21 de julho de 2024 23:37

Como homenagem ao local de surgimento, Andarilhos Queluzianos promovem a caminhada do mês na orla da lagoa da Pampulha

Relembrando um pouco de nossa história.

O grupo foi criado em novembro de 2004. Este ano, os Andarilhos Queluzianos irão comemorar o seu décimo quarto aniversário. Reuber Antoniazzi idealizou um encontro de amigos na orla da Lagoa da Pampulha já com a ideia de formar um grupo de caminhantes e com um nome definido: Andarilhos Queluzianos. Uma bandeira também já havia sido idealizada: vários caminhantes sobre o braço de uma autêntica Viola de Queluz e acima da figura o nome do grupo Andarilhos Queluzianos. Perfeito! Assim, o grupo faz a sua homenagem a um patrimônio cultural bem como a própria cidade, outrora chamada Queluz. Uma logomarca muito bem bolada! Nesta mesma caminhada, estes amigos se preocuparam em fazer uma doação de 40 caixas de leite longa vida a uma instituição filantrópica. Desta forma, o grupo já nascia com dois propósitos fundamentais e bem distintos: o encontro de amigos para a realização de caminhadas e a vontade de realizar ações beneficentes.

A evolução dos Andarilhos Queluzianos

Este grupo, com o tempo, foi crescendo a cada ano e hoje é formado por 111 integrantes. O crescimento no número de integrantes também ajudava no incentivo de realizar mais ações filantrópicas. Assim, aquela semente inicial plantada em novembro de 2004, se tornou uma grande árvore de amigos dispostos a percorrer, mensalmente, caminhos sempre variados pelas regiões rurais de Minas Gerais. Sempre se busca novas alternativas de caminhada no intuito de se conhecer cada vez mais a região rural em Minas Gerais. As caminhadas sempre são feitas em estradas de terra objetivando maior segurança aos caminhantes bem como se ter um contato mais íntimo com a natureza e a população do interior. É maravilhoso e motivador!

Paralelamente, as ações filantrópicas foram tomando dimensões maiores como a promoção anual da Feijoada Beneficente e a participação nas festas juninas do Clube Dom Pedro II. Estes dois eventos permitem levantar recursos financeiros que são totalmente revertidos para entidades filantrópicas da cidade.

E como foi a caminhada deste mês?

Comemorando anualmente o seu aniversário, o grupo promove uma caminhada no entorno da Lagoa da Pampulha. É a única caminhada que se repete. Seguindo esta tradição, os Andarilhos Queluzianos partiram no início da manhã de sábado, dia 30, para cumprir a programação em Belo Horizonte. Às 09h30, após a pose para a foto oficial da caminhada que foi tirada pelo nosso querido amigo e fotógrafo José Silvestre, o grupo partiu da Igreja de São Francisco, no sentido horário da orla da lagoa para vencer os 18.340 metros. É uma caminhada bem diferente daquelas que fazemos mensalmente em estradas de terra. Nestas, o piso é mais macio e menos cansativo. Na orla da Lagoa da Pampulha, o piso é todo cimentado e, sendo mais duro, o desgaste físico é maior. Por outro lado, a lagoa proporciona várias e belas paisagens o que minimiza o sentimento de desgaste físico. Em média, este percurso é realizado em 3 horas, ou seja, 6 km/hora. É bem puxado!

A confraternização

Ao final da caminhada, o grupo se reuniu em frente à igreja de São Francisco novamente e embarcou no ônibus. Dali, o destino era o Restaurante Jardins de Minas. É um local já conhecido por todos. Bem espaçoso com muito bom atendimento, tira gostos deliciosos, diversificados pratos de comida mineira de excelente qualidade e muita cerveja além de refrigerantes bem geladinhos. Muita conversa boa entre amigos sendo que alguns se dedicaram a assistir ao jogo entre Portugal e Uruguai. Um ótimo jogo que resultou na eliminação de nossos irmãos portugueses.

Ao final da tarde, terminada a confraternização do grupo, todos já ansiavam por chegar em casa, tomar um bom e merecido banho e descansar junto aos queridos familiares.

Até o nosso próximo encontro, amigos.

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade