Emocionada, mãe fala da morte do filho na linha férrea

217

Depois da divulgação oficial do resultado das investigações liberado no dia 22 de dezembro de 2014 pela delegada da Divisão de investigações de Crimes Contra a Vida da 2ª DRPC ligadas à morte de Lucas Oliveira Souza, ocorrida em 27 de fevereiro do ano passado, apontando a causa, sua mãe, Regina Lúcia de Oliveira  falou com exclusividade a nossa reportagem. “Em primeiro lugar  quero agradecer as pessoas que nos confortaram com carinho,  amizade e orações nos momentos difíceis que passamos com a  morte do nosso único filho, e pedir a benção e a proteção divina para  todos” disse agradecida.

Segundo dona Regina, desde o início das investigações ela não acreditava na possibilidade de seu filho ter cometido o suicídio, por ele ter uma vida normal e sossegada, porém não descartava a possibilidade do homicídio, devido à circunstância em que ele foi encontrado. Disse ainda que por ser filho único era constantemente vigiado pelos pais e que até a data do fato desconhece qualquer situação que pudesse levá-lo ao envolvimento com as drogas. Ela lamentou ainda que rumores ligassem o fato ao uso de drogas, ressaltando que desde a idade de 14 anos o impedia de andar com más companhias. Ela descreveu o filho como sendo uma excelente pessoa querido por todos que o conhecia, frisado os amigos de trabalho, vizinhos e colegas de escola, e ainda fez questão de enfatizar que na noite anterior Lucas telefonou por volta das 22:00 horas pedindo para que seu pai o buscasse na Escola Padre dos Trabalhos onde ele fazia o curso técnico de mecânica, no bairro São Dimas, e que em seguida ele foi deixado pelo pai na casa da namorada, ou seja, na mesma rua aonde reside a sua família, permanecendo por lá cerca de 30 minutos, sendo visto posteriormente por um vizinho subindo a rua por volta das 23:00 horas passando direto por sua casa com o aparelho celular nas mãos e uma blusa jogada nos ombros como ele tinha costume tomando rumo ignorado.

Somente no dia seguinte é que a família veio a tomar conhecimento do ocorrido. Ela não soube falar o que o levou o filho a passar a noite fora, e nem consegue até hoje imaginar o que teria acontecido com ele para tomar tal atitude.

Quanto às investigações e o laudo pericial apresentado a família, dona Regina disse que não deixaram dúvidas, e que foram excluídas todas as possibilidades de ter sido homicídio ou suicídio.

Entenda o caso

A Polícia Civil apresentou na tarde desta segunda-feira, 22/12, o resultado da apuração da morte de Lucas Oliveira Souza, de 20 anos. Ele foi encontrado sem vida, caído na linha férrea, no bairro Triângulo, por volta das 11 horas da manhã do dia 28 de fevereiro de 2014.

Segundo consta o documento da polícia, as investigações consideraram todas as possibilidades das circunstâncias da morte do jovem, com exaurimento de todas as hipóteses suscitadas e realização de exames periciais possíveis.

No decorrer da investigação foram realizadas diversas diligências, entre comunicações de serviço, provas periciais e depoimentos de aproximadamente 30 testemunhas, com a finalidade de esclarecer as atividades, ações e trajetos realizados por Lucas (foto), desde a tarde de 27 de fevereiro até sua localização na manhã do dia 28.

Conclusão

foto sobre jovem que morreu na linha
Foto/Divulgação

 Diante das provas, a Polícia Civil concluiu que “a morte de       Lucas  Oliveira decorreu de acidente, por interação da vítima com  o último  vagão da composição férrea que passou pelo local”. As  investigações  indicam que Lucas, utilizando a mão esquerda,  tentou segurar na  escada da composição, não conseguindo,  momento que ele foi  arrastado, resultando várias lesões, até a  queda que causou fratura  total da região cervical.

 Os trabalhos periciais também observaram inexistência de lesões    indicativas de defesa ou de luta com uma outra pessoa, bem  como  inexistência de qualquer vestígio de luta nos trajes  localizados e  pertencentes a vítima. Foi constatado também pela  polícia que não  houve nenhum tipo de manipulação do corpo da  vítima após o óbito.O  laudo elaborado pela Perícia Criminal excluiu a possibilidade de intervenção criminosa na morte. À época de sua morte, houve muita comoção entre amigos de Lucas Oliveira Souza, que acreditavam que ele tivesse sido assassinado.