Mulher é encontrada em córrego após ser incendiada pelo companheiro em MG

Vítima seria transferida para Belo Horizonte devido à gravidade do quadro de saúde

Uma mulher de 23 anos foi encontrada em um córrego na zona rural de Sabinópolis, no Rio Doce, no final da noite desse domingo (14 de abril). Ela estava com queimaduras pelo corpo.

A última informação da Polícia Militar, durante a madrugada desta segunda-feira (15 de abril), é de que a mulher seria transferida para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte.

Testemunhas disseram que o companheiro da vítima, de 33 anos, foi quem jogou combustível e ateou fogo na mulher. O casal é conhecido na região por diversas ocorrências de lesão corporal entre ambas as partes. Uma vizinha relatou que ouviu uma discussão durante a noite e, em seguida, viu a mulher em chamas correndo pelo terreiro em direção ao riacho.

O homem fugiu e foi até a casa da mãe. Lá, ele contou o que tinha feito e, depois, saiu a pé. Ele não foi localizado até a manhã desta segunda-feira.

A equipe médica do Hospital São Sebastião informou que a vítima tinha 80% da área corporal queimada com queimaduras de 2º e 3º graus. O estado de saúde era considerado grave e, por isso, foi recomendada a transferência. A vítima, apesar do delicado estado de saúde, confirmou que foi o companheiro o autor do homicídio tentado.

 

FONTE O TEMPO

ASSASSINATOS E TRAGÉDIAS: PCMG abre inquérito para apurar assassinatos de mulher e seu filho por ex-companheiro

A Polícia Civil de Minas Gerais informa que já foi instaurado inquérito policial para apurar o duplo homicídio ocorrido no município de Antônio Carlos, perto de Barbacena (MG).

De acordo com as investigações, as vítimas (uma mulher de 32 anos e um adolescente de 14 anos) foram mortas pelo ex-companheiro da mulher.
A vítima, que possui outros três filhos com o suspeito, teria se separado do companheiro no início do ano e ido morar em outra localidade com o adolescente, que era seu filho de outro relacionamento. O homem fugiu após cometer o crime e segue foragido até o momento.

A equipe de policiais civis responsável pelo caso está realizando todas as diligências com objetivo de localizar o responsável pelos homicídios. Ao mesmo tempo, estão sendo colhidos depoimentos de todas as testemunhas do fato, bem como sendo realizadas as perícias no local do crime e as necropsias das vítimas.

Homem mata companheira com barra de ferro um mês após início de namoro

Suspeito confessou o crime a uma prima e disse que tomou chumbinho antes de fugir

A Polícia Militar procura por um homem de 41 anos suspeito de matar a companheira, de 34 anos, na madrugada desta sexta-feira (22 de março). O crime ocorreu no bairro São Cosme, em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Vizinhos chamaram a polícia para um possível feminicídio após ouvirem gritos de socorro em uma voz feminina e barulho de ferro batendo no interior do imóvel. Uma testemunha relatou que viu o suspeito sair do local rumo à rua Alcides Calazans.

Uma prima do suspeito conversou com a PM e informou que recebeu uma ligação do parente pedindo para ela descer até o portão da casa dela. Ele confessou que tinha “feito m***” e que após o crime tomou chumbinho para tentar se matar.

O corpo da mulher foi encontrado pela polícia com vários ferimentos no rosto e no crânio. A barra de ferro que teria sido utilizada no crime foi apreendida. A perícia foi realizada e o corpo removido já no começo da manhã desta sexta-feira.

Informações recebidas pela PM apontam que o homem tem um bar na avenida Venâncio Pereira e que a vítima trabalhava em uma padaria em frente ao bar. Eles começaram a namorar há um mês. Ainda não se sabe a causa do crime.

Conforme a Polícia Militar, o homem responde a inquéritos por roubo e por ameaça.

 

FONTE O TEMPO

BR-040: jovem, de 21 anos, queimada viva foi morta por namorado que ela conheceu há 40 dias

A Polícia Civil (PC) concluiu que Layse Stephanie Gonzaga Ramalho da Silva (de 21 anos) esfaqueada e queimada, em 19/2, na BR-040, entre Pedro Leopoldo e Esmeraldas (MG), morreu após fugir de cárcere privado, onde era mantida pelo namorado (de 40 anos), que tentava extorquir a família dela. Ele foi preso em flagrante pela Polícia Militar (PM). Os dois tinham se conhecido há menos de 40 dias.

A vítima foi encontrada por um caminhoneiro e morreu no hospital. A delegada Alessandra Wilke (do DHPP) disse que o suspeito tem passagens por diversas localidades sob diversos nomes. “Ele se relacionava com mulheres de forma possessiva, buscando vantagem”, afirmou a delegada, adiantando que as mulheres eram quase sempre novas, atraentes e com boas condições financeiras.

Segundo o delegado Lucas Alves, responsável pelo inquérito, desde o início do relacionamento, o suspeito premeditava obter vantagem sobre a vítima. “Ela morava no Pindorama, em BH, e ele logo se aproximou da família, sondando os bens pecuniários dos parentes dela”, salientou o delegado.

O investigado vinha acumulando dívidas com criminosos quando começou a pedir os empréstimos. “Ele pedia em torno de R$ 40 mil, que a família não tinha condições de fornecer. É quando ele começa a privar a liberdade dela e a ligar para os parentes para pedir dinheiro, ficando mais agressivo”, explicou Lucas.

Sequestro e execução

Perto de 14/2, a vítima é vista pela última vez em casa. Nesse período, o suspeito exigiu novas quantias dos parentes. “Em 19/2, ela sofreu ferimentos cortantes. Depois, foi incendiada ainda com vida. Com o corpo em chamas, ela foi até a BR-040”, descreveu o delegado.

“Havia o intento patrimonial, mas também a relação de posse e objetificação feminina (…)”, concluiu Lucas.

FONTE RADAR GERAL

Saiba quem Layze Stephanie, jovem que teve o corpo queimado na Grande BH

Jovem de 21 anos foi encontrada na noite de segunda-feira (19/2) às margens da BR-040, próximo a Pedro Leopoldo, na Grande BH, com 90% do corpo queimado

Layze Stephanie da Silva tinha 21 anos quando foi encontrada com 90% do corpo queimado às margens da BR-040, próximo a Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na noite dessa segunda-feira (19/2). A jovem era mãe de duas crianças, de 3 e 6 anos. Ela cresceu no Bairro Pindorama, na Região Noroeste da capital. De acordo com a Polícia Militar, Layze foi sequestrada no domingo (11/2) de carnaval e estava sendo mantida em cárcere privado por um namorado.

Ao Estado de Minas, a mãe da jovem contou que desde os 12 anos a filha “começou a dar trabalho” ao se envolver com pessoas “ruins” e a usar drogas. Mais velha, ela chegou a morar com o pai de seus filhos, mas o relacionamento não deu certo.

O último relacionamento de Layze teria sido com o homem preso, suspeito de matá-la. Segundo a mãe dela, a jovem o apresentou à família na sexta-feira (9/2), antes do carnaval. Os dois teriam ficado na casa até o domingo (11/2), quando ela saiu com o homem e não voltou.

“Tem umas duas semanas que ela trouxe esse cara aqui em casa para a gente conhecer ele. Apresentou ele para o pai dela como namorado. Ele disse que iria se casar com ela. Eles ficaram aqui em casa de sexta-feira a domingo”, conta a mãe.

Pelas redes sociais, uma amiga da jovem lamentou o fato. “Me pediu conselhos e conversamos tanto. Que Deus te dê um bom lugar”, escreveu a mulher.

Desaparecimento

Layze foi encontrada na noite dessa segunda-feira (19/2), às margens da BR-040, em Pedro Leopoldo, na Grande BH, por um caminhoneiro que passava pelo local. Ela estava com 90% do corpo queimado, chegou a ser encaminhada para o Hospital João XXIII, mas não resistiu aos ferimentos. Conforme boletim de ocorrência, a jovem também foi esfaqueada.

A família da vítima estava sendo chantageada e perseguida, para pagar mais de R$ 30 mil para que a jovem fosse libertada. O suspeito, que havia se apresentado como seu namorado, alegava que estava com uma dívida com traficantes da região e só a soltaria quando o valor fosse pago.

O homem, de 36 anos, identificado apenas como Rogério, é natural do Mato Grosso e tem passagens pela polícia por tráfico internacional de drogas. Ele estava com documentos falsos e, ao ser abordado na noite que a jovem foi encontrada, não apresentou resistência. No entanto, o homem nega que tenha participação na morte da namorada, afirmando que a teria deixado no bairro em que morava com a mãe.

Em conversa com os policiais, o suspeito confessou que teve relações sexuais com a jovem horas antes do crime e que deixou o celular dela como garantia de pagamento por usar o quarto de um motel. Além dele, uma mulher de 34 anos também foi presa. Ela disse que os dois tinham uma dívida com o tráfico e que precisavam do dinheiro para quitar os valores.

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que na noite de ontem, assim que acionada, deslocou uma equipe da perícia oficial ao local do crime, onde foram realizados os primeiros levantamentos e a coleta de vestígios. “Outras informações poderão ser repassadas após a finalização dos procedimentos de polícia judiciária”, disse a PC.

FONTE ESTADO DE MINAS

Homem é preso por matar a companheira a pauladas em Minas Gerais

Suspeito confessou o crime e foi autuado em flagrante; ele contou que eles usaram drogas e brigaram

Um homem de 45 anos foi preso após matar a namorada a pauladas na casa onde moravam no bairro Anchieta, em Felixlândia, na região Central de Minas Gerais, nesse domingo (11).

Segundo a Polícia Militar, um colega de serviço foi até o local, a pedido do próprio suspeito. Quando chegou ao local, a testemunha viu a mulher, de 39 anos, em cima de uma cama, com muito sangue na cabeça. Ele, em seguida, acionou a PM.

Quando chegaram à casa, os militares encontraram o suspeito em um cômodo, com o pedaço de madeira nas mãos. Ele confessou ter golpeado a vítima na cabeça duas vezes durante uma discussão. Eles tinham feito uso de drogas e bebidas alcóolicas.

A Polícia Civil esteve no local para os trabalhos de praxe. O suspeito foi autuado em flagrante e encaminhado para a delegacia. A arma do crime também foi apreendida.

FONTE ITATIAIA

Corpo encontrado boiando em rio é do ex-marido de mulher assassinada em Itabirito

Corpo de Cláudia Aparecida Vieira Martins foi encontrado em um matagal no último dia 27. No dia seguinte, o ex-marido apareceu boiando no Rio das Velhas

O exame no corpo de um homem, encontrado no último dia 28, boiando no Rio das Velhas, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, realizado pelo Instituto Médico Legal (IML), identificou que se trata de Vander Ferreira Martins, de 49 anos.

O homem é o principal suspeito do assassinato da ex-mulher dele, Cláudia Aparecida Vieira Martins, de 50 anos. Ela desapareceu no dia 19 e foi encontrada morta num matagal, em Itabirito, no sábado passado (27).

A confirmação, segundo nota do IML, foi feita por parentes de Vander. Para a família de Cláudia, que era supervisora de limpeza da Prefeitura de Itabirito, a confirmação não põe fim ao drama que estão vivendo.

“O IML acabou de confirmar que é do meu ex-cunhado. É uma mistura de sentimento de indignação e de repúdio. Ele fez uma barbaridade com minha irmã, ele tirou a vida dela covardemente. Agora, que Deus faça a justiça divina porque aqui, na terra, ele deixou uma mágoa imensa na família”, diz a irmã de Cláudia, Regina Vieira.

Desaparecimento

Cláudia foi vista pela última vez num salão de beleza, em 19 de janeiro. Segundo a Polícia Civil, ela teria sido sequestrada e morta por Vander. Eles foram vistos, juntos, no carro dele, seguindo no sentido de Ouro Preto.

O carro de Vander, um Celta, foi encontrado no dia 22 de janeiro, no estacionamento (Arena Gamel), do Bairro Esperança, e no veículo, a PM encontrou um par de brincos, óculos e um pedaço de unha de gel, além de manchas de sangue no banco do passageiro. Tudo foi reconhecido pelo irmão de Cláudia. O veículo estava trancado.

Parentes de Cláudia contaram que o casal tinha se separado, mas Vander não aceitava o fim do relacionamento e, por isso, vivia perseguindo a ex-mulher. Dizia sempre, segundo eles, que “se Cláudia não fosse dele, não seria de mais ninguém”.

Cláudia morava com os três filhos, no Bairro Santo Antônio. O casal estava junto há cerca de 20 anos. De 2021 pra cá, o homem passou a ser agressivo com a esposa e no ano passado, ela se afastou dele, mesmo continuando casados no papel.

FONTE ESTADO DE MINAS

Homem mata namorada e entrega filho para família antes de fugir

Suspeito teria esfaqueado a vítima diversas vezes dentro do apartamento em que o casal morava, na Grande BH

A Polícia Militar procura por um homem, de 23 anos de idade, suspeito de matar a facadas a namorada, de 18, na madrugada desta quarta-feira (10). O crime ocorreu no bairro Chácara Santa Terezinha, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo informações da polícia, o suspeito estava sob efeito de drogas e esfaqueou a vítima várias vezes no apartamento em que moravam. O filho do casal, que não teve a idade divulgada, também estava na residência na hora do crime.

Segundo consta no boletim de ocorrência, a mulher, atingida diversas vezes, foi encontrada muito ensanguentada. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) chegou a ser acionado, mas ela morreu ainda no local. O homem ainda chegou a levar a criança para a casa de familiares antes de fugir no sentido da BR-040.

Os policiais estiveram na casa dos pais do suspeito, onde não o encontraram. Eles seguem nas buscas. A perícia da Polícia Civil esteve no local e o corpo foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) pelo rabecão.

FONTE ESTADO DE MINAS

Homem e mulher suspeitos de planejar feminicídio estão presos

Crime ocorreu em maio do ano passado e outras seis pessoas estão envolvidas

Dois suspeitos de uma tentativa de feminicídio, ocorrida na cidade de Divino, na Zona da Mata, em maio de 2023, foram presos pla Polícia Civil nesta quarta-feira (3/1). Os suspeitos são um homem, de 35 anos, apontado como mandante do crime, e uma mulher, de 37, que teria contratado o executor.

A mulher foi presa em Bom Jesus, distrito de Divino. Já o homem, na área urbana da cidade. A prisão foi realizada em desdobramento da primeira fase da operação “Até que a morte nos separe”.

A arma do crime, um revólver, foi apreendida. Ao ser interrogado na delegacia, o suspeito confessou o crime e deu informações que auxiliaram nas investigações. Os motivos para o crime ainda não foram revelados. Outros seis envolvidos foram presos. O homem e a mulher foram levados para o sistema prisional.

FONTE ESTADO DE MINAS

Família de jovem morta em acidente volta a pedir prisão de acusado de feminicídio

A cidade de Ouro Preto revive a dor de uma tragédia de uma acusação de feminicídio que ocorreu há oito meses, quando uma jovem de 27 anos teve sua vida abruptamente interrompida. O caso, inicialmente tratado como um acidente de trânsito, se transformou em uma acusação de crime contra a mulher que até hoje busca a devida justiça. Há pouco mais de um mês atrás o Galilé já repercutiu uma outra movimentação da família da jovem.

No fatídico dia 5 de dezembro do ano passado, a jovem foi encontrada morta após o que, à primeira vista, parecia um acidente automobilístico. Porém, as investigações conduzidas pela Polícia Civil de Ouro Preto revelaram que por trás desse aparente acidente se escondia um caso de feminicídio, em que o veículo havia sido deliberadamente usado como uma ferramenta para ceifar a vida da vítima.

O motorista do carro, o suspeito, mostrava sinais de embriaguez, sendo submetido ao teste do etilômetro com um resultado de 0,42 mg/l, configurando crime de trânsito. Inicialmente autuado por embriaguez ao volante, lesão corporal culposa no trânsito e homicídio culposo no trânsito, a investigação da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) revelou que o incidente não foi um acidente. A apuração indicou que, após uma discussão, o homem acelerou o veículo em direção a uma ribanceira, após anunciar sua intenção de matar os ocupantes do carro.

Desde então, a família da jovem tem lutado para ver o acusado não fique impune e para que a justiça seja feita em memória da filha, irmã e amiga que perderam de maneira tão trágica. Em busca de visibilidade e conscientização sobre os perigos do feminicídio, a família realizou mais um protesto nesta data, retornando ao local onde a jovem perdeu sua vida, em uma comovente demonstração de luto e indignação.

Família de jovem falecida volta a pedir prisão de acusado de feminicídio em Ouro Preto
Protesto da família e amigos da jovem no local de sua morte.

O pai da vítima entende que o sentimento de impunidade é o que mais machuca seu coração O fato de todo esse tempo ter se passado e ainda nenhuma ação ter sido tomada pelo Ministério Público o indigna.

“Eles vão ter que me dar uma explicação de por que minha filha está comendo terra e o filho de uma égua não está comendo arroz com feijão na cadeia, sendo que já foi caracterizado como feminicídio ou homicídio. Já está na segunda vara. Então, ele tem que estar preso. Eu não estou aguentando mais, não.”Disse o pai ao Galilé.

A polícia respondeu o pai da vítima com essa mensagem: “O inquérito concluído pela polícia civil foi enviado para o Ministério Público que poderá ajuizar Ação Penal para que que o Autor responda pelo crime de feminicidio. Somente ao final do processo judicial poderá haver alguma decisão acerca da prisão”.

A espera por justiça já se estende por oito meses, período em que a família tem enfrentado a dor da perda e a frustração da demora no desenrolar do caso. Os manifestantes levantam cartazes e proclamam palavras de ordem, exigindo a prisão do acusado e a garantia de que a memória da vítima não seja apagada.

FONTE JORNAL GALILÉ

about

Be informed with the hottest news from all over the world! We monitor what is happenning every day and every minute. Read and enjoy our articles and news and explore this world with Powedris!

Instagram
© 2019 – Powedris. Made by Crocoblock.