20 de maio de 2024 09:56

Com 1,3 metro de largura e móveis ‘esmagados’: como é viver na casa mais estreita do mundo

Imóvel foi lar do artista austríaco Erwin Wurm, que projetou a casa como espaço de reflexão para uma sociedade que impõe limites aos indivíduos

Quando alguém pensa em uma casa, imagina espaços amplos e bem iluminados, um lugar onde pode passar o tempo com mais conforto do que em um apartamento. Mas e se houver uma casa que rompa com esse modelo e tenha medidas incomuns? Sete metros de altura, 1,3 metro de largura e 16 metros de profundidade. Ela existe e é conhecida como a casa mais estreita do mundo: a Narrow House.

A construção inovadora, projetada e construída em 2010 pelo escultor austríaco Erwin Wurm, foi permanentemente instalada em 2021 na Place Claude Érignac em Le Havre, Normandia, e aberta ao público em 24 de junho de 2022.

A casa original foi construída no final da década de 1960 e foi o lar de Wurm e sua família por vários anos. O artista modelou essa estrutura para fazer uma reflexão sobre uma sociedade restritiva e rígida, onde a expressão pessoal era limitada pelas normas sociais e pela educação rígida.

A Narrow House é cercada por um jardim paisagístico que cria a ilusão de um bairro residencial típico da região. No entanto, entrar na residência é entrar em um mundo surreal.

O interior da propriedade desafia a lógica convencional: os móveis e os objetos parecem estar comprimidos, esmagados, enquanto as paredes apresentam várias fotografias de uma família que confundem qualquer visitante e fazem com que mergulhe em uma jornada pela irrealidade.

A casa não é adequada pra quem sofre de claustrofobia: tem 1,3 metro de largura — Foto: Estúdio Erwin Wurm/Divulgação

À medida que os visitantes se deslocam pela estrutura, as salas se abrem diante deles, mas, por serem tão estreitas, não permitem a entrada de ninguém e podem até criar claustrofobia e fazer com que as pessoas decidam sair.

Outras construções estreitas

Na Inglaterra, há uma casa mais estreita do que os ônibus de dois andares que circulam pela capital Londres. A propriedade em Padtow, na cidade costeira de Cornwall, se destaca por medir – em seu ponto mais estreito – 1,75 metro de comprimento; e seu espaço mais largo mede dois metros e meio de ponta a ponta.

A casa azul celestial brilhante tem 1,75 metro de largura em seu ponto mais estreito — Foto: rightmove.co.uk/Divulgação

A comparação mais engraçada é que os famosos ônibus vermelhos de dois andares que circulam pela capital inglesa são um centímetro mais largos do que essa casa.

Com a fachada pintada de azul claro brilhante, a minicabana, localizada a uma curta caminhada da praia, é anunciada como uma casa de férias e é usada por seus proprietários por cerca de 30% do ano.

Subsídios, engenheiros ousados e baterias baratas: como a China construiu a BYD, empresa que desbancou a Tesla

No meio da área turística e a oeste do centro da cidade, a construção atrai a atenção dos visitantes que caminham pela Duke Street, que notam o contraste entre as duas propriedades maiores que a cercam.

Para os fãs do tradicional, o interior da propriedade parece tipicamente local com seus espaços minimalistas, uma cozinha campestre para fazer refeições caseiras e móveis com tema náutico espalhados pelos cômodos.

O portal de propriedades Rightmove a descreve como “soberbamente apresentada e charmosa, esta icônica casa de campo oferece confortos modernos sem prejudicar seu charme e características de época”.

Nos típicos dias chuvosos, o frio não é um problema. Os tetos com vigas e os peitoris profundos das janelas cercam os cômodos quentes, que são aquecidos por um sistema ecológico.

Quando o sol sai, o pátio é o lugar perfeito para se bronzear e ficar do lado de fora com os vizinhos dos outros chalés, cada um com uma “área espaçosa”. Além disso, a parte externa da casa tem uma lavanderia e uma área de armazenamento coberta.

Sua fama não se limita aos visitantes de Padstow, mas a curiosa propriedade tem um histórico de aparição em várias séries de televisão. Setenta por cento do ano, a casa é alugada por famílias que procuram acomodação temporária e deixam excelentes comentários de referência para os proprietários, que moram lá no restante do tempo. Sem dúvida, é um lugar inesquecível para as férias.

Uma casa de quatro andares em um pequeno beco

Qualquer pessoa que já tenha passado pelo beco entre as ruas Chłodna Żelazna, 22 e 74, em Varsóvia, pode ter pensado que o espaço era muito estreito e inútil devido à sua localização entre as paredes de dois edifícios.

No entanto, nesse espaço, o arquiteto polonês Jakub Szczęsny viu uma oportunidade: construir uma casa de quatro andares. Assim nasceu a Keret House, uma residência que tem apenas um metro e meio de largura em sua parte mais larga.

O acesso À casa Keret, construída entre duas paredes — Foto: Divulgação

O nome da casa é uma homenagem ao escritor e diretor de cinema israelense Etgar Keret, que foi o primeiro inquilino. A estrutura de ferro foi instalada em 2012 entre dois edifícios históricos.

De um lado, há um prédio de tijolos anterior à Segunda Guerra Mundial, um tipo de construção que quase não existe mais, e do outro, um prédio de apartamentos de concreto, um elemento de uma “estrutura imposta” que pretendia negar a paisagem urbana anterior, como o arquiteto analisou em entrevistas.

Embora o ponto mais largo da casa meça apenas 1,52 m, o interior naturalmente iluminado e totalmente pintado de branco é à prova de claustrofobia. O local tem quatro andares e possui um quarto, uma cozinha, um banheiro e uma sala de estar.

É claro que, ao entrar, o inquilino precisa subir as escadas e mover alguns dos móveis. Tudo se move e cabe no apartamento, cujo espaço mais estreito é de apenas 92 centímetros.

Como tem apenas duas janelas que não abrem, a luz do sol entra na casa principalmente pelos painéis de vidro translúcido que formam as paredes. A eletricidade é fornecida por um prédio vizinho. Quanto ao restante dos serviços, a casa tem tecnologia de águas residuais e não está conectada aos sistemas da cidade.

Para se deslocar de um andar para o outro, o inquilino precisa usar escadas que podem ser “escondidas” para disponibilizar mais espaço. Na parte mais alta da casa, que tem pouco mais de nove metros de altura, há um quarto com uma pequena escrivaninha, que oferece um espaço para trabalhar.

A construção da casa foi apoiada pelas autoridades de Varsóvia e pela Fundação Polonesa de Arte Moderna, proprietária do espaço, porque foi classificada como uma “instalação artística”, já que não está em conformidade com os códigos de construção do país, embora tenha sido usada para fins residenciais.

Depois que Keret morou na propriedade por várias semanas, a Keret House foi aberta a escritores viajantes para pernoites. Desde 2017, ela está aberta ao público, desde que não esteja passando por manutenção.

FONTE ÉPOCA NEGÓCIOS

Mais Notícias

Receba notícias em seu celular

Publicidade