Queluzianos às armas! Idealizadores do Movimento Queluz lembra data em que Câmara de Queluz aderiu ao Movimento Revolucionária de 1842

17

Os idealizadores do Movimento Memória Viva de Queluz protocolaram nesta semana um documento sobre a Revolução Liberal de 1842, relembrando que no dia 14 de junho daquele ano a Câmara de  Queluz, através dos vereadores do Partido Liberal, assinaram um oficio ao presidente insurgente, Barão de Cocais, reconhecendo como legítimo governador no Movimento Revolucionário de 1842, episodio politico armado ocorrido na Província de Minas Gerais promovido pelo Partido Liberal, liderado pelo Deputado Provincial Teófilo Otoni.

“A Vila de Queluz” teve uma participação destacada no episódio com a Batalha de Queluz, vencida pelos insurgentes liberais que derrotaram a brigada militar dos legalistas que possuiam na época uma artilharia pesada”, destacou o pesquisador da Revolução Liberal de 1842, João Vicente.

Geraldo Castro, João Vicente e Célio Faria, idealizadores do Movimento Cultural

O texto foi lido na noite de ontem na reunião ordinária da Câmara Municipal de Conselheiro Lafaiete. Lei na íntegra.

“O Movimento Memória de Que luz está encaminhando a esta Casa um texto que ressalta a importância da participação da Câmara de Que luz ou Câmara Municipal de Conselheiro Lafaiete no episódio político armado, intitulado de Revolução Liberal de 1842, pela historiografia brasileira, ocorrido no ano de 1842. Desde já, gostaríamos de agradecer tanto os vereadores, como também os servidores da Casa pelo apreço e as parcerias dos eventos realizados em anos anteriores onde comemoramos a participação de Lafaiete, outra Que luz, no Movimento Revolucionário de 1842.

Queluziano às armas

A data de hoje 13/6 e a de amanhã, 14/6, têm um significado histórico para esta Casa Legislativa. Há exatamente 177 anos, a tropa do Capitão Marciano Pereira Brandão saiu de São Gonçalo e o Tenente-Coronel Jacob Dornellas de Catas Altas da Noruega se juntaram as tropas do Antônio Rodrigues Pereira (pai do Conselheiro Lafaiete), agruparam em frente à Câmara Municipal de Que luz e com a bancada dos vereadores liberais tomou uma decisão revolucionária ao redigir um documento que reconhecia o governo insurgente liberal e Barbacena a sua capital na Província de Minas Gerais em 1842. A chamada Revolução Liberal de 1842 foi uma resposta do Partido Liberal da época contra as medidas retrogradas do Gabinete Imperial formado pelos Deputados do Partido Conservador que impôs através de leis e decretos um retrocesso na vida política do Império, como por exemplo:

– O fechamento da Câmara dos Deputados

– O fim da autonomia das Províncias

– Mordaças no Código Civil e a Recriação do Conselho de Estado

“Não restou a nós liberais, se não as armas para barrar o avanço do retrocesso em nossa Nação” Líder do Movimento de 1842 em Minas, Deputado Teófilo Otoni.

A Revolução Liberal, ocorrida em Minas, reservou a Vila de Que luz a mais notável vitória dos insurgentes. O livro “Movimenta de 1842”, escrito pelo Cônego Marinho revela o patriotismo e o amor pela liberdade dos queluzianos na celebre Batalha de Que luz ocorrida em 26/6/1842, dia de Santana. Por último gostaríamos de deixar nossa mensagem de acreditar que um dia estas datas possam fazer parte do calendário oficial da Câmara e do Município e a Pelo Barão de Que luz, transformar no primeiro Museu Céu Aberto do Movimento Revolucionário de 1842 no Brasil, resgatando a memória do maior episódio político da nossa história: “A batalha de Que luz”. Nosso muito obrigado um abraço fraterno, João Vicente, Célio Faria e Geraldo Castro

Idealizadores do MOVIMENTO MEMÓRIA VIVA DE QUELUZ, Conselheiro Lafaiete 13 de junho de 2019