20 de junho de 2024 19:42

Planetas que orbitam estrelas binárias podem abrigar vida alienígena, diz estudo

Quase metade das estrelas do tamanho do Sol são binárias (ou seja, fazem parte de um sistema estelar que consiste em duas estrelas orbitando um baricentro comum). De acordo com uma pesquisa da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, planetas ao redor de estrelas binárias podem ser muito diferentes daqueles que orbitam estrelas únicas, o que faz deles bons alvos na busca por vida alienígena.

O segredo da vida alienígena estaria em planetas que orbitam estrelas binárias? Imagem: Tomasz Adamski – Shutterstock

“O resultado é emocionante, pois a busca por vida extraterrestre será equipada com vários instrumentos novos e extremamente poderosos nos próximos anos. Isso aumenta o significado de entender como os planetas são formados em torno de diferentes tipos de estrelas. Esses resultados podem identificar lugares que seriam especialmente interessantes para sondar a existência da vida”, diz o professor Jes Kristian Jørgensen, do Instituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague, líder do projeto, que também conta com a participação de astrônomos de Taiwan e dos EUA e foi publicado na revista Nature.

Segundo Jørgensen, a pesquisa se baseou em observações feitas pelo Atacama Large Millimeter/submillimeter Array(ALMA), no Chile, de um sistema estelar binário a cerca de mil anos-luz da Terra. Chamado NGC 1333-IRAS2A, esse sistema é cercado por um disco de gás e poeira. Também complementam o estudo simulações de computador que trafegam tanto para trás quanto para frente no tempo.

“As observações nos permitem ampliar as estrelas e estudar como poeira e gás se movem em direção ao disco. As simulações nos dirão quais físicas estão em jogo e como as estrelas evoluíram até o instante que observamos e sua evolução futura”, explica o pós-doutor Rajika L. Kuruwita, do Instituto Niels Bohr, segundo autor do artigo.

Cometas também podem conter pistas de vida alienígena

Eles notaram que o movimento do gás e da poeira não segue um padrão contínuo. Em alguns momentos do tempo — tipicamente por períodos relativamente curtos de dez a cem anos a cada mil anos — o movimento se torna muito forte. A estrela binária torna-se dez a cem vezes mais brilhante, até que retorne ao seu estado regular.

Presumivelmente, o padrão cíclico pode ser explicado pela dualidade da estrela binária. As duas estrelas se cercam, e em determinados intervalos sua gravidade articular afeta o disco de gás e poeira circundante de uma maneira que faz com que grandes quantidades de material caiam em direção à estrela.

“A queda do material provocará um aquecimento significativo. O calor tornará a estrela muito mais brilhante do que o normal”, diz Kuruwita. “Essas rajadas vão rasgar o disco de gás e poeira. Enquanto o disco se acumular novamente, as rajadas ainda podem influenciar a estrutura do sistema planetário posterior”.

O sistema estelar observado ainda é muito jovem para ter formado planetas. A equipe espera obter mais tempo observacional no ALMA, permitindo investigar a formação de sistemas planetários.

Não só planetas, mas também cometas estarão em foco. “É provável que os cometas desempenhem um papel fundamental na criação de possibilidades de vida para evoluir. Cometas geralmente têm um alto teor de gelo com presença de moléculas orgânicas. Pode-se imaginar que as moléculas orgânicas são preservadas em cometas durante épocas onde um planeta é estéril, e que impactos posteriores de cometas introduzirão as moléculas na superfície do planeta”, explicou Jørgensen.

Segundo ele, o aquecimento causado pelas rajadas desencadeará a evaporação de grãos de poeira e do gelo ao redor. “Isso pode alterar a composição química do material a partir do qual os planetas são formados”.

Simulação em vídeo do sistema estelar binário, NGC 1333-IRAS2A, que é cercado por um disco de gás e poeira. Notavelmente, o movimento do gás e da poeira não segue um padrão contínuo. Por períodos relativamente curtos de dez a cem anos, a cada mil anos, o movimento se torna muito forte. As estrelas binárias tornam-se dez a cem vezes mais brilhantes, até que retornam ao seu estado regular. Crédito: Jes Kristian Jørgensen / Rajika L. Kuruwita

Telescópios de próxima geração vão aprimorar as pesquisas

O ALMA é composto por 66 radiotelescópios que operam em coordenação, o que permite uma resolução muito melhor do que poderia ser obtida por um único telescópio.

Em breve, o novo Telescópio Espacial James Webb (JWST) também começará sua busca por vida alienígena. Perto do fim da década, ele ganhará uma mãozinha do European Large Telescope (ELT) e do Square Kilometer Array (SKA), ambos planejados para começar a observar em 2027. 

O ELT conta com um espelho de 39 metros, sendo o maior telescópio óptico do mundo, que vai observar as condições atmosféricas de exoplanetas (planetas fora do nosso sistema solar). Já o SKA consistirá em milhares de telescópios na África do Sul e na Austrália trabalhando em coordenação e terá comprimentos de onda mais longos do que o ALMA.

“O SKA permitirá observar diretamente grandes moléculas orgânicas. O Telescópio Espacial James Webb opera no infravermelho, que é especialmente adequado para observar moléculas no gelo. Finalmente, continuamos a ter o ALMA, que é especialmente adequado para observar moléculas em forma de gás. A combinação das diferentes fontes proporcionará uma riqueza de resultados emocionantes”, conclui Jørgensen.

FONTE OLHAR DIGITAL

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade