24 de abril de 2024 00:01

Verme cabeça de martelo chega ao Brasil e preocupa biólogos

De acordo com biólogo, se o verme for cortado em 10 pedaços, outros 10 novos vermes irão aparecer. Animal é comum no sudeste da Ásia, mas chegou ao Brasil

Bipalium kewense é o nome científico de uma espécie de verme achatado pertencente ao grupo dos Terricola, os platelmintos terrestres de vida livre (não-parasitas). Acredita-se que seja nativo do sudeste asiático, mas foi espalhado pelo mundo quando trazido acidentalmente em navios e hoje pode ser encontrado em vários locais, incluindo: América do Norte, Austrália, ilhas do Caribe, América do Sul, África, Madagascar e agora no Brasil.

O biólogo Henrique Abrahão reforçou o alerta em relação à presença do verme de martelo em terras brasileiras. Esse animal é uma ameaça considerável, em razão do seu poder destrutivo.

Trata-se do maior platelminto de seu tipo, chegando a 60 centímetros de comprimento, tem a cabeça arredondada semelhante a um martelo. É um predador de pequenos animais como moluscos e vermes menores e até de si próprio e costuma ser encontrado em solos úmidos.

O curioso é que, para matar esse animal, não basta ações como cortá-lo ao meio, por exemplo. Isso nem mesmo é recomendável, porque ela se regenera dando origem ao mesmo parasita. Quer dizer que, ao cortar um verme cabeça chata ao meio, estaremos gerando dois deles. Esse animal é portador de uma toxina chamada tetrodotoxina, também encontrada no peixe Baiacu que pode matar. Daí a preocupação com o ecossistema.

Assim, a recomendação é recolher o verme em um recipiente, colocar sal e vinagre. O biólogo usou seu canal no Youtube para explicar a situação.

FONTE DOL

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade