19 de julho de 2024 22:06

7 travessias imperdíveis na América do Sul

Com 13 países espalhados em quase 18 milhões de km², a América do Sul tem cenários que vão de terras isoladas na Patagônia a desertos e florestas.

Fãs que somos desse continente ainda mal explorado, turisticamente, pelos brasileiros (afinal nem só com estação de esqui e vinícolas se faz turismo por aqui), o Viagem em Pauta selecionou algumas das travessias mais cenográficas nesse lado do continente.

Na lista abaixo tem opções para cruzar a maior planície de sal do mundo, viajar pelas duas estradas mais icônicas da Argentina e navegar pelos Lagos Andinos.

Só não vai ter roteiro pelo Brasil (que, só para lembrar, também faz parte da América do Sul, tá?) porque isso é história para um post específico sobre o assunto).

Travessias imperdíveis na América do Sul

LAGOS ANDINOS
(Argentina e Chile)

Há mais de um século, navegar por território patagônico significa ver vulcões, canais estreitos, florestas centenárias e povoados minúsculos. E até hoje, seja qual for a época do ano, a sensação é de ser o primeiro a colocar os pés ali.

Criada em 1913 pelo suíço Ricardo Roth, a Travessia dos Lagos é uma viagem de sete etapas (lacustres e terrestres), com duração de até dois dias, entre Porto Varas (Chile) e Bariloche (Argentina).

1 Cruce Andino_Divulgação
foto: Divulgação

FIORDES PATAGÔNICOS
(Chile)

O embarque em Puerto Natales, na Patagônia chilena, é simples e sem as formalidades de embarcações de luxo que cruzam estreitos e lagos do Chile.

Dali ou na direção contrária, a tripulação segue sem pressa os 1.500 km entre Puerto Montt, capital da Região dos Lagos, e a distante Puerto Natales, num roteiro de quatro dias que inclui passagem por golfos, fiordes e povoados isolados, como Puerto Edén, um dos lugares habitados mais isolados do Chile.

Navimag (foto: Reprodução)

CARRETERA AUSTRAL
(Chile)

Essa estrada tem mais de 1.200 km, entre a Região dos Lagos e Aysén, na Patagônia chilena, é um dos maiores orgulhos da engenharia chilena e uma das estradas mais lindas da América do Sul.

A via dá acesso a atrações como o Parque Nacional Queulat, glacial San Rafael e as Catedrais de Mármore, no Lago General Carrera.


CUESTA CARACOLES
(Argentina e Chile)

Entre o Chile e as altas montanhas de Mendoza, na Argentina, fica essa cenográfica (e ziguezagueante) estrada com 29 curvas, extremamente, fechadas que exigem atenção.

Embora seja considerada uma das estradas mais difíceis do mundo, seu percurso é seguro e dá acesso ao Paso de los Caracoles, parada obrigatória para quem cruza essa fronteira internacional, a 3.175 metros sobre o nível do mar.

foto: Creative Commons

RUTA 40
(Argentina)

A maior estrada da Argentina tem cinco mil quilômetros de extensão e vai de Río Gallegos, no sul da Argentina, a La Quiaca, na fronteira com a Bolívia.

Embora ainda apresente trechos intransitáveis ou possíveis apenas com carros 4×4, a Ruta 40 dá acesso a destinos como Mendoza, La Rioja, Catamarca e Salta. Um dos destaques é o Siete Lagos, trecho cênico de 96 quilômetros, em Neuquén, de Villa La Angostura a San Martín de los Andes.

foto: Ministerio de Turismo/Reprodução

RUTA NACIONAL 3
(Argentina)

O terreno plano da Patagônia é cortado por essa estrada que, por si só, já vale a viagem.

A RN 3 é uma via de mais de três mil quilômetros que vai de Buenos Aires ao Ushuaia, na Terra do Fogo, passando por um cenário desértico que pouco lembra as conhecidas imagens patagônicas. Nesse longo trajeto que tem o oceano Atlântico como vizinho, o viajante chega a atrações como Porto Madryn, Porto Pirámides e Península Valdés.

Acesso a Puerto Pirámides (foto: Ministerio de Turismo/Reprodução)

CAMINHO DA MORTE
(Bolívia)

Das montanhas nevadas de La Cumbre, a 4.700 metros sobre o nível do mar, até Yolosa são vertiginosos 3.650 metros de descida, nessa que já foi uma das estradas mais mortais do mundo.

Conhecida como ´Antiguo Camino a los Yungas´, essa rota de 80 quilômetros vai de La Cumbre, aos pés da montanha Huyaina Potosí, a 11 km de La Paz, ao município de Coroico, na região dos Yungas.

A experiência costuma ser de bicicleta e é marcada pelas mudanças bruscas de temperaturas, entre o altiplano e a pré-selva amazônica.

Estrada da Morte (foto: Eduardo Vessoni)

FONTE VIAGEM EM PAUTA

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade