Semana será de protestos contra aumento da passagem a R$3,70 em Lafaiete

7

A semana será marcada por protestos contra o reajuste de 25%, na tarifa de õnibus em Lafaiete. O aumento já foi aprovado no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT), saltando de R$3,00 para R$3,70, mas nesta terça feira, dia 26, os estudantes e segmentos organizados irão às ruas levantar as vozes contra o reajuste.

A concentração ocorre na Praça da Rodoviária a partir das 17:00 horas. Em seguida eles partem até a Praça Tiradentes e depois vão à Câmara Municipal quando estudantes querem o posiciomento dos vereadores contra o aumento.

Há 15 dias, por uma série de equívocos legais, uma audiência pública promovida pelo CMTT foi cancelada na qual discutiria o reajuste antes da sanção do prefeito Mário Marcus (DEM).

Lafaietenses querem repetir os protestos de 2017 quando barram o aumento da passagem

Esta semana, o vereador João Paulo Pé Quente (DEM) que por duas vezes em anos anteriores acionou a Justiça contra o aumento, antecipou que o reajuste não deve sair neste antes de março devido a recomposição do CMTT, devido a exoneração do Secretário Municipal de Defesa Social, o ex delegado Pedro Loureiro. Pé Quente salientou que o aumento seria justo, mas criticou a falta de qualidade do transporte público. “São ônibus estragados todos os dias em Lafaiete. Isso é um absurdo”, criticou.

Dívidas e aumento

Ao certo, os lafaietenses podem preparar o bolso porque o aumento virá. Resta saber ainda qual o índice, mas a passagem ao menos ficará em R$3,50. A Viação Presidente usa a justificativa do elevado número de gratuidade “Gratuidade não é privilégio, mas direito”, bradou na Tribuna em favor dos usuários, o vereador Sandro José (PSDB).

Nossa reportagem teve acesso ao demonstrativo financeiro que a Viação Presidente protocolado na Câmara Municipal. Os dados e informações assustam pois evidencia uma empresa em crise que operou em 2018 com prejuízos de mais de R$1,7 milhões, perfazendo cerca de R$216 ao mês.

A gratuidade prevista em lei atinge 38% do total de usuários. Foram mais de 2,1 milhões de passagens gratuitas cujo valor é de R$6,4 milhões em 2018. A empresa alega que a tarifa deveria ser de R$5,46 para manter o patamar do número de gratuidade.

O sucateamento do transporte público vem de mais de uma década, quando a  empresa não fez o investimentos necessários para manter a qualidade de sua frota agora empurra aos usuários o custo da má gestão da empresa e precariedade do sistema.

Leia também: