URBANICIDADE- LEANDRO KARNAL

19

 

O historiador, professor e doutor Leandro Karnal é hoje uma das figuras mais conhecidas no universo institucional. Ele faz palestras para todo o tipo de evento e instituição profissional, encantando platéias das mais variadas matizes, gêneros e até órgãos públicos pelo Brasil afora, esbanjando profundo conhecimento geral, cultura e humor, utilizando como ferramenta básica, a nem sempre valorizada, HISTÓRIA.

Ele já é muito conhecido nas redes sociais, aproximando de 300 mil seguidores no facebook, confirmando que é crescente uma grande parcela do populacho que investe seu tempo em cultura e conhecimento. Seus vídeos também acumulam dezenas de milhares visualizações.  O futuro é animador, sempre lembrando que o trabalho começa hoje, no presente. A partir de seus ensinamentos, tomei conhecimento de pensadores de expressão internacional, assim como o professor anglo-polonês Zygmunt Bauman, criador do conceito, bem apropriado, “Mundo Liquido”.

Transcrevo abaixo um “post” publicado em seu perfil, dias atrás.

“Por motivos variados, amanheci refletindo sobre a ideia de Umberto Eco. O grande intelectual italiano, recém-falecido, afirmou que a internet tinha dado voz a uma legião de imbecis. Segundo ele, os imbecis sempre existiram, mas antes emitiam suas ideias ‘em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade’. Como podemos aprofundar e criticar esta ideia?

1 – a internet e o mundo líquido esvaziaram o conceito de autoridade. Muitos identificam sua opinião como válida por ser sua e não reconhecem instrumentos de validação externos (títulos, publicações, experiência etc). Minha ideia é válida porque é minha e não depende de autoridades fora da minha consciência.

2 – intelectuais, em geral, sentem este ‘tranco’ porque perderam, no sentido de Walter Benjamin, a ‘aura’.

3 o custo da divulgação de uma ideia era elevado e, hoje, é quase gratuito. Já pensou se, e invés de um blog ou uma postagem, os imbecis tivessem de procurar uma editora e escrever um livro?

4 – o quase anonimato de perfis falsos ou de pessoas realmente anônimas diminui o superego e a censura. Tudo posso no escuro úmido dos bytes e no fluxo do ciberespaço.

5 – Na área de humanas isto é ainda mais forte (como sente o humano Eco). Ainda ninguém se submete a uma cirurgia confiando que um leigo acessou bons sites e blogs sobre técnicas cirúrgicas e está disposto a operar meu coração. Mas com filósofos, historiadores antropólogos, sociólogos etc, vale a minha opinião, já que a dele seria, também, uma opinião.”