16 de junho de 2024 12:50

13º do Bolsa Família será REALIDADE em 2023?

Saiba se você poderá receber o benefício adicional antes do final do ano.

O Bolsa Família é considerado, hoje em dia, o maior programa de transferência de renda do país. Afinal de contas, o programa contempla mais de 20 milhões de brasileiros, além de ter o valor mínimo fixado em R$600. Vale lembrar que os pagamentos de setembro terminaram no dia 29. Na ocasião, a Caixa Econômica Federal realizou as transferências, beneficiando os brasileiros.

Agora, para o mês de outubro, o cronograma também já foi estipulado e, com isso, a principal dúvidas dos cidadãos inscritos no programa é: E o 13º do Bolsa Família? Bom, quer saber todos os detalhes, confira esta leitura até o fim!

Sobre o 13º do Bolsa Família

Antes de tudo, é importante lembrar que o 13º do Bolsa Família foi repassado aos brasileiros apenas uma vez. Este repasse ocorreu em 2019, contudo, a partir daí, as famílias não contaram mais com essa renda adicional. Além disso, o retorno do Bolsa Família em 2023 obrigou o governo a reformular os critérios e isso trouxe novos valores e regras para o programa, além de pagamentos adicionais.

Dessa forma, a expectativa sobre o retorno do 13º salário para esse grupo de beneficiários, ganhou destaque mais uma vez.

Apesar da equipe do presidente eleito, empossado novamente em janeiro deste ano, Luiz Inácio Lula da Silva, estar sendo constantemente questionada, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) aponta em suas declarações que essa possibilidade está descartada.

Quem tem direito aos pagamentos recorrentes do Bolsa Família?

Em síntese, o programa Bolsa Família tem como objetivo principal fornecer assistência financeira às famílias em situação de pobreza e extrema pobreza. Com isso, os beneficiários recebem um valor mensal que varia de acordo com a composição da família, assim como a renda per capita e outras variáveis socioeconômicas.

Nesse sentido, além do pagamento direto, o programa também exige que as famílias cumpram certas condições, como manter as crianças na escola e cumprir as recomendações de saúde, como a vacinação.

Aliás, o Bolsa Família é um programa importante no Brasil e tem sido elogiado por contribuir para a melhoria das condições de vida de muitas famílias em situação de vulnerabilidade. Acima de tudo, também é um programa que busca promover a inclusão social e econômica, ao mesmo tempo em que combate a desnutrição infantil e incentiva o acesso à educação.

Primordialmente, desde sua criação, o programa passou por várias atualizações e mudanças, e continua sendo uma peça fundamental nas políticas de combate à pobreza no país.

Como é feito o cadastro no programa Bolsa Família?

De antemão, o processo de cadastro no Bolsa Família envolve várias etapas e requer que a família interessada atenda a determinados critérios de elegibilidade. Dessa forma, aqui estão os passos básicos para se cadastrar no Bolsa Família:

Verifique a elegibilidade:

  • O Bolsa Família é destinado a famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza. Para se qualificar, a renda per capita da família deve estar dentro dos limites estabelecidos pelo programa. Esses limites podem variar ao longo do tempo e conforme a composição da família.

Procure o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS):

  • O próximo passo é localizar o CRAS mais próximo de sua residência. O CRAS é responsável por realizar o cadastro e a seleção das famílias para o Bolsa Família. Você pode encontrar o endereço do CRAS mais próximo através do site do Ministério da Cidadania ou entrando em contato com a prefeitura de sua cidade.

Agende uma visita ao CRAS:

  • Entre em contato com o CRAS para agendar uma visita. Durante a visita, um assistente social realizará uma entrevista com a família para avaliar a elegibilidade e coletar informações necessárias para o cadastro.

Providencie os documentos necessários:

  • Na entrevista, você precisará apresentar documentos que comprovem sua identidade, residência, renda e composição familiar. Esses documentos podem incluir RG, CPF, comprovante de endereço, comprovante de renda, certidão de nascimento de crianças e outros documentos solicitados pelo assistente social.

Aguarde a análise e aprovação:

  • Após a entrevista e a apresentação dos documentos, o assistente social enviará as informações para análise. Se a família atender aos critérios de elegibilidade, será incluída no programa e começará a receber os benefícios mensais.

Mantenha as informações atualizadas:

  • É importante manter as informações da família atualizadas junto no CadÚnico (Cadastro Único). Qualquer alteração na composição familiar, na renda ou na situação de residência deve ser informada para garantir a continuidade do benefício.

FONTE BRASIL 123

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade