Prefeitura de Lafaiete fala sobre estragos causados pela chuva na cidade

15
Pronto socorro foi muito atingido pelo temporal e foi interditado  Foto/fatoreal
Túnel após a chuva/Foto:correio deMinas
Túnel após a chuva/Foto:Correio de Minas

Após longo período sem chuva, um temporal caiu sobre Lafaiete no começo da noite desta terça-feira (27) e causou muitos prejuízos e transtornos. Segundo a Defesa Civil Municipal choveu 53 mm durante um período de 6 horas. A forte chuva provocou alagamentos na área central e em diversos bairros.

Na policlínica municipal houve queda de uma pequena placa do forro de PVC da recepção, levando à sua desocupação imediata. Com a queda a água acumulada no forro inundou algumas áreas da unidade de saúde, como a sala de raio-x, impedindo que exames fossem feitos. È importante esclarecer, que durante a queda de parte do forro ninguém foi atingido, ninguém ficou ferido.

Os pacientes que estavam na recepção foram provisoriamente alojados em espaços menores e o atendimento, embora precário, não foi interrompido.

A Defesa Civil Municipal interditou ainda na noite de ontem, parcialmente o prédio; apenas a recepção e a sala de raio-x que foram alagadas.

A direção da unidade de saúde buscou ainda na noite passada alternativas para transferência de atendimento dos pacientes, mas o Hospital e Maternidade São José (referência regional) também estava em situações precárias sem energia elétrica inviabilizando a utilização do aparelho de raio X, justamente o que auxilia na realização de exames de emergência Ao longo da noite, com interferência do prefeito Dr. Ivar foi  viabilizado o atendimento  de pacientes que precisavam de tal exame, no Hospital Queluz.

Na manhã desta quarta-feira (28) a Secretaria de Obras já trabalha na recuperação do forro. A conclusão do serviço está prevista para esta quinta-feira (29).

Apesar das avarias provocadas pela tempestade que caiu em Lafaiete na noite de ontem, o atendimento na policlínica está normalizado hoje; inclusive com exames de raio-x. A única alteração é que até que sejam corrigidas as avarias na recepção, o atendimento será feito pela entrada de emergência, ao lado da porta da recepção.

Durante os problemas na policlínica, além da direção, estiveram lá acompanhando os trabalhos e analisando o que fazer após a chuva, a Defesa Civil Municipal, os secretários municipais de Obras, Administração, Saúde e um engenheiro da prefeitura.