Filho toma as dores do pai agredido e é assassinado com 14 tiros

10

Três dias antes, uma mulher foi brutalmente atingida por marteladas por seu companheiro

No dia 13, a PM foi informada de que ocorrera disparos de arma de fogo, no Bairro Alvorada em Congonhas. No local, a mãe, em prantos, contou que estava em sua casa quando escutou seu filho gritando, pedindo socorro e chamando pelo seu pai. Quando saíram ao portão depararam com seu filho caído ao solo e sangrando. A vítima foi levada ao Hospital Bom Jesus, onde o médico de plantão constatou óbito com 14 perfurações, com uma grande perfuração abaixo da axila esquerda.

Segundo informações colhidas com o irmão da vítima, seu pai, mais cedo, teria discutido com um indivíduo já conhecido e acabaram entrando em luta corporal.

A vítima, o filho, tomou as dores do pai e disse que iria procurar o agressor para saber dos fatos, porém o autor teria desaparecido do bairro. Ele teria sido visto somente minutos em um bar próximo ao local do crime. O autor teria usado arma calibre 28. Após dos disparos o autor fugiu a pé não sendo localizado.

O irmão da vítima acrescentou que após a briga de seu genitor com o autor, a vitima fez uma ligação para ele, onde informou o que teria acontecido e que iria até a casa do autor para tirar satisfação e que estaria em companhia de um outro rapaz . Após a perícia técnica o corpo foi removido do hospital para o IML em Conselheiro Lafaiete.

Outro crime

Três dias antes, Congonhas assistiu a uma brutal tentativa de assassinato. A PM foi solicitada por uma vizinha após ouvir os pedidos de socorro da vítima, de 28 anos. O fato ocorreu no Bairro Basílica. Ao chegar à residência, ela encontrou a vizinha ferida na cabeça a golpes de martelo e flagrou o companheiro desta fugindo após cometer a agressão levando numa bolsa a ferramenta que havia usado no espancamento. A avó da vítima, uma senhora de 82 anos, testemunhou a agressão e sofreu picos de pressão arterial, assustada com a brutalidade demonstrada pelo companheiro da neta.

Antes mesmo da chegada dos militares, a vizinhança pediu auxílio a uma equipe da Guarda Municipal e conseguiu deter o agressor, de 38 anos, que recebeu voz de prisão em flagrante ainda portando o martelo sujo de sangue.

A mulher ferida foi levada ao hospital Bom Jesus, onde o médico constatou traumatismo craniano. Em virtude das marteladas que levou na cabeça, ela entrou em estado de coma e precisou ser transferida para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, onde segue internada em estado grave.

O filho do casal, um bebê de apenas três meses de idade, apresentava hematomas na face e foi atendido por uma pediatra. Após ser submetida a exames, a criança foi encaminhada aos cuidados do Conselho Tutelar de Congonhas.