‘Fora da Rota’: veja 5 destinos imperdíveis e não-convencionais para conhecer em Minas Gerais

Minas Gerais é um estado repleto de destinos incríveis, e cada um desses lugares oferece uma experiência única, desde aventuras ao ar livre até momentos de relaxamento e imersão na cultura local. No entanto, para além dos destinos tradicionais como Ouro Preto, Tiradentes e Monte Verde, o estado abriga locais menos conhecidos, mas tão encantadores quanto.

Veja abaixo uma seleção de lugares não-convencionais para boas férias:

1. Augusto de Lima

Localizada no Centro-norte de Minas, essa cidade traz possibilidades tranquilas. Com a chance de relaxar nas águas termais do lago mineral, os visitantes podem aproveitar para conhecer a rica história da região, marcada por construções antigas e tradições locais que encantam a todos.

O Coliseum Santa Bárbara é sem dúvida um dos principais atrativos históricos de Augusto de Lima — Foto: Reprodução
O Coliseum Santa Bárbara é sem dúvida um dos principais atrativos históricos de Augusto de Lima — Foto: Reprodução

O Coliseum Santa Bárbara é sem dúvida um dos principais atrativos históricos de Augusto de Lima, localizado na charmosa Vila de Santa Bárbara. A construção, datada do final do século 19, operou como a segunda fábrica têxtil do estado e, hoje em dia, é um verdadeiro ponto turístico que encanta os visitantes.

O Coliseum Santa Bárbara é sem dúvida um dos principais atrativos históricos de Augusto de Lima, localizado na charmosa Vila de Santa Bárbara. A construção, datada do final do século 19, operou como a segunda fábrica têxtil do estado e, hoje em dia, é um verdadeiro ponto turístico que encanta os visitantes.

Coliseum Santa Bárbara é sem dúvida um dos principais atrativos históricos de Augusto de Lima — Foto: Reprodução

Apesar de evidenciar as marcas do tempo em seu exterior, após um incêndio no último século, o local mantém sua imponência e atrai a curiosidade dos turistas. Muitos fotógrafos aproveitam esse cenário único para capturar imagens impressionantes, ou seja, é uma atração interessante para quem busca fotos incríveis para compartilhar nas redes sociais.

Vista aérea da Antiga Fábrica de Tecidos Santa Bárbara, em Augusto de Lima — Foto: Acervo Secult - Lucas Ramos Mendes
Vista aérea da Antiga Fábrica de Tecidos Santa Bárbara, em Augusto de Lima — Foto: Acervo Secult – Lucas Ramos Mendes

 

2. Araxá

Além de hospedar-se em um castelo e desfrutar das águas termais que fizeram da cidade de Araxá um famoso destino de bem-estar, os visitantes também podem explorar o Complexo do Barreiro, com suas formações rochosas impressionantes e trilhas deslumbrantes. A cidade fica a cerca de 362,9 quilômetros da capital Belo Horizonte.

Complexo do Barreiro, em Araxá (MG) — Foto: Reprodução
Complexo do Barreiro, em Araxá (MG) — Foto: Reprodução

Além de ser um local agradável, o Complexo adquiriu fama nacional pelo poder medicinal de suas águas e lama. É ideal para quem busca lazer, descanso, boas energias em meio a um cenário de tirar o fôlego com colinas e muita área verde. Além disso, o lugar é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA).

Em meados de 1944, o Complexo chegou a comportar um cassino e ganhou destaque durante o Governo Vargas pela promessa de ser “a maior e mais bela estância hidromineral do continente”.

Complexo do Barreiro, em Araxá (MG) — Foto: Reprodução

Dentre as principais atrações estão caminhadas e trilhas, passeios de bicicletas, a cavalo, charrete, pedalinho, banhos termais nas Thermas, visitações às fontes Dona Beja e Andrade Junior, comércio de artesanatos, doces e sabonetes.

  • Funcionamento: segunda a domingo, e feriados: 08:00 – 16:30.
  • Custo: R$ 15

 

3. Carrancas

Este pequeno município é conhecido como um tesouro de quedas d’água e piscinas naturais, ideal para um refúgio tranquilo. Considerada a 4° Maravilha do Estado e chamada também de ‘Terra das Cachoeiras’, Carrancas desenvolveu o ecoturismo como alternativa econômica com caminhadas, cachoeiras e paisagens relaxantes atraem turistas em busca de banhos refrescantes e contato com a natureza.

Considerada a 4° Maravilha do Estado e chamada também de 'Terra das Cachoeiras', Carrancas desenvolveu o ecoturismo como alternativa econômica com caminhadas, cachoeiras e paisagens relaxantes atraem turistas em busca de banhos refrescantes e contato com a natureza. — Foto: Acervo Setur-MG / Patrick Grosner
Considerada a 4° Maravilha do Estado e chamada também de ‘Terra das Cachoeiras’, Carrancas desenvolveu o ecoturismo como alternativa econômica com caminhadas, cachoeiras e paisagens relaxantes atraem turistas em busca de banhos refrescantes e contato com a natureza. — Foto: Acervo Setur-MG / Patrick Grosner

Além disso, os amantes da culinária local podem saborear pratos típicos mineiros em restaurantes acolhedores. Carrancas possui também um calendário cultural e folclórico interessante, com festas tradicionais incorporadas na cultura de seus moradores.

Uma das construções famosas da cidade é a Igreja Matriz de Carrancas, que data da primeira metade do século XVIII e fica na Praça Manoel Moreira, palco das principais celebrações que envolvem a comunidade, como a festa de Nossa Senhora da Conceição, no dia 8 de dezembro.

Igreja Matriz de Carrancas — Foto: Reprodução
Igreja Matriz de Carrancas — Foto: Reprodução

A construção é toda em quartzito, formada por blocos de até uma tonelada. Tem a pintura do teto do altar também atribuída a Joaquim José da Natividade, discípulo de Aleijadinho, e os retábulos do altar principal têm pinturas a ouro, além de entalhes em madeira.

  • Funcionamento: segunda a domingo, e feriados: 08:00 – 18:00.
  • Custo: Grátis

4. Extrema

Localizada no Sul de Minas Gerais, junto à Serra da Mantiqueira, às margens da Rodovia Fernão Dias, essa cidade transforma incorpora a prosa e a hospitalidade como parte do cotidiano. Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais, como o rafting e o paraglider.

Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução
Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução

O percurso é pela descida em corredeiras do Rio Jaguari em um bote inflável, com um condutor de rafting na coordenação da aventura. O passeio leva aproximadamente 4 horas totais, sendo 2 horas dentro do rio, e o resto do tempo dividido entre instruções, equipagem e transporte ida e volta do local.

  • Idade mínima: 7 anos, com responsável.
  • Vestuário adequado: Tênis fechado para a prática da atividade.
  • Horários: Saídas às 08h00 e às 13h00, com agendamento prévio.

De acordo com o portal oficial da cidade, o turista pode encontrar “adrenalina para melhorar o ânimo e, ao mesmo, tempo paz orquestrada pelo silêncio das montanhas e o canto das águas da floresta para reposicionar o espirito.”

Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução
Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução

Realizado no Pico do Lobo Guará de uma rampa natural com altitude de acordo nível de 1475 metros e com permanência no ar de 15 a 20 minutos no ar, a depender do clima.

  • Custo: cerca de R$ 300 reais por pessoa.
  • Com agendamento prévio, pois é necessário saber as condições climáticas do dia escolhido e o melhor horário para a decolagem.

Na divisa com São Paulo, a cidade também oferece festivais culturais e eventos que celebram a rica diversidade artística e gastronômica da região.

Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução
Além da beleza natural e dos cenários verdes, Extrema é uma excelente opção para quem busca esportes radicais — Foto: Reprodução

5. Sete Lagoas

Como o próprio nome informa, a cidade comporta sete diferentes lagoas. A principal delas, Lagoa Paulino, fica bem no centro.

Sete Lagoas, como o próprio nome informa, a cidade comporta sete diferentes lagoas. A principal delas, Lagoa Paulino, fica bem no centro. — Foto: Reprodução
Sete Lagoas, como o próprio nome informa, a cidade comporta sete diferentes lagoas. A principal delas, Lagoa Paulino, fica bem no centro. — Foto: Reprodução

No entanto, para além desses espaços, a Serra de Santa Helena, o Cruzeiro e o Parque da Cascata, localizado em uma área de 295 hectares de mata nativa com reserva de fauna e flora, entremeada de trilhas e com um lago cercado por uma praia artificial e por mata virgem, também transformam esse município em um atrativo turístico interessante.

Sete Lagoas Como o próprio nome informa, a cidade comporta sete diferentes lagoas. A principal delas, Lagoa Paulino, fica bem no centro. — Foto: Cesare Tona
Sete Lagoas Como o próprio nome informa, a cidade comporta sete diferentes lagoas. A principal delas, Lagoa Paulino, fica bem no centro. — Foto: Cesare Tona

Os visitantes também podem aproveitar para conhecer o patrimônio histórico-cultural local, presente em construções antigas e monumentos que contam a história da região.

A cidade de Sete Lagoas ainda integra a Rota das Grutas de Peter Lund, com a Gruta Rei do Mato, atrativo que possui formações de estalagmite e estalactite raras em todo o mundo e pinturas rupestres feitas há mais de 6 mil anos — Foto: Reprodução
A cidade de Sete Lagoas ainda integra a Rota das Grutas de Peter Lund, com a Gruta Rei do Mato, atrativo que possui formações de estalagmite e estalactite raras em todo o mundo e pinturas rupestres feitas há mais de 6 mil anos — Foto: Reprodução

A cidade de Sete Lagoas ainda integra a Rota das Grutas de Peter Lund, com a Gruta Rei do Mato, atrativo que possui formações de estalagmite e estalactite raras em todo o mundo e pinturas rupestres feitas há mais de 6 mil anos.

FONTE O GLOBO

5 trens que foram preservados e restaurados para oferecer passeios turísticos

Além de proporcionar momentos de lazer, preservação garante resgate cultural e disseminação da história ferroviária do Brasil

No Brasil, existem dezenas de trens que passaram por restauro para oferecer passeios turísticos à população. Assim, além de proporcionar momentos de lazer, a preservação garante um resgate cultural e histórico, ressaltando a importância da ferrovia para o desenvolvimento do país.

Alguns destes trabalhos foram fruto de parceria com a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF). A entidade civil é sem fins lucrativos e de cunho histórico, cultural e educativo.

Confira 5 trens que passaram por restauro e hoje oferecem passeios turísticos para a população no Brasil:

Expresso Turístico da CPTM – São Paulo

Em 2009, a CPTM colocou em atividade o Expresso Turístico, com passeios de trem que partem da Estação Luz, no centro de São Paulo, com destino a Jundiaí, Mogi das Cruzes e Paranapiacaba.

De acordo com a CPTM, o passeio do Expresso Turístico ocorre em uma locomotiva a diesel, modelo ALCO RS-3 de 1952, que conduz carros de passageiros, de aço inoxidável, fabricados no Brasil pela BUDD – MAFERSA nos anos 60 e que foram cedidos pela ABPF. Durante a viagem, o turista aprecia a paisagem e conhece um pouco da história.

Trem das Águas – São Lourenço – Minas Gerais

O Trem das Águas permite conhecer uma antiga ferrovia projetada e construída pelos ingleses da Minas & Rio Railway há 115 anos. No local, o então Visconde de Mauá efetuou uma de suas últimas contribuições às ferrovias brasileiras.

De acordo com a ABPF, é possível conhecer o caminho de ferro que D. Pedro II percorreu com toda sua comitiva imperial, quando buscavam o ameno clima mineiro e a salubridade das águas da região.

Além disso, é possível ouvir os melodiosos apitos e o poético badalar do sino de uma autêntica “Maria-Fumaça” (locomotiva a vapor). O passeio também permite conhecer a histórica estação ferroviária de São Lourenço, totalmente restaurada.

Estrada de Ferro Santa Catarina – Apiúna

passeio é no trecho reimplantado do antigo leito da extinta EFSC, que funcionou de 1909 a 1971. Segundo a ABPF, a ferrovia teve sua construção iniciada com capital e tecnologia alemã, vindo a ser a única no Brasil construída pelos alemães. Quem embarca no passeio fica a bordo de um trem tracionado por uma autêntica locomotiva a vapor de 1920, fabricada nos Estados Unidos.

O trajeto conta com um túnel de 70 metros de extensão, uma ponte em arco romântico, bueiros, além de uma passagem superior. Os turistas também podem ver as belezas naturais da região como a mata atlântica, paredões de pedra e as corredeiras do Rio Itajaí Açu. No trecho final do passeio, é possível conhecer a Usina Hidrelétrica de Salto Pilão.

Trem dos Imigrantes – São Paulo

Em uma composição movida por uma locomotiva a vapor, uma autêntica Maria-Fumaça, o passeio passa por um trecho que pertencia ao Ramal Ferroviário dos Imigrantes. Portanto, sai da estação do Memorial, indo até a Rua da Mooca e, na volta, até a entrada da Estação do Brás, retornando ao ponto inicial, em um trajeto de aproximadamente 3 km.

A experiência é uma realização da ABPF Regional São Paulo, por meio do Núcleo Histórico dos Transportes. Do passeio, é possível avistar o maior acervo de material ferroviário de bitola de 1,60 m do Brasil.

Para os amantes de ferrovia, a diversão é garantida, com destaque para as locomotivas elétricas tipo V-8 e tipo Box, da Companhia Paulista.  Além disso, estão entre os destaques os carros de madeira (vagões que transportam passageiros) da antiga São Paulo Railway e de aço inox da antiga Estrada de Ferro Araraquarense, todos recuperados na Oficina de Restauração da ABPF Regional São Paulo.

Viação Férrea Campinas Jaguariúna – Campinas / Jaguariúna

Operando regularmente desde 1984, esta é a primeira ferrovia histórica da ABPF e do Brasil. Com início na estação de Anhumas em Campinas, a linha da antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro segue por 24 km de extensão até Jaguariúna.

Neste caso, a Maria-Fumaça viaja a uma velocidade média de 20 km/h. Assim, é possível apreciar uma verdadeira viagem no tempo para o século XIX. Ao longo da linha surgem paisagens das antigas fazendas de café. Em cerca de uma hora e 30 minutos, chega-se à chega-se a Jaguariúna, onde é possível observar a mudança de relevo para montanhoso devido a proximidade com o Circuito das Águas paulista formado por cidades como Serra Negra e Amparo.

 

FONTE MOBILIDADE ESTADÃO

Sete cidades turísticas em Minas com nome de mulher; veja se conhece alguma

No Dia Internacional da Mulher, selecionamos destinos que foram batizados com nome de personagens históricas e desconhecidas

O Dia Internacional da Mulher, celebrado nesta sexta-feira (dia 8 de março), é uma ótima oportunidade para celebrar as conquistas das mulheres em diversos campos, destacar a igualdade de gênero e promover os direitos femininos. Mas a maioria das mulheres reconhece que ainda há muitas batalhas e desafios pela frente. Na Câmara dos Deputados, das 513 vagas, apenas 91 são ocupadas por mulheres. Na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, dos 77 deputados, 15 apenas são do sexo feminino. A desvantagem não é só um privilégio do mundo político. Na geografia, Minas Gerais tem 853 municípios e muito poucos batizados com nome de mulher. Em parte, isso é culpa da cultura machista empregada nos últimos séculos – quase 90 municípios do Estado têm nome masculino. Selecionamos nesta matéria sete destinos turísticas de Minas Gerais que prestam essa homenagem a personagens femininas históricas e até desconhecidas. Veja se conhece alguma delas.

Albertina

A Paróquia do Senhor Bom Jesus, dem Albertina

A cidade é famosa pela natureza e pela produção cafeeira. Entre os atrativos turísticos, estão o Cristo Redentor, a igreja Matriz do Senhor Bom Jesus, o lago municipal e a cachoeira da saudade. Localizada próxima a Jacutinga, no sul de Minas, Albertina faz parte do Circuito Turístico das Malhas do Sul de Minas. A Albertina do nome da cidade era uma moça de extrema beleza, que residia na zona rural. De tal modo ficou conhecida, que quando alguém ia àquela região dizia “vou para Albertina”.

Cristina

Vista de Cristina, com a Paróquia do Divino Espírito Santo ao fundo

A cidade do Circuito Caminhos da Mantiqueira é conhecida pela tradição dos cafés especiais, pela tradição musical das bandas de música, pelos casarões históricos preservados, pela religiosidade (Rota das Capelas e Caminho da Agonia) e pelas paisagens surpreendentes. Conhecida como “cidade Imperatriz”, Cristina é uma homenagem à imperatriz Teresa Cristina, mãe da princesa Isabel. A filha de Dom Pedro II teria visitado a região em 1868 com o marido, o Conde D’Eu. Outros destaques são o Museu do Trem e o Festival Café com Música, no feriado de Corpus Christi, em junho.

Heliodora

Vista aérea de Heliodora, no Circuito Turístico das Águas

Parte do Circuito das Águas, a cidade tem cachoeiras (do Altair, do Pedrão e da Floresta), cavernas (do Pedrão e Cucurutu) e belas paisagens (a Pedra do Ovo é cartão-postal e mirante) que podem ser exploradas por trilhas. Outra dica é visitar a igreja de Santa Isabel 1900/1910) e os alambiques da região. Fundada em 1948, o antigo distrito de Santa Isabel passou a denominar-se Heliodora a partir de 1923, uma homenagem à heroína da conjuração mineira, Bárbara Heliodora.

Januária

Januária, às margens do rio São Francisco, no norte de Minas

O destino do norte de Minas atrai visitantes pelas praias fluviais, pelas cachoeiras, como a do Rio Pandeiros, pelos mirantes para contemplar o pôr do sol, pelas trilhas ecológicas e pelo belo casario colonial preservado. Às margens do rio São Francisco, a cidade é a porta de entrada para o Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, um dos sítios arqueológicos mais importantes do país. No distrito de Brejo do Amparo acontece um dos mais belos festejos da Cavalhada em Minas. Umas das versões para a origem do nome do município seria uma homenagem à princesa Januária, irmã do imperador Dom Pedro II e à escrava Januária, que teria fugido do cativeiro e ali teria se instalado.

Leopoldina

A Catedral de São Sebastião, em Leopoldina

O nome do município é uma homenagem à princesa Leopoldina, segunda filha do imperador Dom Pedro II e da imperatriz Teresa Cristina. A cidade conta com atrativos culturais (Festa do Rosário), naturais (cachoeiras do Escorrega e Poeira d’Água) e arquitetônicos, como a Catedral de São Sebastião, o Museu Espaço dos Anjos, a Fazenda Vista Alegre, a estação ferroviária e o Morro do Cruzeiro.

Mariana

A praça Minas Gerais, em Mariana, com as igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora do Carmo

Foi na cidade que todo esplendor colonial mineiro nasceu. Primeira vila e capital de Minas Gerais, Mariana é história pura a cada esquina. Vizinha de Ouro Preto, a cidade foi elevada à categoria de cidade em 1745. O nome é uma homenagem à rainha Maria Ana de Áustria, esposa de Dom João V. Entre os principais atrativos estão a praça Minas Gerais, com as igrejas de São Francisco de Assis e de Nossa Senhora do Carmo, a Basílica de São Pedro dos Clérigos, a Catedral Basílica da Sé, a Casa dos Artistas Mestre Ataíde, o Museu da Música, a Mina da Passagem, o Museu Arquidiocesano e Arte Sacra e a cachoeira do Brumado. Uma dica é o passeio de Maria-Fumaça, o Trem da Vale, entre Ouro Preto e Mariana.

Maria da Fé

Maria da Fé à noite, a terra das oliveiras

Conhecida como a cidade mais fria de Minas Gerais, Maria da Fé, a 1.200 metros de altitude, na serra da Mantiqueira, é famosa pelas plantações de oliveiras e pela produção de azeite. O visitante pode visitar as fazendas, conhecer o processo de produção e degustar azeites. Entre os atrativos, ainda estão a igreja Matriz de Nossa Senhora de Lourdes, a estação de trem com a Maria-Fumaça, o artesanato da oficina Gente de Fibra, com peças produzidas com fibras de bananeira, e a trilha para o pico da Bandeira, a 1.683 m de altitude. O nome da cidade é uma homenagem à Dona Maria da Fé, uma das pessoas mais influentes e importantes da região.

FONTE: O TEMPO

10 lugares fora do óbvio para viajar em Minas Gerais

Muita natureza, cenários charmosos e pratos de dar água na boca: selecionamos locais ainda pouco explorados para você viajar em MG e aproveitar um fim de semana perfeito!

“Minas são muitas”, já dizia o escritor João Guimarães Rosa. E como ele tinha razão: o estado tem de tudo! Comida boa e farta, arquitetura colonial, artesanato, religiosidade, águas termais, parques com trilhas e cachoeiras, grutas, esportes radicais… E um tanto de “outros trem”, até o trem de ferro!

Com tanta coisa para explorar, a gente preparou essa lista com dicas de lugares para viajar em Minas Gerais que vão além dos destinos mais turísticos. Para quem já vive no estado, é uma chance de descobrir novos caminhos; para os visitantes, é a oportunidade de conhecer mais o estado e se apaixonar pelo povo mineiro, que conquista os visitantes com um jeitinho todo especial.

Na lista abaixo, você confere oito destinos ideais para viagens curtinhas mesmo, de fim de semana ou feriado, além de duas hospedagens tão incríveis que, por si só, já valem a viagem! Os lugares são bucólicos, cheios de natureza e cantinhos perfeitos para quem quer deixar a pressa do dia a dia de lado.

Então, partiu desvendar esses lugares para viajar em Minas? Ah, não se esqueça de deixar espaço na mala para os muitos doces, queijos e cachaças que você comprará durante a viagem!

1. Faça trilhas e conheça belas cachoeiras em Ibitipoca

Conceição do Ibitipoca é um distrito do município de Lima Duarte e fica na Zona da Mata mineira. Para chegar lá, você precisa encarar 27 km de estrada de terra, praticamente um túnel do tempo que leva a outra época: o lugarejo conserva ruas de paralelepípedos, charmosas casinhas coloridas e a instagramável Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, do século 18.

O destino é excelente para quem gosta de natureza. O Parque Estadual do Ibitipoca, um dos mais visitados do Brasil, apresenta belas trilhas e cachoeiras. Dá para explorar o parque seguindo três roteiros: a Janela do Céu, com 16 km, o Pico do Pião, com 11 km e o Circuito das Águas, com 5 km — todos repletos de paisagens de tirar o fôlego, com direito a rios, lagos, grutas, picos, pontes e mirantes!

Entre uma aventura e outra, você pode curtir o delicioso clima ameno da serra em bares e restaurantes que servem pratos típicos da culinária mineira, como o apetitoso pão de canela. Uma delícia sentir o cheirinho doce pelas ruas da cidade!

Nossa dica de onde ficar em Ibitipoca:

Serra do Ibitipoca Hotel de Lazer tem chalés bem românticos, distribuídos por uma área de reserva ambiental. As aconchegantes acomodações contam com lareira, cafeteira e varanda. Algumas, de categoria superior, ainda trazem rede e churrasqueira ou banheira de hidromassagem.

O hotel tem uma estrutura de lazer completa, com piscina aquecida, sauna, ofurô bem em frente ao lago, playground, quadra, salão de jogos, trilhas e até arvorismo. O restaurante, aberto até o jantar, oferece delícias da culinária italiana e uma selecionada cartas de vinhos.

Além da excelente infraestrutura, outro destaque da hospedagem é a localização: o hotel fica a apenas alguns metros da entrada do Parque Estadual do Ibitipoca. Nada mal, não é mesmo?

2. Descubra as belezas e os sabores da Serra da Canastra

São Roque de Minas é famosa pela produção do autêntico queijo canastra, com fazendas que recebem os turistas para conhecer o processo de produção e experimentar essa iguaria. As fazendas Capão Grande, onde o Carlos Henrique e a Solange recebem os visitantes, e a Agroserra, que produz queijos imensos, são algumas das mais famosas.

A cidade também é a porta de entrada para quem quer conhecer o Parque Nacional da Serra da Canastra, uma área verde de 200 mil hectares. As muitas trilhas e os paredões de rochas são enormes atrativos para quem gosta de se aventurar em meio à natureza ou só apreciar tantas belezas naturais que se estendem por seis municípios da região.

A portaria principal do parque fica em São Roque de Minas. Entrando por lá, é possível conhecer a nascente do Rio São Francisco e a parte alta da belíssima cachoeira Casca D’Anta. A 50 km dali fica Vargem Bonita, onde está a portaria 4 do parque, que dá acesso à parte baixa da Casca D’Anta.

Nossa dica de onde ficar em São Roque de Minas:

O queijo canastra e um cafezinho nunca faltam no Chapadão da Canastra. A gastronomia é um dos diferenciais do hotel, que oferece aos hóspedes um café da manhã caprichado, com delícias locais de dar água na boca! A localização é outro grande destaque: a hospedagem mescla o rural e o urbano, já que fica no centro da cidade, mas também às margens do Rio do Peixe e ao lado do Parque Nacional da Serra da Canastra.

A área de lazer conta com piscina, hidromassagem e salão de jogos, e os apartamentos trazem uma agradável varanda com vista para a cidade ou para a serra, para você poder relaxar apreciando uma bela paisagem.

3. Encante-se com as quedas d’água de Carrancas

Famosa pelo grande número de cachoeiras, Carrancas é uma cidade localizada no sul de Minas Gerais. São inúmeras as atrações turísticas, com opções tanto para quem busca aventura, quanto tranquilidade. As paisagens encantadoras já serviram até de cenários para as gravações de diversas novelas!

O complexo da Zilda é o point da cidade, com três cachoeiras e um divertido escorregador natural. Outras quedas d’água imperdíveis para um banho gelado são a da Esmeralda e a do Tira-Prosa. A cachoeira da Fumaça, o cartão-postal do município, é imprópria para banho, mas compõe um cenário de encher os olhos.

Falando em vistas de babar, não deixe de ir até a Chapada dos Perdizes, ponto mais alto da cidade, com vista para as serras das Broas, Moleque e Abanador. Dê uma paradinha também no centro do município para conhecer a Igreja Nossa Senhora da Conceição de Carrancas, toda feita de quartzito, construída ainda no século 18.

Nossa dica de onde ficar em Carrancas:

Pousada Além das Formas fica em uma linda área verde, com vista para toda a cidade. Ali, a ideia é manter a harmonia com a natureza: a propriedade tem duas cachoeiras e uma gruta, além de um pomar com grande variedade de frutas e uma horta orgânica.

As delícias caseiras são servidas no apetitoso café da manhã, que inclui opções saudáveis. Os produtos oferecidos aos hóspedes também são veganos e orgânicos. Os viajantes se acomodam em chalés com varanda e há suítes maiores, que acomodam até quatro pessoas, perfeitas para viagens em família!

4. Viva muitas aventuras a dois em Gonçalves

Localizada na Serra da Mantiqueira, Gonçalves ainda está se despontando como destino turístico em Minas Gerais. A cidade conserva o ar interiorano, mas com uma pegada descolada, cheia de pousadas convidativas para viagens a dois, oportunidades para o turismo de aventura e uma gastronomia de dar água na boca.

Há desde restaurantes simples e encantadores, com comida caseira servida no fogão a lenha, até locais refinados, com menu completo e carta de vinhos, passando por lojinhas charmosas que vendem produtos artesanais. Uma delas é A Senhora das Especiarias, uma ótima chance de levar deliciosas geleias para casa. Ah, e todo sábado de manhã tem feirinha de produtos orgânicos na cidade!

Já os belos bosques de araucárias em Gonçalves proporcionam boas atividades de ecoturismo. Dois quilômetros de trilha levam até a Pedra do Forno, que é o ponto mais alto da região, com 1.970 metros de altitude e uma vista impressionante. Também dá para se refrescar em cachoeiras, fazer boia-cross no Rio Capivari, passear de 4×4 e até mesmo voar de paraglider!

Nossa dica de onde ficar em Gonçalves:

Cercados pela Mata Atlântica, os aconchegantes chalés da Pousada Passaredo são perfeitos para repor as energias depois de um dia cheio de atividades. As acomodações apresentam varanda com rede e lareira pra os dias mais frios — que combinam muito bem com uma boa taça de vinho. Alguns dos chalés ainda têm vista para o riacho que passa pelo terreno.

Os hóspedes aproveitam a piscina ao ar livre, sauna e trilhas pelos arredores. No restaurante da pousada, dá para saborear pratos preparados com frutas colhidas no pomar e outros ingredientes saídos diretamente da horta orgânica da propriedade.

5. Visite a capital mineira do ecoturismo

Conceição do Mato Dentro fica na Estrada Real e, não por acaso, é considerada a capital mineira do ecoturismo, já que são muitas belezas naturais. O destaque vai para a Cachoeira do Tabuleiro, com 273 metros de queda d’água que a consagram como a mais alta cachoeira de Minas Gerais e a terceira mais alta de todo o Brasil.

São apenas dois quilômetros de trilha, mas a ida até a cachoeira leva cerca de duas horas e, a volta, duas horas e meia. O trajeto é bem íngreme, mas conta com escadas e corrimões que facilitam o acesso. Uma curiosidade: a Cachoeira do Tabuleiro também é conhecida como “cachoeira do coração”, por causa do formato do paredão por onde caem as águas. Romântico!

O centro histórico de Conceição do Mato Dentro também vale a visita, com construções coloniais preservadas, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos e a Cadeia Antiga. Outro passeio imperdível é visitar a Fazenda Córrego Taboão, onde a Nicinha comanda a produção dos queijos: Minas padrão, curado, com fungo ou em trancinhas — um mais gostoso que o outro!

Nossa dica de onde ficar em Conceição do Mato Dentro:

Tabuleiro Eco Hostel é ideal para quem viaja em busca de fazer novos amigos, já que oferece espaço de convivência com bar e restaurante, área de camping e quartos compartilhados. Mas se você preferir, também dá para ter mais privacidade e ficar em uma suíte tradicional.

Em qualquer uma das acomodações você ficará bem perto da natureza, aproveitando o cenário paradisíaco e o ar puro da região e deixando as preocupações do cotidiano lá longe. Que tal?

6. Explore a gastronomia e os museus de Juiz de Fora

A gastronomia de Juiz de Fora é de lamber os beiços. São bares, restaurantes, cervejarias e cafeterias de fazer inveja em muitas outras cidades. Eu poderia citar dezenas de estabelecimentos aqui, mas vou indicar apenas três que, para mim, já valem a viagem inteira.

O Mr. Tugas tem uma das melhores pizzas que já comi na vida, além de ser também uma cervejaria artesanal com diversas opções. Já o Rellicário Brigaderia faz os brigadeiros mais sensacionais do planeta, são de enlouquecer qualquer amante de doces. E o Bar do Bigode tem o torresmo mais famoso do Brasil!

Juiz de Fora também é uma cidade com 170 anos de história. Quem gosta de visitar museus vai adorar conhecer o Mariano Procópio, com um acervo tão incrível quanto os lindos jardins que o rodeiam, o Memorial da República Presidente Itamar Franco e o belíssimo Museu do Crédito Real.

Um passeio a pé pela Rua Halfed, a principal da cidade, cheia de galerias e prédios históricos, nos transporta diretamente aos tempos do Brasil Império. Destaque para o tradicional e elegante Cine-Theatro Central, que recebe shows e espetáculos até hoje.

Nossa dica de onde ficar em Juiz de Fora:

Trade Hotel é sinônimo de conveniência e praticidade para os hóspedes. Começando pela localização, exatamente ao lado do Independência Shopping, em uma região movimentada da cidade, cheia de lojas e restaurantes.

Os apartamentos são amplos e confortáveis, e a estrutura do hotel inclui uma bela piscina ao ar livre na cobertura, de onde dá para ver a cidade inteira, além de sauna, espaço fitness, parquinho e espaço de eventos de até duas mil pessoas, onde acontece o badalado réveillon da cidade! Ah, uma dica: não saia de lá sem provar a suculenta costela assada em fogo de chão do Costelaria do Zé, restaurante da hospedagem.

7. Visite uma encantadora gruta em Sete Lagoas

A Gruta Rei do Mato é o principal atrativo de Sete Lagoas, município no centro de Minas Gerais que cresce graças à atividade industrial e ao turismo. A gruta encanta os visitantes com seus quatro salões – no Salão dos Castelos, o principal, estalagmites impressionantes quase alcançam o teto, criando um cenário incrível! O passeio é divertido também para as crianças a partir dos seis anos de idade, já que há passarelas e escadas que facilitam a caminhada entre os ambientes, além da iluminação que ressalta a beleza natural do local.

O Museu Ferroviário e a charmosa Catedral de Santo Antônio também valem a visita, ainda mais para quem gosta de história. Uma caminhada na orla ou um passeio de pedalinho na Lagoa Paulino, outro cartão-postal da cidade, são outras opções de passeios agradáveis para adultos e crianças. Na orla, há bares e restaurantes para você curtir a paisagem e observar o movimento da região degustando um drink e saboreando deliciosos petiscos. Quer algo melhor?

Agora, se o que você quer é ver Sete Lagoas de cima, então a Serra de Santa Helena é o lugar. São mil metros de altitude. Lá em cima, além de curtir a vista panorâmica imbatível de toda a cidade, os visitantes podem conhecer uma capelinha fofa. Os mais aventureiros têm até a oportunidade de fazer um inesquecível voo de parapente. O pôr do sol visto dali é imperdível também — o melhor jeito de terminar um dia de passeios na cidade!

Nossa dica de onde ficar em Sete Lagoas:

Tulip Inn fica de frente para o Shopping Sete Lagoas, uma ótima comodidade para os hóspedes. As suítes apresentam grandes janelas com vista para a serra, e a decoração dos ambientes é bem moderninha, com cadeiras coloridas, quadros abstratos e objetos de design.

Os viajantes que gostam de manter a rotina de exercícios devem gostar da academia de ginástica bem equipada! Já o bar e o restaurante têm cardápio variado, e no café da manhã dá pra pedir vitaminas e omeletes fresquinhos, feitos na hora.

8. Prove o melhor pudim do mundo e faça esportes radicais em Extrema

Situada na divisa com São Paulo, na Serra da Mantiqueira, Extrema tem cinco rotas turísticas para entreter os visitantes: os caminhos incluem cachoeiras, subidas a pedras gigantes e até mesmo a possibilidade de praticar rafting e voo livre, para aqueles que são mais aventureiros, além de passeios a ateliês de arte e alambiques.

Outra dica de passeio interessante e diferente é visitar o Centro de Treinamento Equestre de Extrema, o CTEE, um lugar lindo. Lá, você conhece o trabalho de treinamento dos cavalos, assiste a apresentações e pode até dar uma voltinha pelos obstáculos de provas!

Para começar bem o dia, é só tomar café da manhã no Café do Boiadeiro, onde tudo é preparado com muito amor pelo seu Dito e pela dona Jurema, os donos da fazenda. A dica para o almoço é o Armazém Bertolotti, tocado pelos irmãos Jair e Eduardo, que tem uma comida divina e já ganhou até prêmio de melhor pudim do mundo, na França.

Nossa dica de onde ficar em Extrema:

Localizado na entrada da cidade, o Hotel Flambyant oferece fácil acesso para as atrações da região, apartamentos confortáveis e um café da manhã delicioso. Depois de um dia de passeios, os hóspedes ainda podem relaxar na piscina aquecida.

Não saia de lá sem provar o suculento leitão à pururuca acompanhado de couve, banana frita, arroz, tutu e ovo. O prato é servido no restaurante do hotel e é uma maravilha!

9. Hospede-se em um castelo em Araxá

Já pensou em se hospedar em um hotel luxuoso, inaugurado em 1944 pelo então presidente brasileiro Getúlio Vargas? Pelos corredores do Grande Hotel e Termas de Araxá, que abrigava um dos seis casinos de Minas Gerais à época, circulava a nata da sociedade brasileira. Banquetes e shows aconteciam nos suntuosos salões, sempre com a presença de políticos, empresários e artistas. Há quem diga até que o Golpe Militar de 1964 foi planejado na suíte presidencial do hotel.

Nas termas, águas sulfurosas e radioativas, além da lama, são usadas nos tratamentos terapêuticos. O ambiente cheio de vitrais e afrescos impressiona pela beleza. Há também uma mandala no piso da rotunda das termas, que é composto por mármores de pedras brancas e pretas — dizem que ali está um dos pontos de energia da terra. Por isso muitas pessoas se sentam sobre a figura, bem no centro, buscando fazer uma conexão com o universo e recarregar as energias.

Além das termas, o Grande Hotel e Termas de Araxá oferece uma programação cheia de atividades para toda a família. No belo lago da hospedagem, dá para passear de caiaque ou praticar stand up paddle. Nos dias mais quentes, os hóspedes ainda curtem o sol na enorme piscina ao ar livre. Outro programa interessante é o tour histórico pela hospedagem, que acontece de segunda à sábado — os pequenos (e os adultos também) vão adorar explorar esse verdadeiro castelo!

Um pouco mais sobre a cidade de Araxá..

A Fonte Dona Beja, com águas radioativas, situada no parque atrás do hotel, e a Fonte Andrade Júnior, com águas sulfurosas, em frente à hospedagem, formam o Complexo Hidrotermal e Hoteleiro do Barreiro, que é tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA). Mas Araxá tem outros atrativos além das águas termais.

Araxá cidade, que fica no Triângulo Mineiro, também traz delícias artesanais como queijos, doces e bebidas. No Sítio Real, o Reinaldo e a Dalva produzem um dos queijos mais premiados do Brasil. Já na Fazenda Asa Branca, o Paulino faz as cachaças Segredos de Araxá (algumas são envelhecidas no carvalho por 12 anos!) e Carnaval. E ainda tem a fábrica de doces da dona Joaninha, que produz doces em compotas e em pedaços, com um salve para a deliciosa ambrosia!

10. Nade em um lago mineral de águas termais

Outro hotel que por si só vale a viagem é o Águas de Santa Bárbara Resort Hotel, que fica em Augusto de Lima, no norte de Minas Gerais. Localizado entre as serras do Cabral e do Espinhaço, o grande destaque da hospedagem é o lago mineral de água termal, com uma temperatura natural de 32 graus.

O que não faltam aqui são opções para o lazer! Há uma enorme piscina também com água mineral e bar molhado, piscina infantil e playground para as crianças, sauna, quadras de tênis, de areia e poliesportiva, campo de futebol society e salão de jogos com sinuca, pingue-pongue, totó e baralho.

Os amantes de aventuras em meio à natureza ainda podem fazer trilhas, tomar banho de cachoeira, passear de bicicleta (que pode ser alugada na hospedagem mesmo), ou pescar – tudo isso sem precisar sair do resort!

Os apartamentos são amplos e trazem varanda com rede, de onde dá para apreciar a exuberante natureza do cerrado mineiro. Para completar, o café da manhã, o almoço e o jantar com delícias mineiras são de dar água na boca.

Um pouco mais sobre a Vila de Santa Bárbara…

O lugarejo de Vila de Santa Bárbara surgiu em 1872, às margens do caminho que os tropeiros faziam rumo à Diamantina, outra cidade mineira. A bucólica vila se formou no entorno da Fábrica de Tecidos Santa Bárbara e, até hoje, a principal atração do local é o antigo prédio da indústria, construído ainda em 1886.

Hoje, a antiga sede da fábrica abriga o imponente Coliseum de Eventos, que recebe atividades culturais e gastronômicas. Compõem o cenário charmoso cem casinhas padronizadas, pertencentes aos funcionários da indústria têxtil, e a praça com a igreja ao centro.

O lugarejo de Vila de Santa Bárbara surgiu em 1872, às margens do caminho que os tropeiros faziam rumo à Diamantina, outra cidade mineira. A bucólica vila se formou no entorno da Fábrica de Tecidos Santa Bárbara e, até hoje, a principal atração do local é o antigo prédio da indústria, construído ainda em 1886.

Hoje, a antiga sede da fábrica abriga o imponente Coliseum de Eventos, que recebe atividades culturais e gastronômicas. Compõem o cenário charmoso cem casinhas padronizadas, pertencentes aos funcionários da indústria têxtil, e a praça com a igreja ao centro.

FONTE: MAGAZINE TRIVAGO

Países europeus onde o real vale mais que a moeda local para visitar em 2024

Se programe e fique de olho nas passagens aéreas!

Para quem quer fazer uma viagem internacional em 2024, alguns países europeus oferecem oportunidades únicas. Elaboramos uma lista de nações onde o real brasileiro vale mais que a moeda local. Continue lendo para descobrir.

Algumas nações europeias escondem segredos monetários que podem transformar a experiência de viagem, proporcionando um poder de compra inesperado para os turistas. O Real brasileiro, em uma reviravolta econômica notável, ultrapassa o valor de algumas moedas locais europeias, criando um cenário propício para uma jornada com valores econômicos mais agradáveis.

Enquanto muitos desconhecem esse fenômeno da atualidade, analisando as vantagens do real brasileiro em comparação as moedas locais pode se notar oportunidades únicas que merecem a atenção dos amantes de viagens.

Neste guia, exploraremos os países europeus onde o Real brasileiro ganha destaque, oferecendo dicas valiosas para aproveitar ao máximo essa vantagem monetária. Além disso, destacaremos a importância de ficar atento às passagens aéreas, garantindo que os viajantes possam desfrutar não apenas das belezas culturais, mas também de uma experiência econômica diferenciada.

1. Portugal

 

3 Países europeus onde o real vale mais que a moeda local para visitar em 2024

Foto: Viagens e Turismo

Portugal, conhecido por suas paisagens deslumbrantes, cultura rica e gastronomia irresistível, surge como um dos destinos europeus onde o Real brasileiro tem uma valorização significativa em relação ao Euro.

Os encantos de cidades como Lisboa e Porto tornam-se ainda mais acessíveis, proporcionando aos viajantes a oportunidade de explorar castelos históricos, provar vinhos premiados e mergulhar na atmosfera acolhedora de vilarejos pitorescos.

 

2. Polônia 

 

3 Países europeus onde o real vale mais que a moeda local para visitar em 2024

Foto: Polonia travel

A Polônia, país que une história medieval e modernidade pulsante, revela-se como um destino a ser considerado para quem busca um excelente custo-benefício.

Com o Real brasileiro superando o Złoty, a moeda polonesa, os turistas podem explorar as ruelas de Cracóvia, visitar campos de Auschwitz, e apreciar a arquitetura única de Varsóvia, tudo isso aproveitando a vantagem econômica proporcionada pelo câmbio favorável.

 

3. Hungria

 

3 Países europeus onde o real vale mais que a moeda local para visitar em 2024

Foto: WorldPackers

A Hungria, conhecida como a Pérola do Leste Europeu, surpreende os viajantes ao apresentar uma taxa de câmbio favorável ao Real brasileiro.

Budapeste, com seus banhos termais, castelos imponentes e uma vida noturna agitada, torna-se um destino ainda mais atraente quando consideramos o poder de compra ampliado para os visitantes brasileiros.

 

Dicas Importantes: Fique Atento às Passagens Aéreas

 

Enquanto exploramos esses destinos europeus onde o Real ganha destaque, é crucial destacar a importância de monitorar as passagens aéreas. Companhias aéreas frequentemente oferecem promoções e descontos sazonais, o que pode contribuir significativamente para a economia total da viagem.

Ferramentas online e aplicativos especializados facilitam a busca por tarifas mais acessíveis, permitindo que os viajantes maximizem sua experiência econômica desde o planejamento até a chegada ao destino.

A valorização do Real brasileiro em relação a algumas moedas europeias oferece uma oportunidade única para os viajantes explorarem o Velho Continente com um orçamento mais flexível. Ao escolher destinos como Portugal, Polônia e Hungria, os turistas podem desfrutar não apenas das riquezas culturais, mas também colher os benefícios econômicos dessa reviravolta monetária. Fique atento, planeje com sabedoria e embarque em uma jornada que transcende as fronteiras geográficas, proporcionando experiências inesquecíveis e acessíveis.

Site elege as 6 capitais mais bonitas do Brasil; quantas você já visitou?

Com dimensões continentais, o Brasil oferece lugares com paisagens incríveis e muito particulares. Veja as capitais mais deslumbrantes do país.

Justamente por ser um país muito grande e diverso, cada canto do Brasil tem o seu charme refletido em sua cultura, assim como em suas características naturais. Desta forma, o país soma capitais de tirar o fôlego, com muita natureza e outros atrativos que revelam muito da diversidade (natural e arquitetônica) de cada lugar.

Por isso, o portal Curta Mais listou as seis capitais mais bonitas do Brasil que, além de oferecerem infraestrutura quando o assunto é serviço e comodidade para receber viajantes, somam em cultura e entretenimento. Confira a lista!

1- Rio de Janeiro

Foto: marchello74 / Getty Images

Não se pode falar em cidade bonita sem citar o Rio de Janeiro. Afinal, não é à toa que a capital fluminense é conhecida como Cidade Maravilhosa. Por lá, a beleza está por toda a parte, além, claro, da hospitalidade calorosa do carioca.

Assim, o Rio de Janeiro oferece a combinação da natureza exuberante com muita cultura e estilo de vida descontraído.

2- Florianópolis

Foto: Reprodução

A capital de Santa Catarina também deve entrar em sua lista de lugares para se conhecer. Por lá, há praias paradisíacas que são ideais tanto para o surf quanto para relaxar. Além disso, tem uma forte arquitetura colonial portuguesa em seu centro histórico de Ribeirão da Ilha, proporcionando uma atmosfera encantadora

3- Vitória

Vitória, Espírito Santo
Foto: Reprodução

O que não faltam são motivos para explorar Vitória. Suas praias, como, por exemplo, a Praia do Canto e a de Camburi, trazem momentos relaxantes à beira-mar e também são ideais para práticas esportivas.

A cidade Alta preserva a arquitetura colonial, assim como é palco de eventos culturais e feiras de artesanato. Um lugar que é parada obrigatória é o Convento da Penha. Situado em um morro com vista para a cidade, é um local religioso e histórico, além de guardar uma vista panorâmica deslumbrante.

4- Goiânia

CEP novo: cidades mais seguras no Centro-Oeste do Brasil impressionam
Foto: Erich Sacco/Shutterstock.com

A vibrante capital de Goiás combina modernidade, cultura e natureza. Por lá, as belezas naturais ficam mais evidentes em seus parques no meio da área urbana. Eles são ideais para passeios ao ar livre, piqueniques e atividades recreativas. Goiânia combina tradição e modernidade, além de ter uma atmosfera acolhedora e atividades culturais das mais diversas.

5- Maceió

Índice FipeZap revela as 20 cidades com metro quadrado mais caro do Brasil: lista completa
Foto: Marinelson / Pixabay

Com praias deslumbrantes, compostas por águas claras e areias brancas, Maceió reserva verdadeiros paraísos que convidam ao relaxamento. Igualmente, a cultura local brilha nos mercados tradicionais, onde é possível provar a culinária regional, comprar artesanato e experimentar iguarias típicas.

Para quem gosta de unir praia e história, Maceió guarda arquitetura com igrejas centenárias, proporcionando um verdadeiro mergulho na história local.

6- Recife

Foto: FabriciomacedoPhotos / Pixabay

Recife é uma capital de efervescência cultural. Por lá, há espaços únicos, como o Instituto Ricardo Brennand que guarda uma coleção incrível de arte e armamentos em um castelo. Além disso, as pontes que cruzam os rios Capibaribe e Beberibe trazem à cidade uma atmosfera única, com um pôr do sol deslumbrante. Por fim, a gastronomia é uma atração à parte. Impossível sair de lá sem provar bolo de rolo ou tapioca.

*Com informações portal Curta Mais

FONTE EDITAL CONCURSOS BRASIL

Melhor praia do mundo para visitar em 2024, segundo a TripAdvisor

Conheça os detalhes desta parte encantadora do sul de Portugal; Saiba qual é a melhor época do ano para visitar.

A beleza da costa rochosa, a areia fina e as águas cristalinas. Foi o conjunto destas características que elegeram a Praia da Falésia como a melhor praia do mundo para se viajar em 2024. A indicação é dos leitores do site de viagens TripAdvisor.

A praia fica no município de Albufeira, no Algarve, sul de Portugal. Ela recebeu esse nome justamente por apresentar formações de relevo no penhasco composto por rochas avermelhadas e brancas. Vale lembrar que a falésia é um processo natural que ocorre na natureza devido à erosão. É justamente a água da chuva e a brisa que vem do mar que batem nas rochas e dão novas formas ao “paredão” que formam a costa da praia da Falésia.

A sua aparência é realmente singular. Afinal, as pedras das encostas que, aos poucos, foram corroídas pela brisa do mar e pela chuva, parecem ter sido esculpidas pelas mãos de um artista.

Paraíso

A praia da Falésia possui quase 8 km de extensão. Ela começa na cidade de Olhos de Água, em Albufeira e vai até a marina de Vilamoura. Por lá, as montanhas desaparecem. Inclusive, é nesta região que os turistas aproveitam para mergulhar e aproveitar o mar. Isso porque, é neste trecho que não há rochas debaixo d’água.

Ainda segundo os comentários de visitantes da Praia da Falésia no TripAdvisor, a região é perfeita para se visitar em família e também para fazer passeios panorâmicos. A vista do topo do penhasco é maravilhosa. Portanto, caminhar sobre as pedras é um passatempo de muitos visitantes, uma vez que a vista é realmente extraordinária e uma das mais bonitas da região do Algarve.

A praia possui estrutura para receber os turistas. Assim, há segurança, aluguel de guarda-sol, chuveiros, estacionamento ao ar livre, bares e restaurantes. Os pets também são bem-vindos na região.

Melhor época para se visitar

Os que se interessaram em ver de perto as belezas da Praia da Falésia saibam que a época ideal para visitas é entre os meses de março e junho. Isso porque, será primavera nos países europeus. Assim, os preços são mais acessíveis e há menos turistas circulando por lá.

FONTE EDITAL CONCURSOS BRASIL

Turismo ‘hypado’ e caro. Será que influencers têm ‘culpa’ na questão?

Peixe assado a R$ 300, tapioca a R$ 70, lugares lotados, lixo, muito lixo e uma cidade infestada de turistas. Não é difícil encontrar memes e posts na internet de pessoas que visitaram Caraíva, vila de Porto Seguro, no sul da Bahia, e se depararam com preços exorbitantes e um lugar “hypado”, ou seja, que está na moda.

Para quem visitava a vila há alguns, o aumento no número de turistas foi sentido, gerando queixas nas redes sociais. Os moradores da região também perceberam uma mudança do público que frequentava o local.

Em grupos de turismo e até nas próprias redes sociais, algumas pessoas atribuem a questão à constante divulgação de “lugares secretos” após postagens virais.

Mas para Amanda Eskenazi, 43, que mora na vila baiana há três anos, o “over tourism” não deve ser exclusivamente atribuído às pessoas que trabalham com internet.

Segundo ela, esse aumento foi sentido no pós-pandemia. “Houve um enorme êxodo urbano que transformou Caraíva drasticamente. O número de moradores deve ter triplicado com aqueles que vieram para viver a vida ao ar livre, ‘longe’ das restrições”, diz a moradora.

Ela também defende que os preços não são exorbitantes, já que a logística para os insumos chegarem até o local é difícil e trabalhosa. “Não existe nada sem frete em uma estrada de terra que muitas vezes está esburacada. Depois temos a travessia e a carroça. Dois custos a mais que encarecem o produto logo na chegada. Uma manutenção maior ou obra aumenta em aproximadamente 40% os custos se comparado a locais próximos aos grandes centros”, argumenta.

Mas o problema vai muito além desta localidade baiana. Lugares como Jalapão (TO), Jericoacoara (CE) e Trancoso (BA) também já entraram na lista de reclamações por estarem sempre lotados demais.

A ascensão dos influencers de turismo

Jalapão: fervedouros "sofrem" com o turismo em massa
Jalapão: fervedouros “sofrem” com o turismo em massaImagem: Fayson Merege

Não é de hoje que nos deparamos com a promoção de destinos nas redes sociais. Com a revolução digital, houve um “encurtamento” entre o consumidor e o destino. “O começo da internet trouxe esse movimento dos influenciadores digitais. As pessoas ficavam maravilhadas em conhecer Paris pela internet”, explica Raquel Panke, turismóloga e professora da Escola de Educação e Humanidades da PUC-PR.

Com isso, os seguidores imitavam o que os criadores de conteúdo produziam. Porém, com o aumento da promoção de determinado destino nas redes sociais, alguns lugares perderam sua essência, além de ficarem abarrotados.

O turismo é composto teoricamente por dois polos: o consumidor e o produto. Mas, segundo Panke, que também é pós-doutora em desenvolvimento regional, os influencers são considerados um prossumidor, já que ao mesmo tempo em que promovem também consomem aquele destino. “Ele vende sua experiência”, diz a especialista.

Devido a essa influência, é possível gerar impactos positivos e negativos em vários lugares.

Uma das consequências benéficas é a viabilização desses locais, gerando emprego, renda e cultura para as comunidades locais. “O lado positivo é que são lugares bacanas e que podem começar a ser divulgados”, destaca Luiz Gonzaga Godoi Trigo, professor do curso de lazer e turismo da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP.

Já os impactos negativos são diversos e atingem vários setores. Em algumas épocas do ano, é impossível ir a determinadas cidades ou regiões devido a um grande fluxo de turistas, o que ocasiona aumento dos preços, lixo e, em alguns casos, provoca a degradação de pontos turísticos.

Os especialistas reforçam ainda que muitos lugares ficam lotados de pessoas apenas por causa da busca pela foto perfeita que foi vista no Instagram. Ao chegar lá, muitas vezes, é feito um clique e nada mais.

Influencers devem ter responsabilidade sim!

A influencer de viagem Jéssica Lopes, do perfil @andarilhas, trabalha criando conteúdo de viagem nas redes sociais há oito anos. Ela tem pouco mais de 400 mil seguidores e entende a importância do seu trabalho para a promoção turística dos destinos nacionais e internacionais.

Mesmo sabendo dessa relevância, Jessica acredita que os influenciadores não são os principais causadores dos problemas nos lugares. Ela defende que os órgãos, como secretarias oficiais de turismo ou outros responsáveis por determinados destinos, deveriam ter maior fiscalização e medidas eficientes para controlar o número de visitantes.

“A gente não tem controle do que vai viralizar ou não. Muitas coisas eu posto, flopa e não dá em nada. É muito aleatório”, diz a criadora de conteúdo. Ela também argumenta os aspectos positivos na “promoção” de lugares nas mídias digitais.

Recentemente, Jessica fez um vídeo sobre a cidade de Caconde, no interior de São Paulo, e o conteúdo viralizou, chegando a seis milhões de visualizações.

Com a postagem, muitos turistas começaram a viajar para o lugar, trazendo desenvolvimento para a região. “Era um trabalho para um hotel em parceria com a prefeitura. Eles me disseram que o turismo na cidade aumentou”, conta.

Ela também defende que o papel dos influencers deve, sim, ser feito com base em conscientização. “Tem influenciador que tira foto com uma estrela do mar e, a partir do momento que ela é retirada do mar, ela morre”, destaca.

Em seus stories e vídeos, ela conta que sempre diz para que as pessoas contratem agências pequenas, invistam em turismo de base comunitária e outras ações que promovam e incentivem o turismo sustentável.

As influencers de viagem Gaia Vani e Nanda Hudson, ambas de 32 anos, do perfil @maladeaventuras, também argumentam que, em alguns casos, a divulgação de destinos turísticos pelas redes sociais pode ser nociva.

Vista aérea da praia de Sanur, Bali, Indonésia
Vista aérea da praia de Sanur, Bali, IndonésiaImagem: MariusLtu/Getty Images/iStockphoto

“Estivemos em Bali em dois momentos distintos e pudemos notar o grande boom do local após a divulgação no Instagram. Lugares que antes eram cobertos por campos de arroz, de repente se tornaram bairros lotados de gringos. Pontos turísticos apinhados de turistas em busca da foto perfeita”, diz Gaia.

As duas afirmam ainda que o papel do influencer também precisa ser feito com responsabilidade e transparência nas redes sociais. “Devemos alertar também sobre o lado que ninguém mostra, falando dos cuidados a serem tomados quando você vai visitar determinados lugares”, afirma a influencer.

Contudo, encontrar um equilíbrio entre aspectos positivos e negativos ainda é um grande desafio. “Enquanto as redes sociais promovem destinos turísticos de forma ampla e poderosa, atingindo um grande público de forma rápida e eficaz, muitos desses destinos podem enfrentar problemas de superlotação devido à popularidade exagerada nas redes sociais, causando impactos negativos no meio ambiente e na qualidade da experiência do turista”, diz Gaia.

Gaia Vani e Nanda Hudson
Gaia Vani e Nanda HudsonImagem: Arquivo pessoal

Elas vivenciaram os dois lados do processo ao visitar alguns destinos. “Em relação a destinos nacionais que sofreram o mesmo impacto, podemos citar Jericoacoara. Visitamos essa vila cearense em 2015 e em 2021. Notamos um salto enorme no desenvolvimento turístico da região. Ao retornar para o local alguns anos depois, vimos diversos spots unicamente voltados para fotos e totalmente descolados da belíssima natureza da região”, pontua Gaia.

Ao visitarem a Serra da Capivara, no Piauí, elas divulgaram uma agência de turismo responsável e, até hoje, a empresa recebe turistas por indicação das influencers.

Lugares superestimados

A superlotação tornou-se um problema alarmante, transformando o que antes eram refúgios tranquilos em locais abarrotados de visitantes. A atmosfera calma e a autenticidade cultural de lugares quase intocados cederam espaço para longas filas, congestionamentos e uma corrida por espaço em praias que antes eram desertas.

Todas essas problemáticas contribuem diariamente para a decepção dos turistas, inclusive fazendo com que muitos achem que determinados locais são “superestimados”.

Trancoso, Bahia
Trancoso, BahiaImagem: Getty Images

Para o assessor jurídico e tradutor Thiago Sousa, 34, a vila de Trancoso, que também pertence à cidade de Porto Seguro, no sul da Bahia, se tornou um desses lugares. “Acredito que Trancoso não é muito acessível a turistas que não têm um carro. As opções que são oferecidas lá são caras e muitas vezes não acessíveis”, argumenta.

Além disso, para ele, as redes sociais tiveram um grande peso em gerar curiosidade e, ao mesmo tempo, promover o sentimento de exclusão. “Elas [as redes sociais] estão carregadas de filtros e dão aquele sentimento de que você precisa fazer parte daquela experiência, que em inglês é o FOMO, fear of missing out [basicamente o medo de ficar de fora]”, opina.

Ele também acrescenta Caraíva na lista de lugares superestimados e caros ao falar de locais que não entregam tanto. “Caraíva é um destino que está extremamente cheio e extremamente caro”, diz.

Uma moradora de Caraíva, que prefere manter o anonimato, mora na região há dez anos e ressalta que antes o lugar servia como refúgio, inclusive para artistas famosos, mas hoje, por culpa de influencers e empresários, o lugar mudou sua estrutura e enfrenta uma superlotação.

“Acredito que os empresários que começaram com essa onda de trazer as primeiras levas de influencers em troca de hospedagem ou alimentação são os grandes condutores de Caraíva ter chegado onde chegou”, diz a moradora.

Ela ainda acrescenta o deslumbre excessivo em busca da foto perfeita por muitos turistas que chegam ao local, influenciados pelas postagens da internet. “Já tive hóspedes que chegaram para mim, mostraram uma foto de um influenciador numa parte da praia e falaram ‘quero tirar exatamente essa foto’. Poxa, esse influenciador veio para cá em janeiro, no verão, o mar estava bem verde. E esse hóspede meu tinha vindo em julho, época de chuva, o mar estava todo revirado”, recorda.

Lagoa em Jericoacoara, no Ceará
Lagoa em Jericoacoara, no CearáImagem: fredcardoso/Getty Images/iStockphoto

A decepção também foi sentida pela servidora pública Gabriela Fernandes, 33, em Jericoacoara. Para ela, o lugar já perdeu sua essência e também entrou na lista de “superestimados”.

“Lagoas que perderam totalmente seu ar natural porque encheram de arranjos, redes para tirar foto e piers brancos para parecer qualquer coisa, menos o Brasil”, conta, decepcionada.

Ela também reclamou dos preços. “Fui para as lagoas e quiserem me vender um peixe por R$ 250, após negociar muito, ficou por R$ 180. Uma jarra de suco por mais de R$ 30, e pequena”, diz.


Ela ainda acrescenta o deslumbre excessivo em busca da foto perfeita por muitos turistas que chegam ao local, influenciados pelas postagens da internet.
 “Já tive hóspedes que chegaram para mim, mostraram uma foto de um influenciador numa parte da praia e falaram ‘quero tirar exatamente essa foto’. Poxa, esse influenciador veio para cá em janeiro, no verão, o mar estava bem verde. E esse hóspede meu tinha vindo em julho, época de chuva, o mar estava todo revirado”, recorda.

Lagoa em Jericoacoara, no Ceará
Lagoa em Jericoacoara, no CearáImagem: fredcardoso/Getty Images/iStockphoto

A decepção também foi sentida pela servidora pública Gabriela Fernandes, 33, em Jericoacoara. Para ela, o lugar já perdeu sua essência e também entrou na lista de “superestimados”.

“Lagoas que perderam totalmente seu ar natural porque encheram de arranjos, redes para tirar foto e piers brancos para parecer qualquer coisa, menos o Brasil”, conta, decepcionada.

Ela também reclamou dos preços. “Fui para as lagoas e quiserem me vender um peixe por R$ 250, após negociar muito, ficou por R$ 180. Uma jarra de suco por mais de R$ 30, e pequena”, diz.

Sindy González nas lagoas de Jericoacoara
Sindy González nas lagoas de JericoacoaraImagem: Arquivo pessoal

A uruguaia e funcionária pública Sindy González, 35, sempre visita o Brasil, mas também se decepcionou ao visitar a praia cearense. Para ela, os pontos turísticos de Jericoacoara não entregavam o que prometiam. “Esperava poder ir mais vezes às lagoas e não consegui. E o buraco azul foi uma decepção”, afirma.

Ela ainda ressalta que, muitas vezes, os influencers e redes sociais não mostram a realidade e o lado negativo de determinado lugar.

Há solução para o problema?

Embora os influencers e as redes sociais tenham um impacto direto no turismo, os especialistas argumentam que não são somente eles que trazem o problema mas, sim, os visitantes como um todo.

Segundo o professor da USP, os problemas nos destinos acontecem por causa da falta de educação do turista. Ele cita uma praia nas Bahamas que era habitada por porcos. Com a chegada dos turistas, os animais começaram a receber bebidas alcoólicas e morreram. “É absolutamente falta de bom senso”, acrescenta.

Já a especialista da PUC-PR destaca ainda que culpar somente os influencers e redes sociais seria errado. “O comportamento do brasileiro pode ser mais reflexo da educação do que da influência do influencer”, diz.

Para diminuir os efeitos nocivos em destinos turísticos, é necessário investir em políticas públicas eficientes, além de conscientização, reforçam os especialistas.

Essas medidas práticas incluem gestão inteligente de resíduos, incentivo ao turismo de baixo impacto, infraestrutura adaptável e outras medidas. “É um trabalho de longo prazo e nós temos uma lacuna na educação como um todo”, conclui Panke.

FONTE NOSSA UOL

Volta ao mundo em trens de luxo vai passar por 13 países. Veja quanto custa!

Não é sempre que é possível fazer uma viagem nos trens mais luxuosos do mundo, em uma aventura que vai rodar o continente. Se você está com dinheiro sobrando e topa encarar oitenta dias de viagem, passando por quatro continentes e 13 países em sete trens de luxo (e alguns voos pelo caminho), então acompanhe atentamente esse luxuoso pacote.

A ‘Volta ao Mundo em Trem de Luxo’ é um serviço oferecido pela empresa Railbookers, em que a grande estrela são mesmo as viagens de trem. Durante 11 semanas, essa aventura ferroviária de luxo vai passar por 13 países e várias cidades e destinos turísticos, como Edimburgo, Londres, Paris, Istambul, Cidade do Cabo, entre outros.

A viagem terá início no dia 28 de agosto em Vancouver, Canadá, terminando a jornada em Singapura no dia 15 de novembro. Nos quase três meses de duração, os viajantes vão passear de trem acompanhado as vistas mais deslumbrantes da África, Ásia, Europa e América do Norte – faltou só algum país da América do Sul neste itinerário.

Trens de luxo

Essa é mesmo uma viagem dos sonhos para quem é apaixonado por ferrovias e trens, pois será possível andar nos vagões mais icônicos e históricos que existem, como o Expresso do Oriente, que fará o percurso entre Paris e Veneza.

No total, serão sete trens de luxo, onde os passageiros vão ficar em acomodações de primeira classe e com serviços exclusivos. Confira todos eles:

  • Rocky Mountaineer
  • Belmond Royal Scotsman
  • Veneza Simplon-Orient-Express
  • Maharajas Express
  • Golden Eagle Danube Express
  • Rovos Rail
  • Eastern & Oriental Express

Quanto custa essa super viagem de trem?

Se dar uma volta ao mundo não é nada barato, é de se imaginar que rodar quatro continentes em sete trens de luxo também tem seu (altíssimo) preço. E os ingressos custam a partir de US$ 119.599 por pessoa (mais de R$ 590 mil)!

No pacote, além das viagens de trem, também estão incluídos as estadias nos melhores hotéis das cidades, traslados de carro, quatro dos nove voos (os outros é por conta dos viajantes), muitas refeições e passeios turísticos. Dentre as excursões que serão realizadas estão um safári no Parque Nacional Kruger, na África do Sul, a subida à Torre Eiffel e um jantar no Moulin Rouge em Paris, por exemplo.

Os ingressos para a volta ao mundo de trem podem ser reservados no site da Railbookers. Só não se esqueça de comprar todas as passagens aéreas que faltam no pacote para não perder nenhuma viagem de trem no caminho.

FONTE MELHORES DESTINOS

Listamos 6 carros que não são off-road mas são ótimas opções para viajar

Até pouquíssimos dias atrás, muitos brasileiros se organizavam para viajar país afora e quem não saiu desta vez, com certeza pretende passear em breve. Dessa forma, veja 6 ótimas opções de carros para ganhar as estradas nas próximas férias. 

Carros ideais para viajar (e não são off-roads)

Quando falamos em carros propícios para aventuras, logo nos vem à cabeça carros off-roads extremamente equipados para viajar independentemente das condições.

No entanto, levando em conta apenas as estradas asfaltadas do país, existem bons modelos para viajar que não são necessariamente do perfil citado acima. 

Dessa forma, se nas próximas folgas você pretende explorar nosso lindo país tropical, pode escolher um dos carros listados abaixo pela startup de mobilidade Kovi de olhos fechados e ser feliz! 

Chevrolet Spin

Ao pensar em viagens, sobretudo quando se tem uma família volumosa, logo levamos em conta o espaço do veículo. 

Nesse sentido, não poderia ter carro melhor do que a Chevrolet Spin, uma das minivans mais tradicionais do mercado nacional. 

modelo de sete lugares comporta (e bem) até mesmo famílias maiores e de quebra traz porta-malas com capacidade para 710 litros.  

Volkswagen Voyage 

Um modelo que até pouco tempo atrás empolgava e muito era o Volkswagen Voyage, que passou por transformações assim como a do setor automotivo. 

No entanto, o sedan permanece como uma ótima opção quando o tema é viagem, muito por conta do seu amplo espaço interno e porta-malas de 300 litros. 

O bônus desse veículo é seu consumo, cerca de 14,5 km por litro se abastecido com gasolina e 9,8 km/l com etanol, na estrada. 

Listamos 6 carros que não são off-road mas são ótimas opções para viajar

Volkswagen Polo

Ainda na Volkswagen, temos o hatch 0 km mais vendido de 2023 e não é à toa já que o modelo conta com tecnologia avançada e design moderno. 

 Entre outras vantagens, o Polo dispõe de painel intuitivo, volante multifuncional e motor potente, o que confere uma dinâmica ideal, tanto para motoristas, quanto para passageiros que contam com uma viagem extremamente proveitosa. 

Nas estradas, o modelo da Volks chega a fazer 15 km por litro com gasolina e 10,5 km por litro de álcool. 

Listamos 6 carros que não são off-road mas são ótimas opções para viajar

Hyundai HB20

Se em 2023 o hatch mais vendido entre os 0 km foi o VW Polo, quem começou 2024 na ponta foi o popularíssimo Hyundai HB20. 

E não dá para dizer que é só por ser acessível, já que o modelo da montadora coreana traz excelente dirigibilidade e segurança, sendo um dos mais seguros e confortáveis do segmento. 

Para viajar são 300 litros de capacidade para bagagens e uma média de consumo de combustível de até 14,5 km por litro com gasolina na estrada. 

E não é só isso, já que o HB20 possui controles eletrônicos de tração e estabilidade como seus trunfos na dirigibilidade. 

Nada mal viajar com essa autonomia e comodidade, não é mesmo motorista econômico?! 

Ford KA

Um dos veículos listados como ‘’bons para viajar’’ que mais pode chamar a atenção é o Ford KA. 

Mesmo com o estranhamento inicial, pode deixar seu preconceito de lado já que esse modelo da Ford possui um generoso porta-malas de 445 litros em versões sedan. 

Além do mais, o KA é acessível a todos os bolsos e possui manutenção bem mais em conta do que seus principais concorrentes, inclusive nesta lista. 

O consumo nas estradas? São 15 km/l com gasolina e 10,7 km por litro com álcool.

Listamos 6 carros que não são off-road mas são ótimas opções para viajar

Fiat Mobi

O sexto e último listado vai dividir opiniões, nós sabemos, mas tem um motivo que o faz estar nesta seleção mesmo com suas medidas compactas. 

É óbvio que a proposta do Fiat Mobi atende à uma viagem com poucas pessoas (indicamos até 3). 

Caso seja essa a sua demanda, pode ir de Mobi tranquilamente, já que ele é extremamente econômico. 

As médias de consumo dele na estrada são: 16 km por litro com gasolina e 11,3 km por litro de álcool.

FONTE GARAGEM 360

about

Be informed with the hottest news from all over the world! We monitor what is happenning every day and every minute. Read and enjoy our articles and news and explore this world with Powedris!

Instagram
© 2019 – Powedris. Made by Crocoblock.