Federaminas prevê extinção de 34,2% das MPEs até dia 15

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Cerca de 34,2% das micro e pequenas empresas mineiras deverão fechar as portas de vez se o período de isolamento social, medida adotada para combater a disseminação do novo coronavírus (Covid-19), não terminar até 15 de abril. Os dados foram divulgados pela Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais (Federaminas) na sexta-feira (3).

O estudo mostra ainda que 21,6% das MPEs deverão encerrar as atividades até o dia 6 de abril e outras 29,3% não resistirão se o isolamento social se estender até 30 de abril. Já 9,9% das empresas disseram na pesquisa que tinham capital para não quebrar se as medidas de isolamento social durassem 60 dias a partir de 1º de abril e outras 5,1% afirmaram que conseguiriam se sustentar em um período de 90 dias também contando a partir do primeiro dia deste mês.

O presidente da Federaminas, Valmir Rodrigues, destacou que, diante desse cenário, é essencial que os governantes criem medidas para auxiliar as organizações. “Essa pesquisa é para mostrar aos governadores, ao presidente da República, aos secretários, aos ministros, a todos que têm condições através de decretos, de leis, de medidas provisórias, enfim, não sei o caminho, de criar, de fato, soluções para ajudar as empresas a passar por esse momento difícil”, disse ele.

Valmir Rodrigues lembrou também que a entidade não pretende atropelar as recomendações dos órgãos de saúde, ressaltando que as empresas seguirão as solicitações da área. “É preciso preservar a vida”, afirmou.

Responsável pelo desenvolvimento da pesquisa, o professor Marcos Fábio, da MF Gestão, Desenvolvimento e Empreendedorismo, pontuou as medidas que já foram adotadas pelo governo federal para tentar mitigar os efeitos negativos do coronavírus na economia.

Algumas delas são a complementação de salário em casos de redução salarial e de jornada dos trabalhadores e o crédito para financiamento da folha de pagamento.
Apesar de essa ação ser, sim, uma ajuda, diz Marcos Fábio, elas serão para as folhas de abril e maio, mas muitas empresas não terão como lidar já com a folha de março, mês em que teve início o isolamento social.

Desemprego – Com toda essa situação, as projeções são de um grande número de demissões em Minas Gerais, segundo a pesquisa divulgada pela Federaminas. Os dados da entidade mostram que 1.101.500 pessoas perderão seus empregos se o isolamento social não terminar até o dia 6 de abril. Se o período se estender até o dia 15 de abril, serão mais 2.520.198 demitidos e, se chegar até 30 de abril, mais 2.429.464.

Pós-pandemia – A pesquisa também ressalta que, mesmo quando o comércio for reaberto, o reestabelecimento da demanda não se dará de forma imediata, pois “existe um processo de aquisição de confiança para o consumo”. Dessa forma, os danos se estenderão para além do período de permanência das empresas fechadas. “Nós vamos ter aproximadamente, em outubro, novembro, a demanda reestabelecida”, diz Marcos Fábio.

“Quantos e quantos sonhos estão indo embora por causa dessa pandemia?”, indaga o presidente da Federaminas. “Será que o governo, mesmo estando se mexendo com algumas ações, não tem condições de se mexer mais e entender a nossa aflição? Esse é o ponto de vista que nós queremos colocar”, destaca. (Diário do Comércio)

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
FacebooktwitterFacebooktwitter

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *