Coral Cidade dos Profetas homenageou Aleijadinho e consolidou parceria entre Congonhas e Ouro Preto

13

Congonhas e Ouro Preto, cidades mineiras que abrigam obras-primas da era colonial, se uniram para celebrar os 280 anos de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Legado do escultor em terras ouropretanas, a Igreja São Francisco de Assis recebeu, na noite dessa quarta-feira, 29, o Coral Cidade dos Profetas, com interpretação da Missa em Fá Maior, de Lobo de Mesquita. O momento não só marcou o encerramento da programação do “Mês do Aleijadinho”, mas também reforçou a parceria entre os municípios.

Além dos admiradores da música colonial mineira, estiveram presentes o secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, o secretário de Comunicação e Eventos de Congonhas, Sérgio Rodrigo Reis, o prefeito de Ouro Preto, Julio Ernesto de Grammont, e o secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni. O evento foi realizado pelas prefeituras de Congonhas e de Ouro Preto, com apoio do Museu Aleijadinho, da Gerdau e da Paróquia Nossa Senhora da Conceição.

Segundo o secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, Aleijadinho é a razão pela qual Congonhas e Ouro Preto receberam os títulos de patrimônios culturais da humanidade, concedido pela UNESCO. Além de destacar o legado do escultor para as duas cidades, ele enfatizou a importância de se celebrar a música da era colonial, com a apresentação do Coral Cidade dos Profetas, que interpretou composições de Lobo de Mesquita, contemporâneo de Aleijadinho. “É importante que possamos celebrar esse grande patrimônio que recebemos do século 18 e saibamos conservá-lo, valorizá-lo e tirar proveito, porque, por meio do patrimônio cultural, podemos criar emprego, gerar renda, postos de trabalho, beneficio para todos, de tudo aquilo que o patrimônio enseja como atividade humana, lucrativa, tanto para o espírito quanto para o bolso”, completou.

A união de Congonhas e Ouro Preto para comemorar o aniversário de Aleijadinho consolidou a parceria entre as duas cidades, segundo o secretário municipal de Comunicação e Eventos, Sérgio Rodrigo Reis. Para ele, o momento mostrou a força da Cidade dos Profetas e abriu as portas para a produção artística local. “O Coral fez muito bonito! Foi uma noite muito especial, que rendeu um convite para o grupo voltar a Ouro Preto, no dia 18 de novembro, em um momento especial para a cidade, que vai receber o novo Bispo de Mariana para uma celebração na Igreja São Francisco de Assis. Isso abre uma perspectiva muito importante para o Coral e leva o nome de Congonhas para fora da nossa cidade, para o Brasil inteiro. Estamos trabalhando para levar uma exposição belíssima para o Museu de Congonhas em novembro. É uma exposição da Fundação de Arte de Ouro Preto, com a coleção de 40 presépios vencedores do concurso que todo ano instituição faz”, destacou, reforçando que a parceria entre os municípios continuará.

Para o prefeito de Ouro Preto, Julio Ernesto de Grammont, é uma satisfação as duas cidades estarem unidas para comemorar o aniversário de Aleijadinho. “Estamos participando dessa grande homenagem ao maior artista brasileiro, que é Aleijadinho, reconhecido internacionalmente e deixou um legado de obras fabulosas. Temos a integração dos dois municípios, Congonhas e Ouro Preto, caminhando juntos em prol da conservação do patrimônio”, disse.

O secretário de Cultura e Patrimônio de Ouro Preto, Zaqueu Astoni, explicou que as duas cidades têm desenvolvido atividades educativas e culturais em conjunto desde 2017. Um exemplo é o Programa de Mídia-Educação. “É uma grande comemoração que mostra a união de Ouro preto e Congonhas. São cidades irmãs ligadas pelo traço e genialidade do Mestre Aleijadinho. O aniversário de Aleijadinho e toda essa programação conjunta vem mostrar a importância da cultura, do patrimônio e do legado do Aleijadinho. Ouro Preto está de portas abertas e temos que trabalhar juntos em prol do desenvolvimento do turismo, da cultura e do patrimônio de Minas Gerais e do Brasil”, reforçou.