24 de abril de 2024 00:28

TCE pode barrar ‘privatização branca’ da Cemig

A decisão de vender ativos valiosos da companhia foi aprovada pela reunião do Conselho de Administração de 6 de fevereiro, a primeira deste ano, e prevê o que chamam de desinvestimentos

Como fez com a Codemge, o Tribunal de Contas do Estado poderá barrar também a privatização branca, como é chamada pelo mercado, da Cemig, a joia da coroa. A decisão de vender ativos valiosos da companhia foi aprovada pela reunião do Conselho de Administração (6/02/24), a primeira deste ano, e prevê o que chamam de desinvestimentos.

As empresas alvo da medida são a Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. (Taesa) e Aliança Energia, que, juntas, produzem ganhos de cerca de R$ 600 milhões/ano à Cemig. A decisão do Conselho foi tomada em meio ao processo de federalização da estatal.

A mesma estratégia foi adotada pelo governo Zema junto à Codemge e prevê venda de ativos de estatais para driblar as dificuldades de privatização. A desestatização só poderia ser aprovada mediante aprovação legislativa e seguida, de acordo com a Constituição estadual, de referendo (consulta popular).

Para superar a dificuldade, o governo estadual se apoia em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no caso da Eletrobras, autorizou a venda dos ativos sem o aval legislativo.

A ação que tentará barrar a privatização branca deverá ser protocolada no Tribunal de Contas nos próximos dias pelo deputado Professor Cleiton (PV). O argumento é o mesmo que serviu à suspensão da venda de ativos da Codemge, ou seja, além do aval legislativo, o deputado se ampara no processo de federalização das estatais mineiras que entrariam como abatimento da dívida de Minas junto ao governo federal, na casa dos R$ 160 bilhões.

Gestão de portfólio

No caso da Codemge, a estratégia foi barrada pelo Tribunal de Contas em outubro passado, ao reprovar a preparação de privatização da empresa. A decisão quer evitar um processo de privatização “disfarçado” sem a autorização prévia exigida pela legislação mineira. Por isso, o TCE-MG determinou a suspensão do chamado “Programa de Gestão de Portfólio”, em desenvolvimento na Codemge.

Esse projeto seria uma etapa prévia para levantamento de valores e ativos pertencentes à companhia e que possam ser ofertados à iniciativa privada. A decisão atendeu a um pedido do Ministério Público junto ao tribunal.

Sucateamento

De acordo com o conselheiro substituto do TCE, Hamilton Coelho, a estratégia sucateia as estatais ao driblar o processo legal de privatização. Segundo Coelho, seria o mesmo que o dono de um carro vender os pneus, os para-choques e até o motor, alegando que não estaria vendendo o automóvel. Seu parecer amparou a decisão de 6 a 1 contra a privatização branca. O governo já tentou e ainda tenta derrubar a decisão.

Estado confirma estudos


O governo mineiro contesta que esteja buscando a privatização sem autorização legislativa. Alega, porém, que, para que se possa realizar a privatização, são necessários diversos procedimentos preparatórios, entre eles estudo para saber quanto vale o ativo minerário que o estado possui, por meio da Codemge. Para esses procedimentos preliminares não seria necessária autorização legislativa.

Oposição em ação

Em outra frente, integrantes do bloco de oposição a Zema na Assembleia Legislativa vão a Brasília hoje para tentar dar um empurrão na negociação de Minas com o governo federal na questão da dívida. Ao mesmo tempo, irão denunciar a tentativa de esvaziamento das estatais mineiras. O primeiro encontro será com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), um dos autores da proposta de negociação; em seguida, a reunião será com técnicos do Ministério da Fazenda.

Royal Flush


O pomposo nome é uma das mais altas jogadas do poker e está sendo ensaiada por um especialista nas cartas. O ex-presidente e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Mauri Torres, se aposenta em 2026, quando completa a expulsória dos 75 anos, e articula voltar a ser deputado estadual. Para concluir o Royal Flush, seu filho e deputado estadual Tito Torres se candidataria ao cargo atual do pai. O problema do herdeiro é a baixa idade.

Contas do governo


No próximo dia 13, o Tribunal de Contas do Estado vai julgar, no mesmo dia, as contas do governo estadual dos anos de 2021 e 2022. O relator dos processos é o presidente do TCE, Gilberto Diniz, e as previsões não são de bom tempo.

Gabriel e a política

Vitorioso em dois processos de cassação que ameaçavam sua continuidade na política oficial com mandato, o presidente da Câmara de Belo Horizonte, vereador Gabriel Azevedo, terá que cobrir o nariz, nesta semana, para tomar decisão difícil para disputar as próximas eleições.

Ele terá que se filiar a um partido. Conta que tem cinco opções, hoje, desde voltar ao PSDB ou ingressar no MDB, partido pelo qual, em 2014, manifestou “nojo”. Além desses dois, ainda conversa com o Republicanos, União Brasil e PSB.

Ele prevê que, após as eleições de outubro próximo, apenas 10 partidos irão sobreviver politicamente por conta da chamada cláusula de barreiras.

FONTE ESTADO DE MINAS

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade