24 de abril de 2024 00:45

Indestrutíveis: os 9 bunkers mais impressionantes do mundo

Se os bunkers despertam o interesse dos amantes da arquitetura brutalista ou da história, mais do que isso, são importantes testemunhas de períodos de guerra, em particular da Segunda Guerra Mundial e da Guerra Fria. A década de 1960, com a chegada da bomba nuclear, assistiu ao desenvolvimento de estruturas importantes, por vezes monumentais, como as galerias escavadas durante a era Maoísta, na China, ou o encomendado pelo primeiro-ministro canadiano no auge das tensões.

Além da sua aparência, muitas vezes surpreendente, eles também nos lembram a escala dos conflitos globais do século XX. Hoje, convertidos em museus ou simplesmente abandonados, esses são os bunkers mais impressionantes do planeta.

1. Grand Blockhaus, País do Loire, França

 

Grand Blockhaus, País do Loire, França — Foto: Getty Images
Grand Blockhaus, País do Loire, França — Foto: Getty Images

A pequena cidade de Batz-sur-Mer, entre La Baule e Le Croisic, abriga um dos maiores bunkers construídos na França. Apelidado de Grand Blockhaus e agora convertido em museu, foi construído em 1942 pela ocupação alemã como parte da Muralha do Atlântico, um projeto de fortificação alemão que visa prevenir a intervenção marítima aliada. Com 25 metros de comprimento e 17 metros de altura, esta antiga fortificação destinava-se a proteger mais particularmente o estuário do Loire – como os outros 13.000 que os alemães construíram nesta localidade.

2. Central 816, Chongqing, China

 

Central 816, Chongqing, China — Foto: Getty Images

Central 816, Chongqing, China — Foto: Getty Images

É o maior bunker do mundo: 20 quilómetros de galerias subterrâneas sob as montanhas no sudoeste da China. Originalmente dedicados à produção de plutónio para bombas nucleares, estes túneis foram concebidos por 60.000 trabalhadores durante a era Maoísta durante cerca de 17 anos a partir de 1967. Quase 100.000 metros quadrados pavimentam este bunker monumental, ou seja, 14 campos de futebol – de acordo com Les Échos. No final da Guerra Fria, as relações entre os dois blocos acalmaram e a China abandonou rapidamente o seu projecto atómico, desperdiçando o equivalente a 11 mil milhões de euros neste empreendimento obsoleto. Desde 2010, os visitantes podem conhecer o local.

3. Bunkers submersos, Mar do Norte, Reino Unido

 

Bunkers submersos, Mar do Norte, Reino Unido — Foto: Getty Images
Bunkers submersos, Mar do Norte, Reino Unido — Foto: Getty Images

Em todo o Reino Unido, não é incomum encontrar antigos bunkers abandonados no campo. No meio de uma floresta, à beira de um precipício ou afundados na areia, estes edifícios obsoletos tornaram-se parte do seu ambiente, onde a natureza muitas vezes reivindicou os seus direitos. Utilizados para proteger as tropas britânicas e esconder armas durante a Segunda Guerra Mundial, ajudaram a criar paisagens desoladas, testemunhas de conflitos. Aqui, este bunker parece estar flutuando no Mar do Norte, na costa do Reino Unido.

4. The Diefenbunker, Ontário, Canadá

The Diefenbunker, Ontário, Canadá — Foto: Getty Images

The Diefenbunker, Ontário, Canadá — Foto: Getty Images

Encomendado pelo primeiro-ministro canadense John Diefenbaker em 1959, o bunker que leva seu nome também foi construído durante a Guerra Fria, durante a escalada das tensões. Destinado a abrigar membros do governo em caso de ataque nuclear, faz parte de uma série de fortificações construídas para esse fim em todo o país. Quatro níveis e 30.000 metros quadrados de concreto vazada para resistir a uma explosão de 5 megatons, a uma distância de 1,8 quilômetros. No final da Guerra Fria, foi transformado em base militar, depois classificado como monumento histórico em 1994, antes de ser transformado em museu em 1997.

