“Assumimos com nosso patrimônio histórico em péssimas condições”, desabafa o prefeito Mário Marcus

17

“Quando assumimos nosso governo encontramos o patrimônio histórico e cultural danificado, interditado e em péssimas condições. Vamos reformar um por um e devolvê-lo ao povo”. Este foi o desabafo do prefeito Mário Marcus durante discurso agora a pouco na reinauguração do coreto da Praça Tirandetes.

O prefeito anunciou que o mês que termina a reforma da Casa do Artesanato e que está em fase final de licitação a restauração da fonte luminosa. “Estamos investindo muito na valorização de nossa cultura”, assinalou Mário. O coreto passou por serviços de pintura de toda a estrutura e telhado, revisão em toda a rede elétrica, reposição de balaústres, além da desativação dos banheiros públicos que tempo prejudicavam o bem tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal. No lugar das escadas dos banheiros, um jardim ao contrário do mau cheiro, embelezará o coreto e os eventos que ele recebe.

Banda musical Grêmio 12 de Outubro foi homenageada pelos seus 30 aos

O coreto recebeu esta manhã a apresentação da banda Grêmio Musical 12 de Outubro que comemora 30 anos de fundação.  Ainda se apresentarão às 13:00 horas  a Banda Parte do Alto Samba Raiz. Às 18:00 horas acontece o show com José de Pádua e percussão e às 19:00 a festa é encerrada com apresentação da Banda Viola Inviolada.

O evento encerra as atividades de comemoração do Dia das Violas de Queluz ocorrido no último dia 28. No dia 3, a secretaria de cultura entregou certificados de patrimônio cultural a 4 Folias de Reis, Folia de Reis do Divino Espírito Santo e Misericórdia, Folia de Reis do Menino Jesus do São João, Folia de Reis de São Sebastião do Amaro Ribeiro e Folia Comunitária Luz de Minas.
A semana

A semana foi marcada por boas notícias para o prefeito. A primeira foi a assinatura de um acordo judicial envolvendo o Ministério Público e a Copasa no qual a estatal vai investir a título de compensação mais de R$6,1 milhões a reforma da Casa de Cultura e a contratação de um empresa para fazer o levantamento imobiliário de Lafaiete.

A outra foi a liberação da obra da Alfredo Elias Mafuz que já começa a semana que vem pondo fim a uma novela que arrasta por 3 administrações consumindo mais de 5 anos.