fbpx
5.4 C
Conselheiro Lafaiete
sábado, 31 julho 2021
InícioPolíticaCPI aciona Polícia Federal para investigar desvios relatados na CPI no Hospital...

CPI aciona Polícia Federal para investigar desvios relatados na CPI no Hospital de Campanha; vereadores denunciam perseguição contra servidoras

Duas servidoras do Hospital de Campanha, ouvidas na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), pediram demissão da instituição. Ana Paula (coordenadora de farmácia) e Isabele (setor de enfermaria) oficiaram a decisão a Secretaria Municipal de Saúde na tarde de ontem (13).

O fato aconteceu 30 dias após elas prestarem depoimentos a CPI que investiga denúncias de má gestão e irregularidades nos gastos de recursos do Covid-19 como também descumprimento na ordem de vacinação por grupos prioritários, o chamado “fura fila”.

Além das duas servidoras, a gerente do Hospital de Campanha, Vivian Castro, foi exonerada na semana passada. Ela também prestou depoimento a CPI. Em seu lugar assumiu Márcio Petraglia.

O relatório parcial da comissão, lido no plenário da Câmara no dia 17 de junho, apontou falta de medicamento de primeira linha na intubação (kit intubação) e equipamentos, desperdício de recursos públicos e outras irregularidades no Hospital de Campanha.

A saída das 3 funcionários, que atuavam na linha de frente da instituição, é classificada como retaliação, intimidação, perseguição como intuito de abafar as investigação da CPI. Um roteiro já anunciado e podem “rolar mais cabeças”.

Repercussão

Os pedidos de exoneração ecoaram na Câmara e os vereadores voltaram a denunciar perseguição e coação contra os servidores no Hospital de Campanha.

Pedido de investigação enviado a Polícia Federal na tarde de ontem (13)/REPRODUÇÃO

O Vereador Sandro José (PROS) comparou a situação de caça às bruxas e lei da mordaça. “Queria pedir um minuto de silêncio pela saúde de Lafaiete. Se estava ruim agora está piorando. Duas pessoas supercompetentes pediram exoneração. Perdemos 3 pérolas da saúde de Lafaiete. Uma por perseguição. As outras duas para não sofrer o mesmo dano pediram exoneração. Mata-se o cidadão lafaietense. Além da falta estrutura, dos baixos salários, a gente ainda tem agora a lei da mordaça, a lei da perseguição, a lei da manipulação. Lafaiete está em uma linha férrea que só sabe dar ré”, atacou.

O Vereador André Menezes (PL), Presidente da CPI do Covid-19, adiantou que a comissão acionou a Polícia Federal para amparar as investigações no Hospital de Campanha. “Eu fico preocupado com o que está acontecendo com Lafaiete. Parece um pesadelo que estamos vivendo. Todo o dia uma notícia ruim. Os pedidos de exoneração lançam mais dúvidas sobre o que acontece no hospital. A CPI foi resultado de inúmeras denúncias que foram acumulando quando os nossos ofícios não eram respondidos de maneira satisfatória. Fizemos a CPI para ter o poder de fiscalização ainda maior. Há indícios de má gestão. Divulgamos o relatório e não vimos respostas. Vimos a respostas de outra forma, demitindo uma pessoa que veio aqui testemunhar na CPI. E agora a pressão que as pessoas sofrem dentro do hospital as obrigam a pedir demissão. Isso é coação. Então mediante disso tudo, Fizemos um pedido a Polícia Federal para investigar a situação. As pessoas estão pedindo demissão porque perderam força de lutar. É perseguição. Depois da primeira mentira, toda verdade vira dúvida. 80% que a secretária de saúde disse nesta Casa na semana passada foi mentira. Sinto vergonha das coisas que tenho presenciado”, pontuou.

A gestão da Secretária de Saúde, Rita de Kássia, foi duramente criticada pelos vereadores / ARQUIVO

O Vereador João Paulo Pé Quente (DEM) fez duras críticas a Secretaria de Saúde. “Ao que parece não moramos na cidade em que a secretária relatou nesta Casa. Ela faltou com a verdade. E nós vamos chamá-la novamente aqui. O roteiro da semana me chamou muita atenção, posso estar equivocado ou fazendo mau juízo, mas serve de alerta. Em um dia é exonerada a gerente, no outro dia, o computador amanhece todo apagado; ninguém viu nada, desorganização total. E logo em seguida sai uma carta assinada pelos médicos, defendo o Hospital de Campanha. E agora inicia esta semana, com duas servidoras do Hospital, que prestaram depoimentos a CPI, pedindo demissão. As bombas difusoras que apareceram no hospital foram retiradas do pronto socorro. Sinal que a CPI teve efeito positivo”, apontou.

Fernando Bandeira (DEM) levantou uma denúncia de que um servidor do Hospital de Campanha participou com empresa da qual é sócio de uma licitação para servir alimentação a instituição. “É uma vergonha!”.

Oswaldo Barbosa (PV) criticou a gestão do Hospital de Campanha. “Endosso as palavras de meus colegas e volto a citar que ao invés de salvar vida, o Hospital de Campanha se transformou em local de confronto e vaidade. Uma servidora demita por perseguição e outras duas por sofrer pressão. Esperamos que os responsáveis possam responder judicilamente pelos seus atos

CPI apontou desperdícios de recursos no Hospital de Campanha

Leia mais:

Mais lidas