Famocol: SOREAR lidera mobilização regional em torno da BR 040 e plano de mobilidade urbana esbarra em falta de recursos

15

Em uma reunião proveitosa, a Federação das Associações de Moradores de Conselheiro Lafaiete (Famocol) reuniu lideranças comunitárias ontem a noite no Solar Barão do Suassuí.

Reunião da Famocol discutiu BR040 e mobilidade urbana/CORREIO DE MINAS

O presidente da SOREAR (Sociedade de Engenheiros da Região do Alto Paraopeba), Crispim Ribeiro, explanou sobre a mobilização dos atores políticos de Lafaiete em torno dos interesses do Município no novo edital de concessão da rodovia 040. Ele defendeu que a cidade lidere um movimento regional reunindo os Municípios impactados pela rodovia. “Haverá uma nova licitação e quando for publicado o edital precisamos estar com nossas demandas e pleitos definidos. Caso contrário, faremos como em 2013 quando fomos pegos de surpresa. As obras e intervenções que não estiveram contempladas no edital não serão executadas. Por isso conclamo a todos a mobilizarmos em torno de nossos interesses de maneira regional”, disse Crispim já cobrando a realização de uma audiência pública na Câmara Municipal.

Lafaiete tem um longo trecho cortado pela rodovia é necessita de pontes, viadutos, trincheiras, retorno, galerias, iluminação e uma gama de investimentos visando a segurança e trafegabilidade.

Como possui uma cadeira no Grupo Paritário de Trabalho da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) criada pela Portaria 130 (22/07/14) para discutir as intervenções realizadas e a serem realizadas ao longo da rodovia BR-040 no trecho Brasília/Juiz de Fora, o que garante a entidade credibilidade e autoridade para discutir todas as demandas da sociedade no novo edital ainda sem data definida para publicação. “Volto a frisar que precisamos estar mobilizados e antecipar as discussões dentro de um planejamento regional. Precisamos do apoio da sociedade, do poder público, das entidades e da pressão dos parlamentares para destravar esta nova licitação”, observou.

Em sua peregrinação pelos Municípios da região, Crispim esteve reunido com diversas cidades como Santos Dumont, Cristiano Otoni já antecipando as discussões do edital. Na semana passada, durante reunião da AMALPA, a SOREAR levantou as discussões junto aos prefeitos e lideranças regionais na urgência da mobilização. O assunto também será debatido com os prefeitos da AMVER (São João del Rei) e AMA (Barbacena).

Na reunião de ontem ficou definido que a FAMOCOL vai mobilizar as lideranças comunitárias em torno dos pleitos de Lafaiete em torno da BR 040. Todas as sugestões serão levantadas e organizadas.

 Plano de Mobilidade urbana esbarra a falta de recursos

Engenheiro Crispim alertou sobre a necessidade de mobilização de Lafaiete em torno de seus interesses na BR040/CORREIO DE MINAS

Em outra pauta discutida na reunião mensal da FAMOCOL estava a importância do Plano de Mobilidade Urbana cujo prazo de discussão e elaboração termina em abril do ano que vem. Sem o plano o município fica impedido de pleitear recurso na área junto ao Ministério das Cidades.

O plano de mobilidade urbana é o instrumento de efetivação da Política Nacional de Mobilidade Urbana e deve contemplar, entre outros aspectos: os serviços de transporte público coletivo; a circulação viária; as infraestruturas do sistema de mobilidade urbana; a acessibilidade para pessoas com deficiência e restrição de mobilidade; a integração dos modos de transporte público com os privados e os não motorizados; a operação do transporte de carga na infraestrutura viária; e os mecanismos e instrumentos de financiamento do transporte público coletivo e da infraestrutura de mobilidade urbana.

Conforme explicou o secretário de Defesa Social, Pedro Loureiro, cuja pasta agrega o trânsito, o plano local vai priorizar a acessibilidade e o transporte público.

Segundo ele, a proposta do plano com as diretrizes e ações já está na procuradoria para a licitação. O entrave esbarra na falta de recursos. Os orçamentos levantados pela pasta apontam que os valores para a elaboração variam entre R$ 400 mil até R$1,4 milhão.

Pedro Loureiro explicou que através de um Inquérito Civil Público a promotoria tentou buscar recursos para o custeio do plano de mobilidade urbana através de recursos uma ação de mitigação dos impactos das grandes mineradoras e siderúrgicas no trânsito local, porém não avançou.

O secretário explicou que o plano será discutido com a sociedade organizada, as entidades e lideranças de bairros para ouvir as demandas e discutir as intervenções sugeridas. Pedro explicou que ainda este mês deve ser assinado o convênio com o Governo do Estado para que o Município possa utilizar os pátios credenciados pelo DETRAN no cumprimento efetivo da fiscalização e reboque. Sobre o convênio com a PM ainda é está indefinido, mas o município discute a possibilidade com o 31º Batalhão. O secretário foi cobrado pelas pinturas de faixas e manutenção dos semáforos. Ele adiantou que a secretaria fará um estudo de impacto entre a MG 129 e Lima Dias para levantar o fluxo e propor soluções do trânsito no local.