20 de junho de 2024 19:53

Investimentos da Gerdau em Minas serão intensificados em 2024

De 40% a 50% dos aportes do braço de mineração da siderúrgica Gerdau no Estado estão previstos para o próximo ano

Boa parte dos investimentos anunciados pela Gerdau para Minas Gerais deve acontecer no próximo ano, no patamar de 40% a 50%, segundo o vice-presidente executivo de finanças (CFO)  Rafael Japur, que participou ontem do evento Gerdau Stakeholder Day 2023, no Museu das Minas e do Metal (MM Gerdau), no Circuito Liberdade, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

No total, a empresa vai aportar R$ 3,2 bilhões, entre 2023 e 2026, em uma plataforma de mineração sustentável no Estado. O projeto deve criar mais de 5 mil empregos em sua implementação. Atualmente, mil pessoas estão trabalhando no canteiro de obras e outras 2,5 mil vagas devem ser criadas em 2024.

O empreendimento vai utilizar o método de empilhamento a seco para disposição de 100% dos rejeitos de mineração, eliminando a necessidade do uso de barragem, além de ter um mineroduto para o transporte do minério de ferro.

O minério que será produzido na nova plataforma irá para o abastecimento das unidades de produção de aço da Gerdau em Minas, em Ouro Branco, Barão de Cocais, Divinópolis e Sete Lagoas. 

A nova capacidade anual de produção de minério de ferro da empresa na mina de Miguel Burnier, distrito de Ouro Preto, de 5,5 milhões de toneladas, está prevista para entrar em operação no final de 2025. 

Geral

Até o segundo trimestre deste ano, um terço dos desembolsos previstos no plano de investimentos da Gerdau de R$ 11,9 bilhões para o período de 2021 a 2026 foi realizado. A companhia estima que apurou R$ 600 milhões em Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização adicional) neste exercício com os investimentos realizados.

Ontem, o presidente-executivo da companhia, Gustavo Werneck, disse que está otimista de que o governo federal vai adotar tarifa de 25% de Imposto de Importação sobre o aço. Ele afirma que a medida anterior, que é a antecipação para 1º de outubro do fim da redução de 10% da tarifa de importação sobre 12 produtos de aço, é um passo pequeno. A medida começou a vigorar em 2022 e estava prevista para ser revertida em 31 de dezembro.

Apesar de não ser substancial, a medida foi avaliada pelo executivo como um indicativo de que o tema virou questão urgente em Brasília, que ele tem frequentado quase toda semana. “A interlocução nossa com o ministro Alckmin é muito intensa com o corpo técnico dele. Ele conhece bem o tema”, diz.

Ele observou que o tema tem um forte componente político, que contempla a relação com a China. “Há análises técnicas a serem feitas, protocolos a serem seguidos”, observa. 

FONTE DIÁRIO DO COMÉRCIO

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade