Vereadores criticam aumento de passagem, detonam serviço da Viação presidente, pedem quebra de monopólio, ameaçam acionar a justiça e vão fiscalizar atuação conselho

17
Vereadores também entraram nas discussões em torno de melhorias para os moradores de rua/Arquivo

O aumento da passagem, solicitado pela Viação Presidente, saltando de R$2,90 para R$3,82, alto em torno de 30%, foi duramente contestado e repudiado pelos vereadores durante sessão na Câmara hoje, dia 7.

Os discursos questionaram os serviços prestados pela concessionária e taxaram com abusivo e absurdo o aumento proposto.

Vereador João Paulo/CORREIO DE MINAS

O vereador João Paulo Pé Quente adiantou que, caso o aumento seja aprovado, vai acionar a Justiça, como fez no ano passado. “Sou contra o aumento e assim que for concedido vou entrar com o pedido de liminar. É um absurdo”, contra atacou. Fernando Bandeira (PTB) lembrou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado em 2014, que torna mais rígido e transparente o aumento. Ele denunciou que a Presidente contraria uma lei municipal e seus ônibus são emplacados em outras cidades. “São ônibus sucateados e quem vai pagar o pato é o povo novamente. O povo tem de mostrar sua indignação e encher esta casa no dia da audiência”, contestou. A audiência está marcada para o próximo dia 24, às 18:00 horas.

Vereador Fernando Bandeira/CORREIO DE MINAS

O vereador Alan Teixeira (PHS) fez uma pesquisa em postos de combustíveis e confirmou que houve apenas uma pequena variação nos preços entre os 3 primeiros meses de 2016 e 2017. “Se for pelo aumento do óleo diesel o aumento não se justifica”, assinalou. Carlos Nem (PP) repudiou o serviço da Presidente e disse que nos bairros Museus e Arcádia os atrasos são constantes.

Vereador Alan Teixeira/CORREIO DE MINAS

O vereador Chico Paulo (PT) criticou o monopólio no transporte público e defendeu a livre concorrência como forma de aumentar a qualidade e redução do preço da passagem. “Nos anos 70 Lafaiete tinha pouco mais de30 mil habitantes e 3 empresas atuavam no setor. Agora quando tem mais de 130 mil há apenas uma empresa. Se a ela está abrindo o bico que passe o serviço para outras empresas. Enquanto tiver monopólio quem manda é a Presidente”, criticou.

Vereador Chico Paulo/CORREIO DE MINAS

Par finalizar o coro uníssono contra a Presidente coube ao vereador Sandro José (PSDB) encerrar os discursos contra a Presidente. “Se não tivesse elevador quebrado, boa qualidade, carros seguros ninguém estaria criticando o aumento e todo iriam o usar o transporte público como em outros países. Até agora não chegou a esta Casa a planilha que justifica este aumento”, denunciou.

Vereador Sandro José/CORREIO DE MINAS

Ele vai enviar um pedido a Viação Presidente que envie a Câmara a documentação do pedido de aumento, bilhetagem mensal e os balanços contábeis e financeiros registrados na Junta Comercial, conforme prever o TAC assinado no Ministério público, prefeitura e concessionária.

Vereador Carlos Nem/CORREIO DE MINAS

O aumento da passagem deve render assuntos nas próximas semanas e a responsabilidade está agora nas mãos dos conselheiros. Os vereadores propuseram investigar as ações do Conselho na discussão e aprovação /do aumento.

Matéria atualizada em 08/03/2017.