Prefeito Ivar cobra do Governador Fernando Pimentel retomada da obra do hospital regional

93
Foto/Divulgação

Muitos prefeitos mineiros estão à espera dos primeiros atos do governador Fernando Pimentel (PT) voltados para novos projetos para seus respectivos municípios, mas, principalmente para conclusão de obras que começaram na gestão passada e ainda não foram concluídas. É o caso do hospital regional de Conselheiro Lafaiete, que teve o projeto lançado em 2009, porém a empresa Diedro, responsável pela obra, no final de 2012 paralisou os trabalhos alegando falta de recursos.

Em janeiro de 2014 a prefeitura de Lafaiete determinou que se fizesse uma auditoria para ver qual era a situação da obra, orçada em 15 milhões de reais. A empresa auditora Álvaro Sardinha Neto realizou um varredura no projeto de construção do hospital, quando detectou que havia irregularidades, as quais a empresa Diedro deveria confirmar se foram executadas, como instalações hidráulicas e elétricas. Os valores de projetos não executados ou que deveriam ser comprovados chegariam, segundo a auditoria, em 5 milhões de reais.

O prefeito de Lafaiete, Ivar de Almeida Cerqueira Neto (PSB) explica como está essa situação e a expectativa de ver concluída a obra que vai atender não apenas o cidadão lafaietense,mas pacientes oriundos da regional Lafaiete. “Ratificamos aquilo que previmos desde o início de nosso governo quando decidimos pela paralisação daquela obra. Por enquanto todos os recursos aplicados lá são todos do governo do estado, da obra e da urbanização. Quando for funcionar, e vai, é questão de tempo, o município entrará com sua parte para atendimento e manutenção. E mesmo ainda em obra já conseguimos avanços. Vamos ter uma Upa nível 3 funcionando lá. Estamos ai com um contato bem estreito com o governo Pimentel e acreditamos no prosseguimento das obras. Vamos  sentar e discutir as mudanças que queremos para o hospital”.

Terreno

Outra situação de pendência junto ao governo estadual é a do terreno da Cohab – Companhia de Habitação de Minas Gerais, no bairro Paulo VI. No local, havia a previsão de instalação de um shopping, liderado pelos grupos Epa e Bretas, e como consequência a instalação da industrial Rex, uma fábrica de parafusos, que deveria ser instalada em um terreno do grupo de empresários que foi trocado com o município de Lafaiete. Porém, em 2012, a Cohab contestou a doação do terreno para instalação do shopping, com a alegação que a cessão para prefeitura era para expansão industrial e não comercial.

O caso foi parar na justiça e no dia 11 de dezembro último a juíza Célia Maria Andrade Freitas decidiu que o município deu ao imóvel destinação no prazo estabelecido no contrato de doação.  Da decisão ainda cabe recurso por parte da Cohab, mas o prefeito Ivar disse que tem feito contatos para que a companhia retire o processo e confirme a doação para Lafaiete. “Quero destacar aqui o trabalho do nosso procurador Luiz Antônio Teixeira Andrade e toda a sua equipe, naquilo que tínhamos inteira convicção que aquele terreno é nosso, é do município. Temos ai quase 200 empresas querendo se instalar em Lafaiete. E não estamos parados, já fizemos diversos contatos, para que chegue ao governador, que a situação é claríssima. O terreno é nosso. E a Rex não foi esquecida. Ela virá para Lafaiete assim que a situação for totalmente esclarecida”.

O prefeito aproveitou e fez um apelo: “Por favor Estado, não recorra da decisão da Justiça. Deixe Lafaiete seguir em frente”.