Zelinho cobra do DNPM apoio ao Marco Regulatório e pagamento de dívida da Vale

103

O prefeito de Congonhas e presidente da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais (AMIG), José de Freitas Cordeiro (Zelinho), e outros chefes do executivo de municípios mineradores do Estado se reuniram, nessa terça-feira, 28, com a nova Diretoria do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), em Brasília. A entidade, representada pelos prefeitos de Congonhas, Barão de Cocais, Rio Piracicaba, Itabira, Brumadinho, Mariana, Conceição do Mato Dentro e Santa Bárbara, foi a capital federal com o intuito de apresentar também o seu novo presidente e cobrar um apoio mais intenso do órgão ante as demandas da AMIG.

De acordo com o presidente, a reunião foi construtiva e o DNPM demonstrou interesse em atuar mais fortemente junto à entidade. “Colocamos para o Diretor-Geral, Dr. Celso Luiz Garcia, a nossa posição sobre a aprovação do novo marco regulatório da mineração, que deve ser apreciado com urgência e que deve conter a alíquota de arrecadação da CFEM de 4% do faturamento bruto, percentual já combinado e aprovado anteriormente pelo ex-ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, e acordado com os deputados responsáveis pela Comissão Especial do marco”, argumenta. O presidente da AMIG reforça ainda que os municípios não aceitam a alíquota variável que vem sendo apresentada pelo relator da Comissão, dep. federal Leonardo Quintão, por ela ser um retrocesso para o setor de mineração nacional.

Além disso, os prefeitos pediram um empenho maior do DNPM em relação à  cobrança da dívida da Vale com os municípios. De acordo com Zelinho, o diretor do órgão garantiu que vai se movimentar para ajudar os prefeitos e que já vai agendar uma reunião com o Procurador Geral Federal para falar sobre a questão. “Em uma das nossas reuniões, o presidente da Vale nos garantiu que, se tivéssemos um parecer da Procuradoria Geral Federal acatando a possibilidade da decadência ser de dez anos,. ele mesmo colocaria na pauta do Conselho de Administração da mineradora o pagamento imediato da dívida”, ressalta o presidente da AMIG. Esse pagamento seria essencial para que as prefeituras pudessem ter um momento de alívio em suas contas, que estão cada vez mais apertadas, consequência da crise que assola o segmento minerário do país.

Foto:divulgação/PMC