Crise nos hospitais: vereador defende desapropriação de prédio para amenizar crise financeira do Hospital São Camilo

9

Alto custo do aluguel estaria comprometendo finanças

da instituição e medida diminuiria custos

 

Vereador Pedro Américo/Foto:Arquivo
Vereador Pedro Américo/Foto:Arquivo

O vereador Pedro Américo fez uma sugestão um tanto quando inédita na tentativa de ajudar o São Caminho. Para tentar sair do alto aluguel que a instituição paga, o parlamentar sugeriu que a prefeitura desaproprie o imóvel onde ele funciona situado na área central de Lafaiete. Como dona do imóvel a administração municipal não cobraria o aluguel ou então o hospital pagaria um valor simbólico.

Bem intencionado, o vereador apresentou um requerimento solicitando a desapropriação do terreno e foi aprovado por unanimidade esta semana. “O que gente sabe é que o hospital, como todos os outros de Lafaiete, passa por sérias dificuldades, podendo até fechar as suas portas. Hoje a instituição paga um valor pelo aluguel e a desapropriação vai ajudar a hospital e economizar no aluguel. È uma tentativa de ajudar o São Camilo sair da crise”, justificou Américo.

A matéria despertou polêmica com críticas enviesadas em diversas direções. A iniciativa do vereador foi elogiada, mas seus colegas mostraram-se desanimados e céticos sobre a sua efetivação pelo município. “Esta Casa fez economia em anos anteriores e destinou recursos aos hospitais em torno de R$ 50 mil para cada um. Mas isso não foi repassado pela prefeitura e poderia amenizar a crise”, lamentou Sandro José (PSDB). João Paulo Pé Quente (DEM) e Zezé do Salão (PMN) também corroboraram a opinião de seu colega.

Tarciano Franco (PRTB) apontou que a sugestão é válida, mas esbarra na falta de recursos do município. Segundo ele o imóvel é de alto valor comercial e valeria no mínimo de R$12 milhões. “A solução é colocar em funcionamento o elefante branco o hospital regional. Ou então construir o Hospital São Camilo em outra área mais barata”, sugeriu.

“Não é somente o São Camilo que passa por uma crise profunda, mas toa a rede pública municipal”, observou Fernando Bandeira (PTB). “Os hospitais filantrópicos no Brasil atravessam um gargalo sem precedentes e queda na arrecadação nas contribuições espontâneas chegou a 50%. Lafaiete espelha realidade cruel da saúde no Brasil”, pontuou Tarciano.

Já o vereador Zezé do Salão levantou uma dúvida, caso o município desaproprie o imóvel. “Neste caso a gestão passaria a prefeitura que não tem condições?”.

Imagem de capa: Reprodução