fbpx
15.8 C
Conselheiro Lafaiete
sábado, 31 julho 2021
InícioPolíciaOperação conjunta Sansão em Ação apura denúncias de maus tratos em Conselheiro...

Operação conjunta Sansão em Ação apura denúncias de maus tratos em Conselheiro Lafaiete

A Polícia Civil de Minas Gerais e a Polícia Militar de Meio Ambiente, juntamente com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e a Associação Lafaietense de Proteção aos Animais (ALPA), realizaram a operação “Sansão em ação”. A Operação foi realizada entre os dias 2 e 10 de julho e teve como objetivo verificar denúncias de maus tratos a animais na cidade de Conselheiro Lafaiete e região, realizadas através do disque denúncia 181.

Foram fiscalizadas 25 denúncias de maus tratos, com recolhimento de 8 animais e 3 pessoas conduzidas. “As denúncias de maus tratos descrevem situações onde os animais, principalmente cães e gatos, estão sujeitos a condições de vida inadequadas, quase sempre pela privação das necessidades básicas. Acredito que a população esteja começando a entender que o bem estar do animal, seja qual ele
for, é de responsabilidade do tutor”, explica o tenente Felipe Barros, da Polícia Ambiental em Conselheiro Lafaiete.

A ação teve também como propósito conscientizar a população sobre o que é considerado maus tratos, as mudanças previstas na lei conhecida como “Lei
Sansão”, devido ao episódio do cão que teve as patas decepadas e a importância das denúncias para a apuração desse tipo de crime.

O que caracteriza maus-tratos?

Animais vivendo em locais inapropriados e repletos de sujeira, acorrentados ou aprisionados em espaços muito pequenos, sem água e comida, machucados ou
mutilados. Estes são alguns exemplos de maus tratos e que se enquadram na Lei 14.064/20, também conhecida como Lei Sansão.

Um dos exemplos de maus-tratos que a veterinária e diretora da ALPA Carla Sassi cita é privar o animal confinado de água e alimento por mais de 12 horas, além de manter o animal preso permanentemente. “Se o animal precisar ficar preso em algum momento do dia, a corrente deve ser pelo menos de 3 metros, alimentação duas vezes ao dia e água limpa disponível todo o tempo para ele”, explica a veterinária.

O gerente de Vigilância Ambiental, Enderson Barreto, explica que o município não tem canil municipal e o Centro de Controle de Zoonoses não faz o recolhimento de animais. “A responsabilidade com o cuidado do animal é do tutor. O trabalho que é
feito no setor, envolve além das castrações de forma gratuita, o cuidados de animais que apresentam alguma doença de caráter zoonótico e o amparo técnico para tomada de decisões nas ações das polícias’, explica Enderson.

Lei Sansão: maus-tratos agora pode dar cadeia

A lei 14.064/20, conhecida como Lei Sansão, prevê a pena de reclusão de dois a cinco anos para prática de abuso e maus tratos a cães e gatos, além de multa e proibição da guarda.

Com a criação da lei passou a ser possível a prisão em flagrante dos infratores.
Inicialmente, como a pena máxima prevista era de 1 ano, as partes eram encaminhadas para a delegacia onde se realizava a elaboração do chamado TCO –
Termo Circunstanciado de Ocorrência, sendo liberadas em seguida. “Com o patamar da pena elevado o indivíduo surpreendido em flagrante deve ser preso, só
sendo liberado mediante pagamento de fiança”, explica o delegado regional Maurício Carrapatoso.

A alteração também implica na possibilidade de cumprimento de pena em regime fechado para reincidentes. “Além disso, agora é possível a aplicação de multa cumulada com as demais punições e a proibição de que o condenado volte a
ter animais de estimação domésticos. As multas podem chegar até aproximadamente 25 mil reais, no caso de animais silvestres”, conta o sargento da
Polícia Ambiental, Daniel Gomes.

É importante ressaltar que as leis de maus tratos só funcionam se houver uma
denúncia – seja ela anônima ou não. Assim, as autoridades poderão dar início à investigação e, consequentemente, condenar os responsáveis pelo crime. “É necessário destacar que mesmo com os avanços da lei é preciso que as acusações
sejam provadas. Por isso a orientação da Policia Civil é que, ao presenciar casos de maus tratos, a população registre o fato, através de gravações, fotos e filmagens
e acione imediatamente a Polícia Civil ou Militar para atender à ocorrência”, explica a Investigadora de Polícia Sylvia Pagotto.

As ações de verificação de denúncias e conscientização vão acontecer até o fim do mês de julho, com intuito de formalizar o mês como referência ao combate dos maus tratos na cidade de Conselheiro Lafaiete.

Texto: Sylvia Pagotto.
Edição/revisão: Thays Ferreira e Welington Capristrano.
Assessoria de Comunicação
13° Departamento de Polícia Civil

Mais lidas