Vereadores voltam a criticar situação precária da maioria de creches, escolas e PSF’s, alertam para riscos e cobram vistoria dos bombeiros

25
Vereador Fernando bandeira cobrou reformas na escola Meridional/Reprodução

A situação precária de diversos equipamentos públicos da prefeitura foi alvo de ampla discussão na sessão da Câmara. A aprovação de um requerimento cobrando a instalação de uma linha telefônica no PSF e na escola da comunidade de São Gonçalo, para atender imprevistos ou situações de risco, foi o estopim para uma longa discussão em torno da situação dos prédios que abrigam escolas, unidade de saúde e creches em Lafaiete. “O que a gente percebe é que a grande maioria destes locais não têm condições de atender sejam alunos ou pacientes. Eles não têm condições de funcionar. Eu visitei os PSF’s e constatei problemas de banheiro, infiltrações, mofo, falta torneira e tantos outras mazelas”, assinalou Pedro Américo. Já o vereador Fernando Bandeira exemplificou a situação de risco citando a escola Meridional. Ele afirmou que o educandário precisa de reformas urgentes diante da situação de insegurança aos alunos. “Esta escola pela sua situação geral precisa de uma ampla reforma”, pontuou afirmando que levou a situação a secretaria municipal de educação.

O vereador Oswaldo Barbosa (PP) afirmou que em visita a creche do Lima Dias, já com pouco tempo de inauguração, precisa de reforma em seu telhado. “Precisamos criar uma força tarefa para visitarmos todas as escolas e levantarmos a real situação da rede física”, sugeriu.

Visita

Um grupo de vereadores visitou o PSF, do bairro Albinópolis, onde foi constatado diversos problemas como mau cheiro em banheiros, infiltrações e na estrutura de uma obra que foi inaugurada há menos de 5 anos. “É muito dinheiro público indo pelo ralo. Escolas e creches mal projetadas como Bela Vista. São obras meia boca”, disparou Bandeira.

Vistoria

Os vereadores aprovaram um requerimento em que solicitam a realização de vistoria da defesa civil nas escolas municipais e PSF’s e pedem um lado do resultado para conhecer de perto a situação dos equipamentos públicos. “Eu já sei que a grande maioria não tem condições de uso”, finalizou Pedro Américo.