ONU e Universidade Federal de Viçosa vão implantar projeto pioneiro de produção de carvão vegetal

13
Prefeitura apoia UFV e PNUD na implantação de projeto de pesquisa em Lamim
Modelo do forno que será implantado em Lamim/Divulgação

O município de Lamim será base para um projeto de pesquisa da Universidade Federal de Viçosa (UFV), apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). A ação, que recebe o apoio da Prefeitura de Lamim, por meio da parceria entre a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente e a Emater, tem como meta qualificar produtores para que eles possam produzir um carvão vegetal de forma sustentável, com a diminuição da emissão da fumaça tóxica e ainda ampliar sua capacidade produtiva. A unidade demonstrativa em Lamimestá sendo implantada na localidade de Martins, dentro da propriedade do Amador Reis de Matos. O terreno foi escolhido pelo PNUD, após técnicos da UFV visitarem diversas unidades de produção de carvão no município. De acordo com a professora Cássia Carneiro, o sistema Forno/Fornalha desenvolvido pela UFV além de proporcionar uma produção sem a fumaça tóxica e tomando como base o novo procedimento de cozimento da madeira, poderá ampliar em 10% a produção de carvão. “A gente espera ter uma produção mais sustentável, ou seja, onde teremos um ganho na produtividade, um ganhona qualidade do carvão e, acima de tudo, um ganho para o produtor e sua família, que vai ter uma carvoaria sem a fumaça, o que vai trazer uma qualidade de vida muito melhor”, explicou a pesquisadora. Durante dois anos estudantes, produtores de carvão e pesquisadores estarão em Lamim para conhecerem a unidade e nela serem capacitados dentro do projeto coordenado pela professora Cássia Carneiro, do Departamento de Engenharia Florestal da UFV. Os pesquisadores vão repassar aos produtores conhecimentos em processos e tecnologias de produção sustentável adequadas a quem produz carvão vegetal. No Projeto Siderurgia Sustentável, iniciativa da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), no qual o SENAR MINAS, FAEMG e INAES estão envolvidos junto com Emater, Universidade Federal de Lavras (UFLA) e Sebrae Minas. O projeto é executado ainda com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e do Governo de Minas Gerais e conta com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).