25 de julho de 2024 06:50

Justiça isenta investigador no caso da morte da escrivã Rafaela Drumond

A jovem foi encontrada sem vida no último dia 9 de junho; decisão acata pedido do Ministério Público

A Justiça acatou o pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e arquivou o inquérito policial que investigava a morte da escrivã Rafaela Drumond. Com isso, o investigador Celso Trindade de Andrade foi inocentado. A jovem foi encontrada sem vida no último dia 9 de junho.

No pedido do MPMG, Andrade não foi indiciado pelo crime de injúria. A justificativa da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) foi: “decadência em relação ao crime”, já que não foi realizada a representação contra o referido crime, a qual tem prazo decadencial de seis meses, contados desde a ocorrência do fato criminoso. 

Já no que diz respeito ao delegado Itamar Cláudio Netto, caso que o MPMG apontava como omissão, a decisão foi de que a Justiça de Carandaí não seria competente para o julgamento da questão. Por isso, o caso foi transferido para o Juizado Especial Criminal. O órgão é o responsável por infrações cujo potencial ofensivo é menor.

Após saber sobre o arquivamento, o pai de Rafaela Drumond, Aldair Drumond, afirmou que o advogado da família vai contestar a decisão da Justiça. “Eu não vou parar. A minha filha entrou (na polícia) 100%, com o psicológico 100%. Eu perdi a minha filha para eles”, lamenta.

Entenda a investigação

O inquérito relacionado à morte da escrivã Rafaela Drumond foi concluído pela Polícia Civil de Minas Gerais no dia 13 de setembro e, em seguida, encaminhado à promotoria de Justiça na Comarca de Carandaí, na região da Zona da Mata.

A investigação sobre a morte da escrivã Rafaela Drumond foi conduzida pela Corregedoria Geral da Polícia Civil de Minas Gerais. O inquérito policial e o procedimento disciplinar apuraram supostos casos de assédios moral e sexual, que poderiam ter induzido a servidora à morte.     

O delegado e o investigador da Polícia Civil, que atuavam na mesma delegacia onde trabalhava Rafaela, foram investigados por, supostamente, terem cometido os assédios. Durante as investigações, eles chegaram a ser transferidos duas vezes, no intervalo de 20 dias. O investigador foi, inclusive, afastado por licença médica durante 60 dias. 

FONTE O TEMPO

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade