Empresa canadense na área de educação anuncia investimentos em Lafaiete

18
GERAL032/MAPLEBEAR.JPG MAPLE BEAR, NOVA UNIDADE CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

Mesmo diante da crise imposta pelo novo coronavírus (Covid-19) e os impactos diretos causados no sistema privado de educação, a Maple Bear, escola canadense de ensino bilíngue, mantém o plano de expansão da rede no Brasil.

A MapleBear quer abrir 90 escolas no País, com início de operação até 2022 | Crédito: DIVULGAÇÃO

Ao todo, serão abertas 90 escolas no País, das quais 14 em Minas Gerais, sob investimentos de cerca de R$ 20 milhões apenas no Estado. Em âmbito nacional os aportes podem chegar a R$ 180 milhões nas unidades que entrarão em operação até 2022. Um dos destinos da empresa será Lafaiete que poderá receber uma unidade.

As 14 que serão abertas no Estado deverão gerar aproximadamente 700 empregos diretos e, conforme o diretor, nas próximas semanas, representantes da franqueadora irão se reunir virtualmente com investidores locais interessados em abrir uma unidade Maple Bear nos municípios de Divinópolis, Sete Lagoas, Araxá, Varginha, Lavras, Patos de Minas, Itajubá, Barbacena, Passos, Timóteo, Santa Luzia, Araguari e Teófilo Otoni. Atualmente, a rede conta com 145 escolas e mais de 30 mil alunos em todo o País. Em Minas, são 10 unidades em operação.

As informações são do diretor de franquias da Maple Bear, Adriano Magalhães. Segundo ele, com a suspensão das aulas presenciais em praticamente em todo o País, a rede renegociou contratos com os franqueados de maneira a ampliar o prazo de implantação das unidades. Assim, as escolas seguem em processo de implantação, seguindo todos os processos legais e burocráticos de cada região, mas somente deverão iniciar as atividades, de fato, no ano que vem.

Para a escolha das regiões, conforme Magalhães, além de população e renda, traços comuns na área de educação, foram levados em conta também o perfil das redes de ensino, como a concentração de escolas de métodos tradicionais conteudistas e carência no bilinguismo genuíno.

“Até o momento, identificamos apenas escolas que oferecem a segunda língua no contraturno, mas a proposta da Maple Bear é muito mais profunda. Em nosso programa, os três primeiros anos são ministrados 100% em inglês e, nos anos seguintes, 50% das aulas. Com isso, o aluno desenvolve uma fluência muito rapidamente. Soma-se a isso uma metodologia na qual o aluno é protagonista no processo de aprendizagem, cujo foco se dá no desenvolvimento de suas habilidades, em detrimento da memorização inerente ao método de escolas tradicionais. Formamos um cidadão muito mais preparado para um mercado de trabalho cada vez mais dinâmico, competitivo e globalizado”, destacou.

Em relação ao desempenho deste exercício, o diretor informou que estava sendo aguardado um incremento de cerca de 20% no faturamento, considerando as novas unidades. Com a mudança de estratégia em função da pandemia, agora estima-se alta de 10% a 15%, como vem ocorrendo nos últimos anos. A rede fatura anualmente cerca de R$ 700 milhões. (DC)