Conselho de Enfermagem vistoria UPA 24h e aponta qualidade na prestação do atendimento

38

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) de Congonhas oferece infraestrutura e assistência de qualidade à população, sendo referência em Minas Gerais. Em vistoria realizada em junho deste ano para verificar a atuação do estabelecimento de saúde frente à pandemia do coronavírus, o Conselho Regional de Enfermagem (COREN) concluiu que o serviço possui organização superior a todos os outros fiscalizados no estado.

O atendimento da UPA 24h foi modificado para atender a demanda usual e a demanda de casos relacionados à Covid-19. Iniciada no dia 5 de março, a nova organização contempla, entre outros, controle de fluxo para diminuir a circulação de pessoas na unidade; distribuição de Equipamento de Proteção Individual (EPI) aos profissionais; disponibilidade de oito leitos de retaguarda ao Hospital Bom Jesus; e aumento de área de isolamento de quadros respiratórios.

Duas ambulâncias foram destinadas exclusivamente ao atendimento à Covid-19, para levar o paciente até sua residência após a alta médica e fazer transferências.

Segundo o parecer enviado ao Ministério Público do Trabalho pela enfermeira fiscal do COREN, Lélia Vieira Póvoa, “a UPA 24h está organizada em conformidade com as recomendações da Anvisa e o fornecimento de EPIs atende as normas técnicas. Identificamos o serviço com organização superior a todos os outros serviços fiscalizados nesta capital e Estado de Minas Gerais”.

Os profissionais dispõem de todos os equipamentos de proteção individual, com trocas realizadas quatro vezes ao dia. As máscaras de proteção facial (face shield) são entregues no início de cada plantão e recolhidas ao final, sendo encaminhadas à Central de Material de Esterilização (CME) para serem higienizadas. A UPA 24h também conta com uma caixa de entubação orotraquel com kit de paramentação, composto por capote impermeável, máscara N95, touca e propes.

“Durante a vistora nos setores, foi identificado que os profissionais que encontravam-se em serviço estavam adequadamente paramentados. Inclusive relataram que não há falta de nenhum EPI e que as trocas seguem as recomendadas pelas notas técnicas”, diz o documento. Além disso, os profissionais “informaram estarem capacitados para atendimentos a pacientes suspeitos de Covid-19, tendo sido orientados quanto a paramentação e desparamentação, dentre outros temas”.

Os fiscais percorreram toda a unidade, observaram os processos de trabalho e conversaram com a equipe. “Os profissionais identificaram o funcionamento como adequado, até superior à maioria dos estabelecimentos que visitam. Fizemos essa adaptação na UPA sem comprometer o serviço, atendendo a demanda e sem cruzamento de infecção. Não teve prejuízo no atendimento, a unidade continua funcionando normalmente. Comparado à região, também temos um baixíssimo índice de profissionais de saúde sintomáticos para a Covid-19, o que demonstra que o nosso fluxo é eficaz”, destaca a coordenadora da UPA 24h, Alice Henriques da Silva Teixeira.

A qualidade no atendimento só é possível graças não só à infraestrutura, mas principalmente ao empenho e à dedicação de todos os profissionais. “Fizemos um banner em reconhecimento ao comprometimento da equipe, principalmente nesse período de pandemia. Eles estão sendo muito parceiros”, diz.

O fluxo de atendimento é implementado por uma equipe composta pela coordenadora da UPA, Alice Henriques da Silva Teixeira; pela enfermeira e Referência Técnica do Comitê de Operação de Emergência (COE), Hilda de Oliveira Souza; pela enfermeira da Comissão de Controle de Infecção, Sarita Natania Lopes Silva; pela Responsável Técnica de Enfermagem, Maria Cândida Mendes Vasconcelos, pelo diretor Clínico, Leandro Fortes Cury Lima; e pela Diretora Técnica, Cilene de Oliveira Rocha.