Comerciante Oriental nega agressão a cadela, mas é multada em R$19 mil por maus tratos a animais

24
Comerciante esfaqueia cachorro e revolta lafaietenses/Reprodução facebook
Comerciante Oriental nega agressão a cadela, mas é multada em R$19 mil por maus tratos a animais/Reprodução

Uma comerciante de origem oriental, dona de uma lanchonete e pastelaria, localizada na Avenida Prefeito Telésforo Candido de Resende, no centro de Conselheiro Lafaiete, foi multada em mais R$19 mil por maus-tratos de animais.

De acordo com o Boletim de Ocorrência da Polícia Ambiental, a sanção foi aplicada baseada em relatos de testemunhas que afirmaram ter visto a mulher agredir a cadela com a faca cravada no lombo do animal. A suposta autora da agressão não foi presa em flagrante conforme prevê a lei de maus tratos aos animais. O fato ganhou as redes sociais e repercussão geral em Lafaiete.

A nossa reportagem esteve na lanchonete na manhã desta quinta feira (28/12), um dia após a agressão, e em contato com a comerciante e seu marido, que gentilmente nos atendeu e repercutiram o caso. Ela contestou a versão das testemunhas e lojistas alegando que no momento não havia ninguém no comércio. Portanto considerou que tais afirmações foram baseadas em suposições.

A comerciante se defendeu justificando que não utiliza este tipo de faca em seu comércio, estranhando que os policiais não revistaram o local para levantamento de provas que pudessem incriminá-la.

Ela apresentou a cópia do Boletim de Ocorrência e um Termo de Compromisso e Ciência (TCO) da audiência que já foi preestabelecida para o próximo dia 21 de fevereiro, às 14:20 horas, no Juizado Especial Criminal do Fórum de Conselheiro Lafaiete devidamente assinada. A comerciante lamentou que no seu comércio e nas proximidades não existem câmeras de seguranças para comprovar a sua versão.

Ela contou que fazia o recolhimento de um cesto de lixo, próximo ao balcão da lanchonete, quando a cadela entrou na lanchonete já com a facada cravada no lombo. Assustada, a comerciante espantou o animal que saiu correu correndo do comerciando deixando a impressão de que ela teria agredido o animal. A cadela sempre passava pela lanchonete e era alimentava com sobras de alimentos pelo seu filho.

A comerciante disse que o caso está sendo acompanhado por seu advogado. Já a cadela, depois da exposição nas redes sociais e a comoção social, foi adotada.