5. Bunker em Utah Beach, Normandia, França

 

Bunker em Utah Beach, Normandia, França — Foto: Getty Images
Bunker em Utah Beach, Normandia, França — Foto: Getty Images

Utah Beach, uma das cinco praias de desembarque em 1944, está localizada na península de Cotentin. Os alemães construíram poucos bunkers ali, considerando que o local não seria utilizado pelos Aliados para pouso. Este é o local onde o menor número de vítimas de guerra foi relatado durante o Dia D. No entanto, restam 22 vestígios destas construções nas dunas, junto à praia. Abandonadas desde a Libertação, fazem parte da paisagem e hoje atraem caminhantes curiosos.

6. Quartel-General de Guerra do Governo Central, Cotswolds, Reino Unido

 

Quartel-General de Guerra do Governo Central, Cotswolds, Reino Unido — Foto: Getty Images
Quartel-General de Guerra do Governo Central, Cotswolds, Reino Unido — Foto: Getty Images

Também conhecido como “Stockwell”, “Subterfuge” ou “Burlington”, este local construído a 36 metros de profundidade foi o quartel-general de guerra do governo do Reino Unido durante trinta anos. Numa antiga pedreira no sul do país, este local ultrassecreto foi escavado desde 1950 antes de ser revelado ao público em 1982 por um jornalista de investigação. O Quartel-General de Guerra do Governo Central contém 96 quilómetros de túneis e poderá, quando ainda em utilização, acomodar 4.000 pessoas em isolamento durante até três meses. Foi também equipado com uma estação telefónica e da BBC, que permite ao Primeiro-Ministro dirigir-se aos cidadãos. Desde o fim da Guerra Fria, o complexo não foi utilizado.

7. Forte de la Hougue, Normandia, França

Forte de la Hougue, Normandia, França — Foto: Getty Images

Situado no departamento da Mancha, este local fortificado foi construído por Vauban em 1694 para proteger a França dos ataques britânicos após várias derrotas – o que não impediu que os ingleses atacassem posteriormente a costa da Normandia. Durante a ocupação, os alemães construíram novos bunkers junto ao antigo património para criar a Muralha do Atlântico. Assim, a arquitetura típica de Vauban mistura-se com o brutalismo das fortificações, formando uma combinação única. O local está listado pela UNESCO desde 2008.

8. Bunker da Guerra Fria de York, Yorkshire, Reino Unido

Bunker da Guerra Fria de York, Yorkshire, Reino Unido — Foto: Getty Images
Bunker da Guerra Fria de York, Yorkshire, Reino Unido — Foto: Getty Images

Localizado em York, no nordeste da Inglaterra, este bunker verde parece ter saído de um filme de Wes Anderson. Construída em 1961 devido à preocupação com os conflitos nucleares da Guerra Fria, serviu como torre de controle até 1991 antes de ser classificada como patrimônio histórico britânico e se tornar um local turístico em 2006. Se esta fortificação fizesse parte de uma série de construções semelhantes ao mesmo tempo, é o único que permanece, ainda hoje, idêntico à sua forma inicial.

9. Bunker GO-42, Moscou, Rússia

Bunker GO-42, Moscou, Rússia — Foto: Getty Images
Bunker GO-42, Moscou, Rússia — Foto: Getty Images

Com área de 7 mil metros, o Bunker GO-42 está enterrado 65 metros abaixo do solo em Moscou, próximo à estação de metrô Tagansky. É hoje conhecido como o museu da Guerra Fria, mas serviu, desde 1951, como centro secreto de comunicações para a defesa aérea russa. Quase 600 pessoas puderam refugiar-se ali e trabalhar de forma independente durante 30 dias. Foi comprado em 2006 por uma empresa privada que o transformou em museu.

*Matéria originalmente publicada na Architectural Digest França

FONTE CASA VOGUE

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade