreciar a beleza natural da região.

No entanto, para aproveitar ao máximo a Trilha do Sol, é importante estar preparado. Os visitantes devem usar roupas e calçados adequados para caminhadas, levar água, protetor solar e repelente de insetos. 

Cachoeira Lagoa Azul 

A Cachoeira Lagoa Azul tem esse nome devido à incrível coloração azul-turquesa das águas que fluem dela, criando um cenário mágico. Ela é acessível por uma trilha leve, tornando-a adequada para visitantes de todas as idades. 

Vale reforçar que a Cachoeira Lagoa Azul é bonita durante todo o ano, mas atinge sua máxima beleza durante a estação chuvosa. Isso porque as suas águas estão mais volumosas, proporcionando um cenário ainda mais impressionante.

Além de apreciar a cachoeira, os visitantes podem desfrutar de momentos relaxantes nas proximidades, nadar nas águas cristalinas e até mesmo fazer piqueniques. Entretanto, preservar o ambiente é fundamental, portanto, quem passa pelo local é incentivado a recolher o lixo e evitar qualquer ação que possa prejudicar a natureza.

Canyon Cascata Eco Parque 

O Canyon Cascata Eco Parque é conhecido por proporcionar uma combinação emocionante de aventura e belezas naturais. A localidade é cercada por cânions imponentes, grandes formações rochosas e vegetação intensa. 

Dessa forma, os visitantes podem explorar os cânions, praticar rapel e seguir trilhas em um cenário incrível. Além das atividades de aventura, o parque abriga belas cachoeiras e piscinas naturais, nas quais é possível relaxar, nadar e aproveitar a natureza. 

O Canyon Cascata Eco Parque costuma estar aberto o ano todo, mas a experiência pode variar de acordo com a estação. Durante a época chuvosa, as cachoeiras e os cânions atingem seu auge de esplendor, oferecendo uma vista diferenciada.

Por fim, é importante saber que guias especializados frequentemente acompanham os visitantes para garantir uma experiência segura e enriquecedora.

Mirante dos Canyons 

O Mirante dos Canyons oferece vistas panorâmicas incríveis dos cânions e do Lago de Furnas. Assim, esse é um local privilegiado que proporciona uma perspectiva única das paisagens impressionantes que caracterizam a região.

Ao seu redor, existem imponentes formações rochosas, águas cristalinas e vegetação nativa. Dessa maneira, fotógrafos e amantes da natureza frequentemente escolhem o mirante como destino para capturar a beleza cênica da região.

O acesso ao Mirante dos Canyons costuma ser fácil, o que o permite receber visitantes de todas as idades. Por isso, ele é uma parada popular para aqueles que desejam admirar a vista sem a necessidade de realizar atividades físicas intensas.

Uma experiência particularmente memorável é observar o pôr do sol no local. Afinal, à medida que o sol se põe sobre o cenário pitoresco, o céu se transforma em uma explosão de cores, proporcionando um espetáculo visual inesquecível.

Para manter a beleza natural da área e garantir uma visita segura, siga as orientações fornecidas e respeite as regras do local, combinado?

Complexo Ecológico Cachoeira da Capivara 

O complexo ecológico é outro ponto que oferece uma variedade de experiências memoráveis. Nele, a grande atração é a Cachoeira da Capivara, que é uma queda que deságua em uma piscina natural, proporcionando um lugar perfeito para se refrescar.

Além disso, os visitantes têm a oportunidade de explorar trilhas na mata, nas quais podem observar a vida selvagem e desfrutar de momentos de tranquilidade. Já para os aventureiros, o local oferece atividades interessantes, como rapel, tirolesa e escaladas em formações rochosas.

Ademais, o Complexo Ecológico Cachoeira da Capivara disponibiliza uma infraestrutura que inclui áreas para piqueniques, banheiros e locais para descanso. Desse modo, ele garante um ambiente confortável para passar o dia.

Cachoeira Fecho da Serra 

A Cachoeira Fecho da Serra é apreciada por suas belezas naturais e seu ambiente sereno. Situada em meio a uma paisagem tranquila, cercada por vegetação e formações rochosas características da região, ela é um refúgio para aqueles que buscam escapar da agitação da vida urbana.

O acesso à Cachoeira Fecho da Serra é geralmente fácil, com trilhas curtas ou caminhadas leves. Portanto, os visitantes de idades variadas podem desfrutar da vista das águas cristalinas que fluem sobre as rochas e que criam um cenário que cativa os sentidos.

Na base da cachoeira, geralmente se forma uma piscina natural, convidando os turistas a nadar e se refrescar. Logo, esse é o local perfeito para relaxar e desfrutar das águas refrescantes, em meio a um ambiente natural intocado.

Como em todas as atrações naturais de Capitólio, é essencial que os visitantes respeitem o ambiente e sigam as diretrizes locais para preservar a beleza natural da região.

Orla da Prainha 

A orla da Prainha é um dos destinos mais encantadores à beira do Lago de Furnas. Por suas características, ela oferece uma experiência única para os visitantes que desejam desfrutar das águas calmas e cristalinas do lago. 

A Prainha, uma praia artificial, é conhecida por suas areias claras, criando o ambiente perfeito para nadar e aproveitar o sol. Dessa forma, além das atividades aquáticas, ela oferece uma variedade de comodidades para os visitantes, como áreas para piqueniques, churrasqueiras, quadras esportivas e parquinhos.

Ao redor da orla, é possível encontrar uma seleção de restaurantes e bares que servem pratos da culinária local. Assim, o local é perfeito para fazer uma refeição com vista para o lago, tornando a experiência gastronômica ainda mais especial.

Para os entusiastas dos esportes aquáticos, a orla da Prainha é o lugar ideal para se aventurar em atividades como stand-up paddle, caiaque e jet ski. Nesse caso, muitos visitantes optam por alugar equipamentos e explorar o lago de maneira divertida.

Vale destacar que a paisagem ao redor da orla chama a atenção, com colinas cobertas de vegetação e o lago se estendendo até onde a vista alcança. Ademais, o local é famoso pelo pôr do sol que pinta o céu com cores vibrantes sobre o Lago de Furnas.

Dessa maneira, a orla da Prainha é um lugar adequado para famílias, grupos de amigos e todos que buscam um dia de lazer à beira do lago.

Como é a gastronomia desse lugar?

Ao descobrir as principais belezas naturais de Capitólio (MG), é possível surgir o interesse pela gastronomia local, não é mesmo? Afinal, conhecer as comidas da região é uma forma de entender melhor a sua cultura.

Na prática, a gastronomia de Capitólio é uma celebração dos sabores autênticos da culinária mineira, com um toque nativo especial. Para começar, as trutas frescas são uma das estrelas, podendo ser preparadas de diversas maneiras, desde grelhadas a fritas — e sempre acompanhadas por molhos saborosos. 

Outros peixes de água doce, como tilápia e pacu, têm presença marcante nos cardápios e são frequentemente cozidos na brasa. Além disso, eles costumam ser servidos com arroz, feijão-tropeiro e couve, oferecendo uma experiência gastronômica típica da região.

Para quem não conhece, o feijão-tropeiro, uma tradicional especialidade mineira, é uma escolha clássica. Feito com feijão, farinha de mandioca, linguiça, ovos e temperos, ele é um acompanhamento que aguça o paladar.

O frango caipira é outra iguaria da culinária mineira que os visitantes não devem perder a oportunidade de provar. Com temperos tradicionais e cozido lentamente, esse prato oferece um sabor rico e autêntico.

Os queijos também têm um lugar especial nas mesas de Capitólio, como o queijo minas fresco e o queijo Canastra. Eles são opções que combinam perfeitamente com a culinária local.

Na hora da sobremesa, o doce de leite merece destaque, podendo ser apreciado puro, com queijo ou como parte de pratos doces. Mas vale ressaltar que a região ainda oferece uma rica seleção de bebidas, incluindo a famosa cachaça — considerada um destilado típico do Brasil. 

Então os visitantes podem degustá-la pura ou experimentar coquetéis locais, como a pinga com mel. Por fim, não deixe de explorar as barracas de comida de rua, nas quais é possível encontrar petiscos como pastéis, acarajés, tapiocas e churros.

Conclusão

Capitólio (MG) oferece um equilíbrio perfeito entre aventura e tranquilidade, natureza e cultura, tornando-se um destino que satisfaz os mais variados gostos. Por isso, ao visitar essa cidade, os viajantes têm a oportunidade de vivenciar o meio ambiente e a hospitalidade da região. Como você viu, Capitólio é um local que pode ser interessante tanto para morar quanto para investir.

FONTE PORTAL LOFT

Quer fugir da folia e se conectar com o divino e a natureza em Minas?

Anote a dica: Santuário do Caraça, na região Central, e São Thomé das Letras, na Serra da Mantiqueira, são lugares sagrados, místicos e, sobretudo, recantos de paz.

Visitar o Caraça é fazer uma viagem espiritual única. Localizado entre os municípios de Catas Altas e Santa Bárbara, na região Central de Minas Gerais, o santuário é um destino de paz que concilia o equilíbrio entre a natureza, história, a fé e os turistas que por lá passam e, claro, o lar para milhares de espécies da exuberante fauna e flora da mata atlântica.

Mas, o que fazer no Santuário do Caraça? Bem, a resposta é simples: tudo o que sua alma desejar! Se você quiser relaxar, o santuário oferece aquele momento único de não fazer nada, só contemplar a natureza ao redor e ouvir a sinfonia dos cantos dos pássaros, do vento e das cigarras. Já se você é apaixonado por natureza, poderá caminhar pelas trilhas ecológicas e admirar as belezas ao redor, que inclui diversas espécies de aves, borboletas e animais silvestres. Além de mergulhar em cachoeiras, piscinas naturais, rios e lagos. E se você é uma pessoa religiosa, poderá participar de missas, rezas e atividades religiosas na igreja do santuário.

Presença do imperador

 Dentro da primeira igreja neogótica do Brasil, o visitante poderá contemplar os belíssimos vitrais franceses, presente do imperador dom Pedro II
Dentro da primeira igreja neogótica do Brasil, o visitante poderá contemplar os belíssimos vitrais franceses, presente do imperador dom Pedro IIMarcos Michelin/EM

Famoso no Brasil e no mundo, o Santuário do Caraça tem um roteiro imperdível, com trilhas para os atrativos naturais, históricos e religiosos. Repleto de cultura e antiguidades históricas, o Centro Histórico do lugar conta com a bela igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, que tem celebrações diárias de missas onde é possível ver o primeiro órgão de tubos fabricado no Brasil.

Além disso, o Santuário conta uma extraordinária Santa Ceia, pintada pelo Mestre Ataíde, e belíssimos vitrais franceses, os quais foram presentes do próprio dom Pedro II – figura histórica que visitou a região em abril de 1881. Dentro das ruínas do colégio, que foi tomado pelo fogo em 1968, ficam o museu e a biblioteca, dois atrativos turísticos imperdíveis. Outro ponto de visitação são as catacumbas, onde estão sepultados párocos que atuaram no Santuário, desde 1774.


Fonte de conhecimento

Constantemente vistos no santuário, os lobos-guará encantam os visitantes
Constantemente vistos no santuário, os lobos-guará encantam os visitantesTiago Parreiras/Santuario do Caraça

O complexo é tombado como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e Estadual. O local foi escolhido como uma das Sete Maravilhas da Estrada Real. Conta com um amplo Conjunto Arquitetônico onde estão a primeira igreja de estilo neogótico do Brasil, o prédio do antigo Colégio (hoje Museu e Biblioteca), o hotel com 57 apartamentos e quartos, com capacidade para até 230 pessoas, e a Fazenda do Engenho, com 26 apartamentos. O Complexo do Caraça possui enorme diversidade de fauna e flora, com raridades de animais e plantas no meio ambiente. Na ampla diversidade de sua fauna, há 386 espécies de aves, 42 espécies de répteis, 12 espécies de peixes e 76 espécies de mamíferos.

Na ampla diversidade de sua fauna, há 386 espécies de aves
Na ampla diversidade de sua fauna, há 386 espécies de avesGladyston Rodrigues/EM

Onde se refrescar

De fácil acesso, a Cachoeira Cascatinha fica cerca de 2 quilômetros do santuário
De fácil acesso, a Cachoeira Cascatinha fica cerca de 2 quilômetros do santuárioAlvaro Duarte/EM


Para se ligar à natureza, a dica é: aproveite os banhos de cachoeiras e piscinas e, claro, as trilhas. A Cascatinha é o principal atrativo entre tantas cachoeiras do Caraça. De fácil acesso, o banho no local é imperdível – sua beleza é rara e suas águas relaxantes. Perto dela fica a Prainha, como o próprio nome já diz, um banco de finíssima areia, onde o Ribeirão Caraça passa tranquilamente.

Douglas Henrique, coordenador ambiental do Santuário do Caraça, lembra que o destino turístico está dentro de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN e por isso é dever de todos preservar a natureza: “temos diversas opções de passeios, tanto para quem deseja fazer uma trilha mais longa ou mesmo para quem busca apenas um modo de espantar a onda de calor. Mas para todos os visitantes, fica o nosso pedido para que cada pessoa que vier aqui, faça a sua parte e ajude a manter vivo o nosso pedacinho do paraíso”, convida.

Cascatinha


A Cascatinha é formada por quatro quedas d’água e quatro piscinas naturais, das quais duas são permitidas para banho. Localiza-se a 2 quilômetros do Santuário, por uma trilha de fácil acesso. Suas águas puras nascem acima das quedas, de onde vêm saltando pela encosta e pelas pedras. De acordo com Douglas Henrique, a Cascatinha é um dos locais mais procurados. “Isso se deve pela curta distância, pela facilidade de acesso e, claro, pela beleza de sua paisagem e pela atração de suas águas”, diz.

Prainha


Ela se encontra na mesma trilha da Cascatinha e, como o próprio nome já diz, é uma prainha de água doce, em que o Ribeirão Caraça passa tranquilamente, com suas margens embelezadas por finíssima areia. Caminho de fácil acesso, recomendado para todas as estações. Muito apropriado para crianças, desde que acompanhadas por seus responsáveis, pois as águas são muito rasas e tranquilas, além de ser muito próximo do Centro Histórico, não chegando a 1 km.

Banho do Belchior


O Banho do Belchior é uma corredeira de água, isto é, nem uma cachoeira nem um rio manso. A água cai como que cortando as rochas e fazendo várias piscinas naturais. Situa-se a 2 quilômetros do Centro Histórico. O caminho é de fácil acesso, plano e sem desníveis.

Cascatona


Para quem animar andar um pouco mais, há a opção da Cascatona, uma cachoeira de 80m. Uma trilha de 4,5 quilômetros por uma área de Mata Atlântica leva o visitante até o local, na sua grande extensão o visitante está protegido do sol. A trilha possui trechos íngremes, principalmente na volta ao Santuário, exigindo um esforço maior. Chegando até à Cascatona, o visitante pode ir até o Oratório, de onde se tem uma bela vista panorâmica. Para chegar a cachoeira, você descerá por uma secadora com 264 degraus para um banho ou um mergulho em suas águas geladas. Não é recomendado a visita a este atrativo no período das chuvas.

Taboões


Os Taboões estão a 3 quilômetros do Centro Histórico do Caraça. Pode-se ir de carro até certa altura da estrada asfaltada. A trilha tem uma bifurcação e ambos os caminhos levam ao local. O da direita leva a uma grande piscina natural. O da esquerda leva a corredeiras formadas por entre o leito rochoso do Ribeirão Caraça. Oferecem oportunidade de descanso e lazer, possibilidade de nadar e se banhar. Inclusive, uma pequena duna de areia fina ajuda a formar uma pequena praia em uma de suas margens.

Piscina


A Piscina do Caraça está num pequeno descampado, localizado a menos de 2 quilômetros do Centro Histórico. É rústica, sem ladrilhos, e com água corrente. Um local muito apropriado para o descanso, o lazer e a confraternização. Vai-se até lá pela estrada asfaltada, e é um dos poucos lugares do Caraça onde se pode ir de carro.

Banho do Imperador


O Banho do Imperador era o local onde, no tempo do Colégio, os meninos tomavam seu banho semanal. Quando da visita de Sua Majestade Dom Pedro II, o próprio Imperador, segundo o relato que fez em seu diário, ali tomou banho, deixando sua imperial assinatura no nome que até hoje este bosque cheio de encantos, cortado pelo Ribeirão Caraça, carrega.

Mais atrações

Gastronomia

 Com rica gastronomia, visitante vai se deliciar com o melhor da comida e quitutes mineiros
Com rica gastronomia, visitante vai se deliciar com o melhor da comida e quitutes mineirosAlexandre Guzanshe/EM


A gastronomia do Caraça é um ponto que merece atenção especial dos visitantes. O queijo minas artesanal, cujo processo de fabricação existe há mais de 200 anos, é uma das delícias mais procuradas no Santuário e é matéria prima de vários pratos da região em concursos e festivais gastronômicos. Além da experiência de comer no refeitório histórico, com toda a simplicidade e variedade de sabores da comida mineira, há uma adega no local onde dá para ver o processo de produção do vinho tinto, do hidromel e dos fermentados de laranja, jabuticaba e morango. Há também a padaria, que fabrica pães, bolos e biscoitos, e a doçaria, para doces, geleias e compotas.

Museu


O museu, montado a partir de mobiliário e artefatos diversos de uso diário, pertencentes ao próprio Caraça e com algumas peças remanescentes de séculos passados, constitui um interessante lugar de visitação, diariamente procurado pelos hóspedes e visitantes, através de percursos guiados pelos monitores.

Serviço

Santuário do Caraça

Local: Estrada do Caraça, Km 9 – Entre os municípios de Catas Altas e Santa Bárbara. Fácil acesso pelas rodovias BR 381 e MG 436, além do da possibilidade de ir por trem (Estação Dois Irmãos – Barão de Cocais)

www.santuariodocaraca.com.br

Instagram:

@santuariodocaraca

REFÚGIO MÍSTICO

Casa da Pirâmide, em São Thomé das Letras, é o local mais místico e procurado para avistar o pôr do Sol
Casa da Pirâmide, em São Thomé das Letras, é o local mais místico e procurado para avistar o pôr do SolTúlio Santos/EM

São Thomé das Letras é aquele lugar onde o misticismo se entrelaça com a natureza exuberante, convidando os visitantes a explorar não apenas suas belezas naturais, mas também as energias e histórias que permeiam suas ruas e montanhas. Para quem busca um carnaval longe do convencional, imerso em uma atmosfera mágica e renovadora, a vila mística se apresenta como o destino ideal.

Localizada na Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas Gerais, São Thomé das Letras tem pouco mais de 10 mil habitantes e atrai visitantes de todo o Brasil e do mundo por sua beleza natural..Durante o carnaval, a pequena cidade mineira oferece uma programação alternativa, com eventos culturais, apresentações musicais e atividades ligadas à espiritualidade, proporcionando aos visitantes a oportunidade de vivenciar uma celebração única, longe do fervor carnavalesco tradicional. A cidade atrai também artistas, músicos e praticantes de terapias alternativas, tornando-se um ponto de encontro para aqueles que buscam uma experiência enriquecedora e espiritual durante o período festivo.

A cidade é cercada por montanhas, cachoeiras e grutas, que formam um cenário deslumbrante. As pedras que compõem o relevo local são de origem vulcânica, o que confere à região uma energia especial, segundo os místicos. A história de São Thomé das Letras também é envolta em mistérios. Diz a lenda que o nome da cidade é uma homenagem a um ex-escravizado fugitivo, João Antão, que se refugiou em uma gruta no alto da montanha. Outras histórias populares contam que a cidade foi habitada por civilizações antigas, dotadas de conhecimentos mágicos e capazes de se comunicar com seres extraterrestres. Essas histórias criam um ambiente místico que cativa e fascina aqueles que a visitam.

 Com vista para cidade e o vale, turistas contemplam a paisagem no refúgio de paz
Com vista para cidade e o vale, turistas contemplam a paisagem no refúgio de pazJefferson da Fonseca Coutinho/EM

São Thomé das Letras é um destino popular para adeptos de religiões e filosofias esotéricas. É comum ver grupos de pessoas fazendo meditação, yoga ou outras práticas espirituais nas ruas e praças da cidade. Também é conhecida por seus relatos de aparições de óvnis. A cidade já foi palco de diversos avistamentos, que foram registrados por testemunhas e até mesmo por câmeras.

Roteiros turísticos:

 Recarregue as energias e sinta toda a magia da Cachoeira Vale das Borboletas
Recarregue as energias e sinta toda a magia da Cachoeira Vale das BorboletasMARDEN COUTO/TURISMO DE MINAS

Casa da Pirâmide: localizada no alto de uma montanha, a construção em pedra em forma de pirâmide é considerada um local de energia especial e o mais visitado da cidade

Gruta de São Thomé: uma das atrações mais famosas da cidade, a Gruta de São Thomé é um local de beleza impressionante, com formações rochosas surpreendentes e uma atmosfera mística que atrai visitantes em busca de contemplação e espiritualidade.

Pedra da Bruxa: O local oferece uma vista deslumbrante da região, além de ser associada a lendas e histórias místicas que despertam a curiosidade dos visitantes.

Cachoeiras:

São Thomé das Letras é cercada por belas cachoeiras, como a Cachoeira Véu da Noiva e a Antares, que convidam os visitantes a desfrutar de momentos de conexão com a natureza e renovação espiritual.

Como chegar

São Thomé das Letras fica a cerca de 350 quilômetros de Belo Horizonte, a capital de Minas Gerais. De carro, o acesso é pela BR-383. De ônibus, há linhas regulares que partem de Belo Horizonte, São Paulo e outras cidades. De avião, o aeroporto mais próximo é o de Varginha, que fica a cerca de 100 quilômetros de São Thomé das Letras.

Onde ficar

São Thomé das Letras oferece uma variedade de opções de hospedagem, desde pousadas simples até hotéis de luxo. A cidade também tem uma boa infraestrutura de restaurantes e bares.

Onde comer

A culinária de São Thomé das Letras é uma mistura de sabores de Minas. Entre os pratos típicos da região estão o frango com quiabo, o feijão tropeiro e o angu.

FONTE ESTADO DE MINAS

about

Be informed with the hottest news from all over the world! We monitor what is happenning every day and every minute. Read and enjoy our articles and news and explore this world with Powedris!

Instagram
© 2019 – Powedris. Made by Crocoblock.