GARIMPANDO NO ARQUIVO JAIR NORONHA – GARIMPANDO NOTÍCIAS 48

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

GARIMPANDO NO ARQUIVO JAIR NORONHA

                                                     Avelina Maria Noronha de Almeida

                                                          [email protected]

 

GARIMPANDO NOTÍCIAS 48

                     Em que residência  pernoitou  D. Pedro II em Queluz?

Um ponto controverso da nossa História…

Antes de continuarmos com o Diário de Viagem de D. Pedro II, vou repetir uns conteúdos já colocados no artigo anterior.

Imagem da Internet

Pedro II a cavalo na viagem que fez a Minas

PRIMEIRO vou repetir um trecho do Diário de Viagem de D. Pedro:

“29 (terça-feira) – Dormi bem. Saída às 6 h. (…) Do Alto das Bandeirinhas já se avistam casas de Queluz. Parou-se em algum lugar por causa das liteiras. O tempo das pequenas paradas e o do almoço andariam por menos de duas horas. O coronel Pereira apontou-me suas terras do Ribeirão do Inferno e Queluz.

Já em lugar anterior a revista colocara o seguinte: “Durante a viagem D. Pedro II conversou bastante com o coronel Antônio”. Em outro local fala  sobre  o  “Rodrigues Pereira, futuramente Barão de Pouso Alegre, proprietário de terras na região e na própria Queluz.” A referência é a Antônio Rodrigues Pereira, pai de Conselheiro Washington Rodrigues Pereira e de Conselheiro Lafayette.

 Antônio Rodrigues Pereira

Imagem da Internet

Agora citando outra vez a notícia apresentada pela A Revista Ilustrada. Rio de Janeiro, ano 6, número 245, 1881. P. 4 e 5. 59.

“A cidade de Queluz recebeu SS. MM. II. com o maior júbilo. Entusiasmo indescritível, grandes ovações, fogos, músicas etc. A cidade deu aos Augustos Viajantes as mais solenes provas de contentamento”. 190 Já instalado, o Imperador descansou um pouco e conversou com a família de Washington Rodrigues Pereira, filho do coronel Antônio, saindo logo em seguida para o estabelecimento educacional, onde preferiu a aula de meninos à de meninas. Em seguida esteve na cadeia e apesar de ter considerado o edifício bom, atentou para sua necessidade de melhorias internas, além disso, afirmou que no local “falta quase tudo, não tendo os soldados da polícia nem baionetas nem sabres-baionetas”.191 […] Antes de retornar à residência onde estava hospedado, assistiu a um Te Deum na igreja matriz e afirmou ter sido sofrível. Quando em casa, ouviu moda de viola e elogiou o músico: “O rapaz tocou bem a viola e melhor violão”193.

POR QUE REPETI ESTE TRECHO? Porque até hoje não se esclareceu devidamente um ponto obscuro na presença de D. Pedro em nossa cidade. Hipóteses que existem a respeito de  em qual residência se hospedara e dormira  D. Pedro II:

1) Seria no Solar do Barão de Suassuí? 2) Seria no Solar do Barão de Queluz? Talvez houvesse a resposta exata no LIVRO DO TOMBO ANTIGO DA PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO, porém este livro, pelo que concluí nos meus estudos e, de acordo com  informação antiga que encontrei no Museu Perdigão, estaria, na década de 40, em Ouro Preto,  naturalmente no Instituto Histórico de Ouro Preto, que fora dissolvido e seus documentos espalhados por vários lugares. Procurei muito descobrir onde estaria este Livro tão importante para nossa História, mas foi em vão.

OBSERVANDO a notícia da Revista Ilustrada, VEJAM O QUE PENSEI: Se o pai do WASHINGTON RODRIGUES PEREIRA FOI COMPANHEIRO DE VIAGEM DE D. PEDRO, NO ALTO DAS BANDEIRINHAS, ANTES DE ENTRAR EM QUELUZ, MOSTROU SUAS TERRAS, AO CHEGAR EM QUELUZ AONDE LEVARIA D. PEDRO PARA SE HOSPEDAR? NÃO PODERIA SER NA CASA DE SEU FILHO WASHINGTON, QUE FICAVA ONDE É HOJE A PRAÇA TIRADENTES, EM FRENTE À ANTIGA CADEIA, HOJE MUSEU PERDIGÃO? E REVEJAM ESTE TRECHO: “Já instalado, o Imperador descansou um pouco e conversou com a família de Washington Rodrigues Pereira, filho do coronel Antônio, saindo logo em seguida para o estabelecimento educacional, onde preferiu a aula de meninos à de meninas.” Se ELE JÁ ESTAVA INSTALADO, ESTRANHO CONVERSAR COM A FAMÍLIA DO WASHINGTON SE ESTIVESSE INSTALADO EM OUTRO LUGAR, CUJA FAMÍLIA NÃO CITOU…

No Diário ele ainda diz do que aconteceu depois do Te Deum na Igreja: “Conversei com a mulher de Washington Pereira, filha de Luiz Antônio Barbosa, que lembrou-me tê-la eu interrogado num colégio de Niteroi. Parece-me excelente senhora e muito inteligente. Recolhi-me depois das 9.” OBSERVEM QUE ELE NÃO DIZ TER SAÍDO, APÓS A CONVERSA, PARA OUTRO LUGAR, MAS SIM QUE SE RECOLHEU.

FIZ ESTA INTERRUPÇÃO NO DIÁRIO PORQUE ESTE PONTO SEMPRE FOI POLÊMICO SEM UMA EXPLICAÇÃO CONVINCENTE. ALGUMAS PISTAS, ALGUMAS INTERPRETAÇÕES E ALGUMAS DÚVIDAS… ESTA É APENAS MAIS UMA OPÇÃO QUE ESTOU APRESENTANDO.  SE ALGUÉM QUISER PODE COLOCAR SUA OPINIÃO, CONTESTANDO OU APOIANDO ESTAS OBSERVAÇÕES APRESENTADAS NO ARTIGO.

FICA PARA O PRÓXIMO ARTIGO a visita de  D. PEDRO II à estalagem da Varginha.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
FacebooktwitterFacebooktwitter

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *